8 de agosto de 2015

Cultura como um todo



Olá queridos e amados leitores deste cantinho lindo! Tudo ótimo com vocês? Pois bem, hoje trago algumas impressões minha de um passeio que fiz essas últimas semanas (que por algum acaso só foram maravilhosos e inspiradores passeios!). Segue lendo.

O passeio que falo neste post lindo é um que fui ao Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano. Um local aberto para a visitação por um preço muito baixo de entrada que fica no Bairro da Boa Vista, no Grande Recife. Ponto turístico e que é beneficiado de doações. Muito legal e fácil de encontrar.

Observei por vários minutos uma escrivaninha que fiquei apaixonado. Prometi a mim mesmo que algum dia faço um modelo IDÊNTICO a ela. Ela estava fechada na hora da foto, queria ter tirado uma foto com ela aberta, rs. Perfeição demais! Infelizmente não tenho como carregar a foto para vocês no momento aqui no post, quem quiser passo por email. 

Fiquei pensando em como seria ser da realeza e ser levado por uma dessas na época, hahaha. Isso sim seria ostentação (ou não). Fiquei encantado com a conservação de muitas obras e a vivacidade de certas pinturas. Como as de Dom Pedro I que tem em certo cômodo. As tapeçarias também são deslumbrantes não só pelo tamanho enorme, mas também pela história de guerra e lutas travadas expondo bem a situação da época em nosso país. Inclusive a presença marcante da igreja nas guerras. Sempre lá como uma vertente poderosa.

Fiquei conversando um pouquinho de história pernambucana com a nossa acompanhante do local. HAHAHAHA Não resisti. Tive que conversar sobre a história do meu estado com ela pois amo essa história que muitos pernambucanos desconhecem. E que nos formou até os dias contemporâneos. Tem-se que estudar história! Comecemos já!

Vejam algumas fotos do passeio:







Há inúmeras fotos, mapas, vasos, o primeiro jornal impresso do Diário de Pernambuco, utensílios e penas indígenas, quadros de óleo sobre tela, brasões de famílias poderosas do século passado que ainda hoje causam impacto em nossa sociedade, relógios, armas de guerra, pratos e talheres da realeza, carruagens, canhões e muito mais que está guardado nos meus arquivos pessoais. Quem quiser, passo algumas por email. :)

No mais foi isso: um passeio super agradável (mesmo só ou em família, ou com o namorado como eu fui) e melhor ainda: nadinha planejado. Acho que por isso que deu tão certo, temo em dizer, hahahaha. Quando planejamos muitos, costumamos ponderar muito os pós e contras e acabamos mudando totalmente a ideia original do que seria o passeio a ser feito, hahaha. Melhoremos. 

A galera que é daqui de Recife, vocês já visitaram este Instituto Histórico? Como foi? Alguém aqui tem muita vontade de conhecer? Vamos conversar um pouquinho. Um ótimo sábado inspirador. <3

Ps: todas as fotos foram tiradas e editadas por mim e pertencem ao meu acervo e galeria pessoal.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.