6 de junho de 2015

Até onde pode ir nosso desejo de vencer na vida?

Até onde?
Sabemos que constantemente estamos sendo bombardeados por uma competitividade silenciosa e um super ego individual exorbitante. Queremos sempre ser os melhores em tudo e isto até certo ponto é algo completamente saudável e natural. Vivemos num frenesi de correrias e prazos "curtos" e lacunas que devemos preencher custe o que custar. As vezes isto é definido como vencimento. Pessoas que atingem suas metas são tidas como vencedoras num dia a dia tão lotado. Existe uma boa explicação para isto tudo? Para toda esta correria atemporal?

Por que muitas vezes o ato de vencer é ligado à necessidade de se passar por cima do próximo? Empurrar para conseguir aquela posição privilegiada numa entrevista e seleção de emprego, ou até mesmo aquela competitividade doentia em que vale tudo, até mentir para por em desvantagem o concorrente. Isso é mais comum do que imaginamos e acontece com muita frequência. E por que tudo isto, toda esta negatividade e corrida maluca é muitas vezes relacionada ao ato de "vencer" na vida? Ultrapassar o próximo é realmente vencer? 

Devemos sim, pensar grande. Fazer acontecer. Procurar vencer em todas as áreas da nossa vida. É nossa obrigação procurar nossas melhoras seja dentro do seio familiar, seja numa empresa, seja onde for. Estar bem consigo mesmo aonde der. Para vencer é preciso conhecer o caminho, é preciso se conhecer. É preciso querer conhecer a dinâmica do mundo e se possível, não se apegar tanto a ela, pois ela pode nos deteriorar e nos colocar em caminhos estreitos. 

Vencer é muito mais do que alcançar aquele salário dos sonhos, conquistar aquela vaga na Universidade ou naquela empresa desejada. Certamente isso te trará uma alegria imensa e uma boa sensação, pois é algo conquistado com duro custo e muito trabalho. Entretanto vencer, pelo menos na minha concepção de ser humano, é conquistar o básico e ser feliz com isso. Reflita. Você já venceu conquistando tudo o que quis? Tudo o que você adquiriu (de forma abstrata ou não) te proporcionou o sentimento de vencedor? Nem tudo o que conquistamos, o que achamos que é uma vitória é realmente um ganho. 

Abramos nossos olhos para a nossa verdade interior. Um beijo de boa noite em um filho, um abraço carinhoso numa mãe ou mesmo uma conversa animadora com amigos íntimos, te dá sim o simples e forte sentimento de ter vencido na vida. O que é vencer na vida, afinal? Só você pode me responder com suas palavras. Com suas experiências, com sua poesia. Eu tenho meus questionamentos a cerca do que é realmente vencer na vida. 

É conquistar nesta vida material o que sempre se desejou? É ter só o afeto de pessoas queridas e uma vida pobre materialmente e espiritualmente falando? Este texto é uma reflexão mais interrogativa do que explicativa. Quero que você se faça esses questionamentos e pergunte a si mesmo se vale realmente a pena lutar por algo, pensando que isto sim é vencer na vida, quando na verdade algo realmente importante está sendo deixado para trás de maneira inconsciente. Tudo isto envolve pessoal e profissional. 

Sejamos sensatos e analisadores do nosso próprio querer, da nossa própria motivação para que não caiamos em incontáveis armadilhas. Somos empreendedores do nosso próprio destino e Deus o delineador da nossa vitória. Vencer é muito mais do que se alegrar, é viver em constante harmonia sabendo que está fazendo o que se acha ser o certo. Sejamos sábios em nossos momentos e abismos. Até onde vai o nosso desejo de vencer? Quem nos pode esclarecer e responder? Fica difícil saber e deveras vezes entender.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Nossa, que texto maravilhoso!
    Já sou super fã do seu blog!
    Beijinhos.

    www.diadeescrever.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super agradeço minha querida! Venha sempre aqui <3

      Abraços!

      Ewerton Lenildo.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.