15 de agosto de 2015

{RESENHA} American Horror Story: Murder House | 1° temporada


Olá meus queridos! Venho com minhas críticas e observações pessoais a cerca da primeira temporada da série que ficou famosa no meio do gênero de terror apesar de ser classificada como um thriller psicosexual chamada de American Horror Story ou carinhosamente traduzida como "Uma história de horror Americana". Vamos lá?

Lembro que antes mesmo de ir ao ar o seriado me chamou atenção. Como naqueles anos eu estava ligado em series, filmes e livros que tivessem um toque de sobrenatural, vi muita divulgação e expectativa em cima de American Horror Story. Como também sempre fui fascinado por esse clima de terror sombrio que a série certamente traria, fiquei na espera do primeiro episódio ir ao ar. Quando finalmente estreou em novembro de 2011 aqui no Brasil e eu assisti ao vivo de primeira mão. 

Desde o episódio piloto eu fiquei na dúvida se gostei ou não, porque sinceramente foi um episódio bem confuso para mim. Talvez porque eu não estava acostumado com essa pegada mais estilo histórico em que o passado e o presente a qualquer momento podem se relacionar. Não entendi bem a pegada dos produtores de início. 

A série é a primeira de gênero dramático e de terror do canal americano FX. Ao longo da trama, quando os episódios iam sendo lançados, fui gostando de verdade da série. Era tudo diferente do que eu já tinha assistido e algumas cenas realmente me deixava inquieto e com uma pitada de desespero.



A série foi criada pelo Ryan Murphy e pelo Brad Falchuk. Nessa primeira temporada o foco está na família Harmon (Vivian (esposa de Ben), Ben (marido de Vivian) e Violet (filha)) que, unida depois de perdas (Vivan aborta seu filho) e casos de infidelidade fora do casamento da parte de Ben, onde encontram em Los Angeles o suposto recomeço para a família.

O que eles não sabem, é que a propriedade que compraram é constantemente mal assombrada e guarda segredos inimagináveis sobre seus antigos moradores. Alguns segredos de morte e assassinatos. Há uma vizinha extremamente "diferente" e estranha, chamada Constance Langdon com sua filha Adelaide, que aparentemente possui um dom sobrenatural.

Ao longo dos episódios somos obrigados a conviver com o passado conturbado de todos os personagens e seus dramas e dores particularmente individuais. Alguns são mais difíceis de digerir do que outros. Entenda, nenhum é leve e todos nós já tivemos abismos parecidos. 

Aos poucos vamos fazendo conexões que explicam os fatos apresentados na temporada como um todo. Algumas interpretações ficam a cargo dos telespectadores e toques de maestria por parte dos produtores são impostos para nós desembaralhando assim algumas coisas ditas inexplicáveis.

Recomendo bem cada temporada deste seriado mesmo já adiantando que são muito diferentes entre si. Esta primeira temporada é totalmente diferente da segunda temporada e assim por diante. Tirando alguns atores, tudo muda de temporada a temporada. Então jamais alguém poderá definir American Horror Story como um seriado ruim ou excelente. Só dá para recomendar a temporada de AHS. Esta primeira temporada é recomendada, mesmo que para mim seja a segunda temporada melhor. 

Alguém aqui já assistiu alguma temporada deste seriado? Também compartilha comigo um aspecto positivo em cima dele? E quem aqui ainda não assistiu e morre de vontade de conhecer? Vamos conversar. Com tantos seriados bons por ai, American Horror Story dentro de seu gênero se destaca. Vamos falar sobre.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.