8 de agosto de 2015

Semana abençoada que Deus me concedeu


Há algo mais maravilhoso do que passear, viajar, desbravar o mundo afora? Conhecer novos lugares de perto e de longe? São uma das muitas alegrias que Deus me concedeu mais uma vez estes últimos dias passados. 

Fui à praia (coisa que fazia alguns meses que não tinha ido) com minha mãe e uma prima que estava de férias aqui em casa. Uma manhã maravilhosa onde eu levei (claro) meu lindo livrinho para relaxar ainda mais com uma boa leitura ao sol e vento do mar: 





Nada como ler e respirar o iodo natural da praia. Ah, como amo este calor, esta proveniente do mar brisa ora fria ora quente. Devo repetir a dose em breve com meu amor. #praieiros #sóquenão 

Dias depois saí com meu amor ao zoológico. E me deparei com alguns dilemas que vim refletindo até hoje. Algumas reflexões mais tristes do que de felicidade. Assim, é complicado como vim ver os animais por uma íntima mais humanista quando realmente fui visitá-los. Nunca os tinha visto com estes olhos de compaixão. 

Fui em busca de um prazer mais próximo com a natureza e querendo enaltecer muitos animais pela sua beleza única e irreparável. Porém fiquei refletindo sobre a forma como eles são tratados e à submissão à vida em cativeiro angustiante. 

Você vê, infelizmente, nos olhos destes animais uma angústia descarada e um apelo à liberdade. Pensei comigo mesmo: e se fôssemos nós os enjaulados procurando uma brecha na cela para sair de um lado para outro? Até hoje tive uma pena sem explicação. 

Como sou defensor dos animais, posso dizer assim, contribui inconscientemente para este comércio que os mantêm presos e disto me arrependo. Tirando toda a parte de observação e tiradas de fotos (pois de fato os animais são deslumbrantes) o resto é somente podridão. Podridão no sentido de prisão. Encurralamento. Chance nula de defesa destes bichos.

Pássaros, animais terrestres, animais marinhos... todos enjaulados e confinados num mundo de olhares, fotografias e falatórios na porta de suas celas. Uma tristeza me invadiu quando vi que contribui para este comércio. Infelizmente. Não mais se repetirá. A não ser que os animais de certo parque, reserva ecológica ou zoológico estejam praticamente extintos e estes não possam viver em natureza pois desaparecerão. Fora estas condições, não visitarei mais nenhum zoológico que trata seus animais daquela maneira.

Por fim, tive a alegria de respirar a natureza em toda a sua exuberância e majestade. Houve uma pequena chuva e tive que correr em meio as árvores sentindo os respingos da água gelada no meu rosto. Eita sensação divinamente maravilhosa! Fico estonteante. 

Fechei meus olhos. Senti o ambiente, ouvi além dos sons ao meu redor, me conectei com a mãe terra mais uma vez e senti meu espírito se elevar ao supremo estado material. Como é bom provar da essência de certos prazeres que são de graça e nada pode comprar. A conexão que faz é você. Você não precisa estar numa floresta para sentir a natureza. Por vezes, até um pouquinho de terra ou uma pétala de rosas, te eleva a outros patamares. Basta você querer e controlar sua mente. 

Eis algumas fotos deste segundo passeio ao zoo:












Quis apenas compartilhar com vocês algumas sensações que tive e algumas reflexões sobre estes lugares e passeios tão distintos, mas tão bem formulados pela natureza sábia de Jesus. Por mais desbravamentos fenomenais como estes. <3 #ameanatureza #eleveseuespírito #sejasimples 

Ps: todas as fotos foram tiradas e editadas por mim e pertencem ao meu acervo e galeria pessoal.

Um dia de luz. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.