25 de setembro de 2015

{RESENHA} Grey's Anatomy | 1° temporada


Sabe aquele tipo de seriado que te arrebata e te inspira desde o primeiro episódio? Pois é. Assim é Grey's Anatomy para mim. Sempre amei este seriado, que já está para sair a 12 temporada. Começo hoje a resenhar a primeira temporada deste seriado brilhante e já vou avisando: tem outros posts a caminho das outras temporadas, viu? Vou falar de cada uma separadamente. <3 Vamos lá?


Antes de tudo, de acordo com a sinopse: 

"Meredith Grey, filha da renomeada cirurgiã Ellis Grey, é selecionada como interna do Hospital Seattle Grace. Lá, conhece Cristina Yang, Izzie (Isobel) Stevens, George O’ malley e Alex Karev também internos, e que virão a se tornar seus melhores amigos durante o período como interna.

Entre as outras personagens, se encontram a Dra. Miranda Bailey, apelidada de “Nazista” por sua rigidez e dureza com os alunos; os cirurgiões Dr. Derek Shepherd (par romântico de Meredith) e o Dr. Preston Burke. Além deste, há o Dr. Richard Webber, cirurgião-chefe e administrador do hospital.

Esta primeira temporada é relativamente curtinha, com apenas nove episódios. Foi ao ar nos Estados Unidos de primeira mão no dia 27 de março de 2005. A série foi criada nada mais nada menos do que pela fenomenal Shonda Rimes, autora de seriados como Scandal (amo e que vai ter resenha logo aqui no blog) e How to Get Away with Murder (que amo de paixão e tem resenha da primeira temporada aqui no blog). A mulher só escreve seriados excelentes. 

A temporada mostra os primeiros meses das personagens como internos e como é seu dia-a-dia. Entre as tramas, destacam-se os esforços de Meredith para manter em segredo seu relacionamento com o Dr. Shepherd e o fato de que sua mãe possui Alzheimer, assim como a rivalidade entre Burke e Shepherd pela futura direção do hospital."

A sinopse não conta é nada. HAHAHAHA Vai tão além, mas tão além disto que chego a me contorcer de agonia, rs. São tantos personagens, tantas histórias, tantos destinos que se cruzam. Talentos individuais, dramas enterrados e passados na maioria das vezes dolorosos. Nunca me esqueço da primeira cena do pilot. Constrangedora, animada e que pode acontecer com quase todo mundo. HAHAHAHA

Os internos, formando uma nova equipe, são muito competitivos entre si e cada um almeja mais do que tudo ascensão na carreira e na vida profissional. Querem ser esplêndidos, especialmente Cristina Yang, que é no mínimo brilhante. Antes da Meredith (personagem tida como principal e capa da série) prefiro a Yang. Me identifiquei mais, apesar de achar Meredith extremamente forte. Ela foi destinada a sofrer nesta série, rs.

Aos poucos vamos nos envolvendo - juntamente com os personagens - em suas vidas pessoais e profissionais e como eles lidam com isto no dia a dia e na correria de futuros cirurgiões. Convivemos com os traumas, sentimentos, ambições, e principalmente com o lado bom e ruim deles. Atitudes, palavras, oportunidades. Tudo rege o universo dos internos mais inexperientes do hospital. Como é de se esperar, a evolução e mudança dos personagens, é gritante. Se for comparar esta primeira temporada com os mesmos personagens na quinta temporada, por exemplo, estão extremamente diferentes.

Como diz Ellis Greys, mãe da Meredith, quando começa a ser mais explorada na série: "O carrossel não pára de girar." A mãe da Meredith é uma das poucas personagens que era implacável. Muitíssimo implacável. Aquela mulher era um monstro. Se fizessem um seriado só para ela eu não reclamaria nadinha. Personagem grandioso (e problemático). Na vida profissional era excepcional, brilhante, imbatível. Mas na vida pessoal um desastre completo. Bem interessante como a Meredith lida com todo o seu passado e a bagunça e estrago que ele traz constantemente em sua vida.


Todos os episódios trazem um caso ou problema novo dentro da medicina. Sempre envolvendo diagnósticos, super egos, conflito de interesses, amor ao paciente, procedimentos extraordinários, escolhas errôneas e jogo de cintura dos profissionais e pacientes interagindo e se entendendo entre si. As atuações são fenomenais. Muitas palmas para o elenco, sempre escolhido a dedo.

A troca de personagens, tirando alguns fixos por um bom tempo no seriado, é bem intensa. Sempre estamos vendo gente nova e todo episódio tem novas vozes e situações. Tem cenas que são de cortar o coração e deixar a boca seca de tanta apreensão. De literalmente tirar o fôlego e você dar uma pausa para se acalmar. Bem assim. Já morri e voltei tantas vezes assistindo o seriado que perdi a conta (risos). No final desta primeira temporada acontece algo que deixa todo mundo de boca aberta e dizendo: "OMG OMG OMG, cadê a continuação na segunda temporada? Quero pra ontem".

Minha recomendação é altíssima! Nota 10 para este seriado em todos os lugares que eu puder classificar. O seriado recebeu muitos comentários e avaliações positivas da crítica mundial e recebeu diversas premiações. Assistam, por gentileza. Rendam-se - assim como eu - aos encantos do hospital fictício de Seattle Grace Hospital. O seriado tomou proporções gigantescas do simples potencial que a Shonda pensou e você só irá entender a magnitude deste seriado quando começar a assisti-lo. Pega um balde de pipoca e vai em frente. 

Nos comentários os spoilers são liberados, então vamos conversar mais abertamente quem já assistiu. O que você achou desta primeira temporada de Grey's? Vamos falar sobre um dos melhores seriados médicos já criados. <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.