12 de julho de 2015

Caminhando e lendo. Quem nunca?

Percebe-se nos dias atuais, que a cada dia, temos "menos" tempo e cada vez mais novas atividades diárias. Sabemos também, que precisamos de organização e aproveitamento inteligente para não perder tempo, procrastinar e se afundar em projetos não terminados. Isso me remeteu a certa ideia esses dias. 
Enquanto você está ouvindo música, uma atividade bem simples, você lê? Enquanto você está na rua caminhando para chegar ao metrô, no trabalho, na academia, você lê? Quando está na esteira na academia, no exercício de alguma função, você lê? É um hábito muito comum hoje em dia, se você quer saber.
 
Não posso afirmar que irá influenciar positivamente ou negativamente nas atividades que você faz, mas sei que lhe adiantará uns parágrafos e capítulos. Deixe-me te contar uma pequena e real história. Eu costumava, em tempos do colegial, caminhar e ler. Depois de um tempo, aquela rotina tornou-se um hábito e me adiantou na tão sonhada biblioteca de onde eu tirava toda semana no mínimo dois livros novos para ler no mesmo mês. 
Eu pegava muito mais livros e melhor: terminava-os. E eu nem era um leitor assíduo, nem lia a metade do que leio hoje. Não tinham tantos títulos interessantes assim, mas livros são livros. Não dá para explicar sua magia, só lê-los.
 
Não sei se para as pessoas isso tem um efeito negativo. Afinal o risco de você dar uma topada numa pedra, tropeçar na calcada e causar um acidente – grave ou não – é grande. Mas também rara. Eu nunca caí, nem me ralei nas pedras por caminhar e ler ao mesmo tempo. Ganhei tempo. Muitas pessoas atualmente o fazem e ganham os preciosos minutinhos na caminhada adiantando-se na leitura. 
Eu tinha uma colega, que enquanto fazia esteira na academia, lia. Tomava água, lendo. Só em outros exercícios em que era impossível pegar no livro, ela o deixava um pouco de lado. Resultado: a cada três dias, um livro novo. E os livros não tinham menos de duzentas páginas. Para alguns é um suplício terminar um de cem.
 
Mas o que quero priorizar aqui é o seguinte: se condizer com o seu perfil, caro leitor, se você se sente confortável com a situação, leia enquanto caminha. Enquanto come. Enquanto faz alguma atividade (desde que isso não lhe cause nenhum transtorno ou deficiência). Se você acha essa medida boa, use-a. Ganhe tempo, elimine uns parágrafos e capítulos. Aproveite ao máximo.

Deixe-me perguntar para vocês: o que vocês acham sobre isso? Sobre o ato de ao caminhar, ler? Acham isso correto ou errado? Vocês já fizeram isso? Como foi a experiência? Vamos falar sobre o assunto. 
É uma rotina que tem se fixado em muitas pessoas nos últimos tempos. Uns gostam, outros não. Qual o seu posicionamento a respeito? Sem contar na questão de esgotamento mental, devemos ser cuidadosos e respeitar nossos limites. Grande beijo/abraço!

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.