28 de agosto de 2015

O que fazer com as críticas e quereres diários?



Vivemos em uma sociedade hipócrita e cheia de quereres e palpites. Isso todos já sabem. O que mais intriga é a necessidade da maioria das pessoas viverem dando pitacos e criticas apimentadas recheadas de seus quereres e achismos diários quando se trata da vida do outro. 

Eu sempre vivi aquela frase que permeia minha mente desde eu muito novo: "se você não quer que ninguém descubra, não faça", sabemos que tudo que mostramos, estampamos ou procuramos demonstrar, alguém verá e dependendo da pessoa, ela irá falar, criticar e achar ou não. Apesar de tudo o que você quer mostrar te comprometer de algum modo (seja no meio profissional ou na sua vida pessoal) ninguém pode viver numa bolha ou tentando se proteger de tudo e de todos. Isso na prática não existe. 

O que é chato - muito chato - é muitas vezes a falta de compostura de algumas pessoas em respeitar o próximo. Respeito não é só ouvir quando alguém está falando ou ceder seu lugar no ônibus para uma pessoa de idade. Respeito é ter jogo de cintura no que se ouve e saber filtrar e falar quando tem espaço para isso. Sabe aquela história de que quem fala o que quer, escuta o que não quer? É justamente isto. 

Não se pode jogar pedra no telhado de vidro de ninguém, porque quando jogamos uma pedra até mesmo para cima, ela acaba voltando e caindo na própria testa de quem a jogou. São tantos santos, perfeitos e juízes que você fica pisando em ovo toda vez que sai de casa, provavelmente. Ou você é um desses seres humanos perfeitos? 

Precisamos nos policiar a cada dia a mais nas nossas criticas e quereres diários pois eles podem nos colocar em apuros com outras pessoas. Nossos semelhantes, assim como nós, são falhos até dizer CHEGA. Não temos o direito de criticar ou julgar ninguém, porque quando não erramos no quesito do colega, erramos em outra coisa. Se auto analisar é nossa obrigação. E mais do que isto: se auto controlar é a necessidade.

Nem tudo que queremos, podemos ter. Isso todos nós, ricos ou pobres, altos ou baixos, negros ou brancos, hétero ou homossexuais, jovens ou idosos aprendemos na pele. Nosso breve período qui é para desempenhar uma função divina. Creio eu, que Deus não fez ninguém para a maldade. A calamidade que temos hoje em todos os setores de nossa sociedade, tem muito a ver com as falhas de nossos antepassados. Nunca poderemos mudar o passado, mas sempre poderemos escrever uma história de paz, amor e solidariedade para aliviar as decadências do mundo caótico atual.

Valorizemos nosso querer no sentido amplo de certeza e não de imaginação. Ninguém precisa de críticos ambulantes implicando com tudo e menos ainda de críticos que não criticam com sabedoria e conhecimento. Sejamos luz e sal da terra sempre. Um pingo de amor dos dedos de Deus. Que tenhamos cuidado, sensibilidade e misericórdia com o nosso próximo como Jesus tem para conosco. Faça diferente! Critique com cuidado e diferença! Tenha um querer do bem! 

Ps: quem souber da origem da imagem, por favor me informe. Trouxe do Google imagens, mas estava sem fonte. Obrigado!

Um dia de paz e muito amor reflexivo. Abraços.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.