28 de julho de 2015

Sentimentos de outrora, navegação interior ❦

Fonte: Tumblr/Google
Há momentos na vida que reflexão é necessária. Onde estou? O que estou fazendo da minha vida? Será que estou aproveitando os momentos que a mim são oferecidos? Estou seguindo o caminho da felicidade ou do modernismo contemporâneo? Estou a valorizar àqueles que merecem, meus familiares, vizinhos ou amigos? Em que momento estou na minha vida? Melhor fase? Pior fase? Estou dando sentido a mim mesmo?

Onde está a felicidade verdadeira? Será que num apartamento novo, uma nova graduação ou numa atividade que me dê prazer, como um esporte? Por vezes - se não dizer quase sempre - nos deparamos com estas e milhares de outras perguntas nos colocando contra a parede e perguntando qual o real sentido da vida. Está no material ou espiritual? Nas grandes ou nas pequenas coisas? Como anda o bolso? Como anda o coração? Como anda a mente? São perguntas que eu poderia passar o dia inteiro escrevendo e iria chegar mais e mais e o post seria pequeno para tantas indagações.

Vale a pena sempre nos reinventarmos. Sempre procurarmos nossas melhorias em todas as áreas de nossa vida, porque ninguém a não ser você mesmo, irá fazer isso por você. Isso é tão clichê, mas é tão verdadeiro e simples. Se seguirmos ao pé da letra este mandamento, não esperaremos, nem dependeremos de ninguém para nada. Tudo tomaremos partido para resolver. Por um lado é maravilhoso, já por outro isso a longo prazo gera uma sobrecarga que te fadiga e te faz ficar desgostoso com tamanho esforço.

É importante que tenha equilíbrio. Em todas as áreas de nossas vidas. Não somos robôs, precisamos de pausas. Se pifarmos por causa do excesso, pode ser fatal. A vida (e nós, sem sombra de dúvidas) somos um emaranhado de sentimentos. Não nos limitamos ao presente. Algo do passado e de um futuro que nem ocorreu ainda, pode chegar a te inquietar interiormente. Assim é. Aceite e brinque com o que quer te fazer mal.

Temos que sobreviver diariamente em meio a um caos interior e nos sustentar nas pilastras feitas pelas mãos daquele que tudo provê. Penso sempre, reflito demais sobre tudo, julgo algumas coisas sem perceber. Quem não? Estamos nesta luta frenética de alcançar nosso lugarzinho neste mundo como todos estão. Essa é a vida que não pedimos para vir mas que queremos aproveitar até o último segundo, bom, pelo menos a maioria de nós. Sentimentos querem nos derrubar, mas só o fazem se deixarmos.

Mesmo diante de uma situação complicada, difícil, pesarosa ou destrutiva, devemos aprender com a destruição ao invés de nos entregarmos a ela e perdermos o último vestígio de luz da meada. Temos que nos navegar interiormente pois uma vez ou outra vamos nos perder do nosso caminho achando que tudo está desmoronando. Não deixe teu drama te corromper, você de fato é mais forte e sua mente é uma arma de defesa (ou ruína) fenomenal. Use-a com sabedoria.

Finalizo por aqui estas minhas reflexões sobre a vida, seus embargos sentimentais e nossos caminhos interiores. Tudo é uma viagem perigosa que se não sabermos delinear, certamente cairemos no abismo. E quem sabe sua profundidade a não ser nós mesmos? O que eu sei é que neste momento, enquanto faço minhas reflexões e cuido dos meus sentimentos mais escondidos, devo tomar uma água de coco bem geladinha, pois a vida é uma brisa passageira e jamais espera.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.