28 de agosto de 2015

No que se dá o consumismo na modernidade?


Nos dias de hoje é quase impossível encontrar uma pessoa que não seja consumista. 11 entre 10 pessoas são consumistas. É incrível como nossa sociedade espalha a propaganda de "o quanto mais comprar, é melhor". Esta política vem de anos anos, quando o consumismo começou a ser visto como uma forma de poder sobre a grande massa que tinha o poder de compra. 

Em várias partes do mundo onde o capitalismo estava começando a imperar, diversos países viram a oportunidade de compra e venda como um negócio de lucro sem fim. A mídia explora muito este poderia de ter e ser envolvendo o consumismo da população - que só faz aumentar - atual. 

Quem nunca foi ao shopping e viu aquela blusa "impossível" de não ser levada para casa? Quem nunca viu naquela papelaria só mais um marcador de texto e um bloco de anotações, mesmo já tendo mais de três em casa no estoque pessoal? Quantas vezes não compramos algo a mais simplesmente por medo de faltar em casa ou pelo próprio consumismo em si? 

Muito se diz sobre consumismo desnecessário e isto não sai da minha mente. Com crise ou sem crise o que tem de gente nos shoppings, feiras e supermercados fazendo compras de maneira descontrolada. É um quadro interessante. Muito interessante. 

Eu, por exemplo, há um bom tempo não tenho consumismo com nada. Desde quando eu trabalhava sempre tive o hábito de só comprar quando eu tivesse o dinheiro vivo. Sempre apoiei aquela política de que se não tenho, não compro. Gosto de quando for comprar, algo que eu esteja precisando muito, necessidade mesmo, compro à dinheiro. Por este motivo nunca contraí dívidas, nem nunca sujei meu nome.

Até hoje só tenho um cartão de banco onde faço minhas transações e já tenho vontade de tirá-lo para ficar sem nenhum. Quando eu estiver em outra empresa, posso abrir uma conta somente para receber meu salário e isto me fará feliz. Uma bandeira internacional poderá ser suficiente. Tirando estes mínimos requisitos, não quero cartões, cheques, nem regalias de banco algum. 

Acho tanto problema em consumir desnecessariamente que não sou de estragar nada e usar tudo até o último fim necessário que posso usar. Incrível como só compro quando estou na reta final de alguma coisa. Nunca fui mão de vaca para nada, pelo contrário, sempre comprei tudo que tive vontade sem pudor algum e caso alguma coisa que eu compre eu perca, pode ser a quantia que for, não me importo. Junto para comprar de novo futuramente. 

O consumismo nos dias de hoje beira ao impossível de tão absurdo. Comprar para muitos é somente um hobbie para relaxar, para outros é a alternativa de escape de um casamento falido. São tantos os motivos que levam uma pessoa a comprar e consumir descontroladamente. Há ainda o consumismo causada por patologias e doenças, sejam elas mentais ou emocionais. Como eu disse, são inúmeras razões.

Sempre fui muito controlado e isto me dá a chance de ver a minha real necessidade quando preciso obter algo ou não de forma panorâmica. Analiso muito uma situação para liberar meu raro dinheirinho. E em quase todas as situações acerto em cheio nas minhas compras. Graças a Deus, quanto menos dinheiro jogado fora, melhor.

Interessante como eu comprava livros antigamente e como até hoje tenho tantos acumulados em casa e atualmente venho me desfazendo deles. Somente nesta questão de comprar livros eu tinha certo descontrole, por mais que eu não comprasse toda semana livros, eu tinha que ter algum lançamento nas mãos sempre. E isto hoje está me prejudicando pois não tenho lugar pra guardá-los. 

Mesmo com todo o cuidado que tenho (tenho demais!) estou com a impressão que os livros que tenho estão virando tralha. Não deixarei acontecer. Já venho praticando o desapego de maneira especial e carinhosa. 

Não vou me prolongar muito neste post porque não quero entrar em tópicos mais profundos a cerca do consumismo na sociedade contemporânea, nós todos sabemos que começando pela sociologia e economia mesmo, há muito pano para costurar, ai de nós se fôssemos entrar nestes termos. 

Quero barrar por hoje minhas palavras de consumidor amador numa ótima mais popular. Óbvio, nos comentários o tópico de conversação e discussão construtiva é válido! Vamos conversar além do que foi dito nesta postagem, mal posso esperar! \o/

Como você meu leitor amado, vê o consumismo atual? Qual o impacto, na sua opinião, que tem o consumismo nos dias de hoje com a população em crise financeira? Vamos conversar mais sobre isso. Um dia perfeito para você e sua família, obrigado por sempre estar presente e acompanhando minhas reflexões por aqui. Um abraço.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.