14 de setembro de 2015

Refletindo sobre meu último ano: tecnologia e estudos


Ultimamente tenho dependido da internet para tudo no quesito de estudar. Estou estudando exclusivamente pelas lindinhas das vídeo aulas no Youtube e por textos que pesquiso a fundo na internet. Não vou dizer que tem sido uma experiência ruim, porque aprendi demais com tudo isto. 

Sinto que este ciclo está se fechando, o ciclo que eu iniciei lá pelos meados de maio de 2014 em que decidi sair do meu emprego e deixar minha faculdade para tentar vestibular outra vez. Foi uma escolha difícil, mas fácil ao mesmo tempo. Eu sabia que teria momentos de provações, mas eu sempre tentei me convencer que nestes momentos ruins a consciência dos meus sonhos estaria sempre por cima. No foco. 

Como estou a procura de emprego novamente, e o vestibular tão esperado está se aproximando, sinto que este ciclo está chegando ao fim com todas as experiências que já tinha que dar. O interessante é que já estou pensando em um plano B, C, D, E e todas as letras do alfabeto. É sempre aconselhável se ter uma reserva considerável de planos. 

O que quero frisar neste post é como a tecnologia têm me auxiliado, mesmo não sabendo procurar muitas vezes, nos meus estudos autodidatas. A tecnologia, na minha humilde opinião, foi uma das "invenções" mais completas da humanidade até hoje. Claro que a mesma por conta do mal uso pode acarretar muitas situações irreversíveis negativamente falando, porém, ela tem ajudado mais do que destruído nossa humanidade. 

Passei mais de um ano estudando somente pela internet, nada de cursos, faculdades, nada por fora ou em sala de aula. A única sala de aula (e olhe lá) que eu vi durante este ano e meio, foram nas vídeo aulas. Na internet há muito conteúdo, de quase tudo, para você se jogar de cabeça e estudar. Só não vai atrás da informação quem não tem curiosidade e sede de conhecimento ou quem realmente acha que não precisa, ou não quer. 

Posso dizer por experiência própria que apesar de todas as vantagens, eu não repetiria a dose. Digo, aprendi muito, porém o fato de ficar em casa dia após dia, sem "dinheiro" e me privando de quase tudo o que eu necessitava me deixou com a impressão que eu não estava rendendo nada. Por ter usado a tecnologia todo este tempo, senti falta de andar, ver gente, estar dentro de uma sala de aula, de me comunicar. Estudar, trabalhar fora. 

Os piores momentos era justamente quando eu enjoava da rotina. Eu mudei muito de rotina no último ano. Muito mesmo. Creio que todo mês eu fazia algo novo, pois notei que detesto monotonia. Fiquei caçando algo para me entreter e não desanimar com minha rotina. Me motivei todos os dias e mesmo assim, teve épocas que desesperadamente quis abandonar tudo e reavaliei minhas escolhas anteriores. 

Hoje, agradeço por tudo, e aceito de frente as consequências das escolhas que fiz. As fiz de maneira consciente. Mas repito: não as repetiria. E estou desabafando de maneira bem sincera aqui. Sinto que este ano eu não evoluí em nada meu currículo. Não fiz uma faculdade, não trabalhei, apenas estudei para vestibular. "Apenas". Espero que tenha valido a pena agora na prova fim de ano que irei fazer. Sei que dará tudo certo e conseguirei minha nota.

O mundo gira em volta do dinheiro, disso sabemos bem. Tudo é gasto, comprado, trocado, tem interação indireta ou diretamente entre si. Senti um impacto muito grande nas minhas escolhas, mas isto mudará. Sinto que com o final deste ciclo na minha vida, eu ano que vem, vou fazer tudo o que não fiz este ano. Vou voltar a trabalhar, voltar a fazer uma faculdade, fazer alguns outros cursos que tenho muita vontade de fazer (idiomas, hobbies para a saúde, etc) e vou novamente "viver". Interagir. 

Sou apaixonado pela vida, pelo ato de estudar, por mim mesmo, pelas relações sociais, pela tecnologia. Sou apaixonado por viver tudo isto e aproveitar tudo o que eu puder enquanto eu ainda estiver por aqui. Este é meu objetivo de vida fixo: aproveitar ao máximo com supremacia tudo o que eu puder absorver que seja bom para mim e para os próximos a mim. 

Queria conversar um pouco com vocês sobre este assunto pois isto já estava me sufocando há algum tempo. Tanto refleti. Tanto experimentei. Tanto aprendi. E tudo isto serviu para me aprendizado. Grandes coisas estão finalizando e começando na minha vida agora e eu espero ter percepção, maturidade e alegria de vivê-las. Aos poucos irei conversando com vocês algo mais, por hoje finalizo aqui.

Que a luz nunca se apague, grande abraço. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.