16 de setembro de 2015

Desapego: uma escolha sábia

Reflita.
ueridos, tudo bem com vocês? Quero conversar um pouco sobre o tema "desapego", onde são questões que uma hora ou outra na vida, vamos acabar nos deparando e refletindo. 

O ato de desapegar é um conceito muito amplo onde se encaixa em vários departamentos de nossa vida. Tanto no meio profissional como no meio pessoal. Desapegar é mostrar o quão você está maduro para seguir em frente aprendendo com todas as suas experiências. Absorva suas experiências positivas e desapegue do que te faz mal.  


Vejamos alguns tipos de desapegos que sempre devemos dar atenção especial e aplicar em nosso cotidiano:



Desapegue de pessoas.

Isto pode chocar a algumas pessoas, dando a ideia de que pessoas são autodescartáveis. Porém, não foi neste sentido que falei. Ninguém é tão dispensável que não se possa tirar nada de bom. A ideia aqui de desapegar de pessoas, é desapegar daquelas pessoas que só te prejudicam e não estão nem aí para você ou para mim. Aquele tipo de pessoa que a gente não quer ter perto de nossas vidas, entende? Desapegue daquelas pessoas que não te acrescentam.

Aprenda com as boas pessoas ao seu redor. Elas vão contribuir para o seu crescimento primeiramente como pessoa, depois como profissional muitas vezes. Fique de olho nas pessoas que se tornaram peso morto na sua vida e elimine-as da maneira mais gentil possível. Desapegue de pessoas aos poucos, mas nunca acumule más companhias.



Desapegue de objetos.

Por incrível que pareça, este é um ponto em que muitos não conseguem se libertar, nem com ajuda médica. Claro, há muitos que saem do vício de acumular o que muitas vezes acaba virando tralha, mas desapegar de objetos parece ser uma tarefa difícil para a maioria das pessoas. Muitos relatam até um "vazio" instantâneo quando tentam se desapegar de alguma coisa e não continuam por medo de sofrer. Tenso, né?

Desapegue de objetos. Desapegue de coisas que ficam tomando poeira naquele lado do guarda-roupa. Desapegue de roupas em desuso, de livros não lidos, de papelaria acumulativa e de estoque, de toda e qualquer coisa que deixou de ter utilidade para ser somente mais um número na sua casa. Eu particularmente nunca tive problemas em desapegar de nada, nem nenhum objeto. 


Por exemplo, tive um celular por mais de cinco anos, e teria por mais tempo caso eu não fosse tão descuidado com ele. Acontece que este celular ficou quebrado e com o visor todo estilhaçado. Sem nem pestanejar, me livrei do aparelho. Fazia mais de cinco anos que eu tinha ele, lembro da felicidade que tive em possuir algo que eu queria há tanto tempo. Outro item era meu guarda-roupa que eu tinha a mais de quatro anos. Me desfiz dele no começo desse ano com a maior tranquilidade do mundo. 


Ele estava novo ainda, mas simplesmente quis algo mais simples e minimalista como uma cômoda que obtive nestes últimos meses. Tá vendo? Comigo não há prisão com objetos. Quando quebra ou preciso me livrar, simplesmente vou lá e faço. Pouquíssimas coisas quero guardar pelas memórias que vivi. E estas que são importantes guardo com cuidado e muito carinho. Nada a ponto de não conseguir desapegar, para mim, isso já afeta a saúde e precisa de atenção. Desapegue!



Desapegue de sentimentos. 

Talvez o desapego mais difícil de todos nós mortais. Quando nutrimos um sentimento por alguém, falando de relacionamento com pessoas, é muito difícil ignorar e fingir estar tudo bem. Creio que o tempo é o nosso maior aliado nesta espreitada. Uma dica é: quando quiser desapegar de algum sentimento, não nutra ele. Mantenha distância. Quando é aquele sentimento que te faz muito mal, é realmente a hora de virar a página. Suma da vista deste sentimento, que tenho certeza que depois de alguns meses e anos ele sumirá. Só tenha paciência.  


Desapegue de más lembranças.

É tão bom quando não vivemos no passado. Penso que na vida tudo se dá em ciclos. Alguns são mais proveitosos que outros. Outros são mais eletrizantes, no sentido de adrenalina e emoções, do que outros. Tudo é fase. A questão está em desapegar das péssimas lembranças para poder aprender com estas fases que formam nossa vida. Nada de ficar pensando na morte da bezerra ou porque não deu certo com alguém alguma coisa, ou porque você cometeu aquela gafe no jantar caríssimo de família. Simplesmente enterre o passado ruim e só viva outra vez as boas lembranças. Desapega das más lembranças já! 


Desapegue do consumismo.

Não é novidade para ninguém que vivemos em uma sociedade que prega que "quanto mais consumir, melhor". Desapegue do consumismo generalizado. Eu mesmo só compro quando é estritamente necessário. Sempre fui assim. E sou muito fã de comprar alguma coisa sempre a dinheiro. Cartão nem pensar. O mais importante, até para quem utiliza o cartão com mais afinidade, é não comprar além do que se recebe. Geralmente o consumismo gera prazer e neste prazer tem as chamadas dívidas como má consequência. 

Desapegue do consumismo e não tenha mais dores de cabeça com coisas que você provavelmente deixa meses esquecida pela casa. Tenha bom senso e saiba olhar as vitrines, lojas e estabelecimentos dos shoppings e das feiras sem precisar tirar nada da carteira. Seu bolso, o planeta e você próprio agradecem. Conscientize-se para o melhor.


No mais eram estes tipos de desapegos gerais que eu quis conversar com vocês. Desapego, ao meu ver, é sim uma escolha sábia. Desapegue mais e viva melhor! Sinta tudo com mais clareza, ame com mais certeza. Priorize desapegando, sei que você não irá se arrepender. E principalmente: desapegue do que te faz mal. Seja mais você.


Qual foi a coisa mais difícil para você desapegar? Você costuma desapegar com frequência? O que é desapego para você? Vamos conversar, uma ótima quarta-feira.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

8 comentários:

  1. Este é um dos segredos para se viver bem !!!
    Excelente texto. ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado minha flor! Verdade! Obrigado pela presença. Volte sempre. Grande beijo. <3

      Excluir
  2. Que post maravilhoso... Eu desapeguei de várias coisas esse ano, inclusive pessoas, objetos e sentimentos.
    Confesso que nunca me senti tão feliz.. <3
    Beijos. ♥

    Diário da Lady

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma sensação incrível não é Lei? Pois é, tudo melhora!

      Obrigado pela linda presença, beijos! <3

      Excluir
  3. Muito legal seu post! Ouvi uma vez que somos a média da pessoas com as quais convivemos. Então, temos que escolher muito bem quem fará parte do nosso círculo de amizades. Desapegando de quem não interessa e fazendo conforme a canção: Só vou gostar de quem gosta de mim! E quantos cacarecos que a gente junta em casa! Eu já evito carregar tranqueira, quanto mais levar elas para o conforto do meu lar. E despachar aquelas coisas que "um dia eu possa usar". vende, e quando precisar, compra denovo! Aliás, comprar não, pega emprestado, aluga... menos e é mais! Abs!

    www.amtonline.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo Adriano! Concordo com tudo o que você escreveu. Obrigado, grande abraço.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.