28 de agosto de 2015

Comer cérebros nunca foi tão divertido | iZombie - 1° temporada


Leitores maravilhosos, venho partilhar com vocês a resenha da primeira temporada de um seriado que desde quando eu assisti, estou até hoje ansioso pela segunda temporada. iZombie! Gosto bem pouco (mentira cabeluda). Vamos falar um pouquinho sobre ele?

De acordo com a sinopse: "Olivia "Liv" Moore (Rose McIver) tinha bochechas rosadas, era disciplinada, médica residente com sua trajetória de vida completamente traçada... até a noite em que ela foi a uma festa que transformou-se, inesperadamente, em um frenesi zumbi. Agora, transformada em morta-viva, ela conseguiu um emprego no departamento legista para ter acesso aos cérebros de que deve se alimentar para manter sua humanidade. Mas, a cada cérebro que ela consome, ela herda a memória que nele habitava."

É bem interessante como a história se desenrola. Liv era até então uma médica, noiva de um cara nota mil e super de bem com a vida. Até o momento em que a mesma vai a uma festa em que em uma confusão acaba - sem saber como - morta e se transformando em uma zumbi. Parece loucura, não é? Nem tanto. 

Os zumbis deste seriado só desenvolvem uma fome insaciável por cérebros e alguns órgãos do corpo humano. No mais, eles continuam "normais" tirando a pele incrivelmente pálida e a tendência da coloração da raiz do cabelo ficar loira. No mais, eles podem continuar com suas atividades de trabalho, relacionamento e outras coisas normalmente. E provavelmente não engravidam, porque será, né?

Depois de sua vida ser arruinada, Liv sai de uma carreira abençoada para ir trabalhar no necrotério Seattle PD para comer cérebros com mais facilidade (e com muita pimenta, condimentos e salada) e para ajudar a solucionar crimes da polícia local. Quando Liv come cérebros, flashes de memória das vítimas se reproduzem na memória dela ajudando-a a desenvolver a solução do mistério. Achei um pouco clichê esta parte de ser "vidente", porém gostei de como se desenrolou estas "visões da morte".

O Dr. Ravi Chakrabarti é um fiel amigo de Liv e sabe de seu segredo. Ele é um personagem bem interessante porque é carismático, piadista e uma ótima pessoa. Liv soluciona crimes com o Detetive Clive Babineaux, um cara bem comprometido com o trabalho e com a lei. Exemplo.

Não dá para contar além disto porque senão eu acabaria entrando em detalhes de alguns fatos que ocorrem ao longo do "curto" seriado. A primeira temporada tem somente 13 episódios bem desenvolvidos e sem muitas pontas soltas. A segunda temporada está chegando ai dia 06 de outubro deste ano e já estou esperando ansioso. 

O seriado é uma adaptação de uma história em quadrinhos de mesmo nome criada por Chris Roberson e Michael Allred. Cada episódio tem em média 42 minutos de duração e começou a ser transmitida em março deste ano. Beira ao gênero de comédia, terror (os últimos episódios desta temporada é cruel, hahahahaha) e muita ação. A música de abertura é show. A crítica foi muito positiva desta temporada, beirou entre 8 e 10.

Recomendo fortemente este seriado, amo o clima das cenas e situações intercalando os fatos. Acho interessante como os produtores congelam - como uma verdadeira história em quadrinho - algumas cenas principais. Muito show. Este formato me ganhou desde o pilot. Assistam, pois é uma comédia séria e gostosa de se ver. Esperando ansiosamente a segunda temporada. A Liv é um amor! <3

Ps: convenci a minha irmã de assistir e ela amou. E ela é bem crítica. HAHAHA 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.