29 de outubro de 2015

O ursinho Puff e sua alegria irradiante


Lembro como se fosse hoje eu na frente da televisão assistindo o desenho do ursinho Puff e sendo contagiado com sua magia. Sabe aquele tipo de desenho que tem gosto de infância, que é inexplicavelmente inspirador e se fosse para voltar a assistir hoje eu faria sem hesitar? Pois bem, é do Ursinho Puff que estamos falando. Se não for para falar do que me inspira para quê ter um blog? Vamos lá morrer de amores comigo lendo o restante da postagem. <3

De acordo com a Wikipédia: "Winnie-the-Pooh apareceu pela primeira vez pelo nome em 24 de dezembro de 1925, em uma história natalina licenciada e publicada pelo jornal de Londres The Evening News. Foi ilustrada por J. H. Dowd. A primeira coleção das histórias do Pooh apareceu no livro Winnie-the-Pooh. A história natalina do The Evening News reapareceu como o primeiro capítulo do livro, e bem no começo ela explicou que Pooh era de fato o Urso Edward de Christopher Robin, que foi simplesmente renomeado pelo menino. O livro foi publicado em outubro de 1926 pelo primeiro editor dos trabalhos infantis de Milne, Methuen, na Inglaterra, e E. P. Dutton nos Estados Unidos."


Não vou entrar em detalhes técnicos ou sem graça da produção e tudo que gira em torno do ursinho Puff, simplesmente quero relatar o amor pelo desenho que eu assistia e me inspira até hoje. Principalmente nos episódios em que se falava de livros e episódios do natal. AI QUE AMOR MINHA GENTE. <3

Prefiro a versão mais antiga, pois tem uma atual que é animação um pouco falsa, na minha opinião. A versão mais antiga parece ser feita e pintada com aquarela. Não tem nada mais amorzinho, né? Eu costumava desenhar quando pequeno o tigrão e o burrinho (que eu esqueci o nome :-( ) em folhas de ofício. Ficavam bem parecidos com as animações, diga-se de passagem. hahahaha


A Disney fez por onde comprar direitos autorais e espalhar o desenho para as crianças do mundo todo com acesso à televisão. O desenho ficou conhecido no mundo inteiro e há a suspeita de que venda até hoje o equivalente que o Pateta, Mickey, Minnie e Pato Donalds juntos. Eu jurava que se escrevia "Ursinho Pooh", hehehehe. Curiosidade boba.

Não posso deixar de frisar que eu amava, AMAVA, aquela casa na árvore. Casas na árvore, na verdade. Em qualquer desenho, com qualquer personagem. Se tivesse uma casa na árvore (Tipo Pica-pau e outros desenhos da Disney com esquilos <3) eu amava. Até hoje amo, aliás. Fazer o quê, algumas coisas nunca mudam, rs. 



Quem quiser achar os episódios online, tem viu. Tem alguns filmes e episódios no Youtube também. Vou deixar alguns vídeos aqui para vocês verem e se inspirarem (tem bem mais dos que eu coloquei aqui na postagem: 






Fechando o post com esta sinopse: "“Winnie the Pooh”, a primeira animação da Disney com uma aventura do Pooh para a telona depois de 35 anos. Com o charme, inteligência e humor dos personagens dos curtas Winnie the Pooh, o filme inédito reúne entrevistas com o filosófico “urso de cérebro muito pequeno” e seus amigos Tigrão, Coelho, Leitão, Can, Guru e por último, mas certamente não menos importante, ió, que perdeu o seu rabo. “Bem, um rabo ou está lá ou não está,” disse Pooh. “E o seu não está… lá.” Corujão manda toda a turma a uma missão selvagem para salvar Christopher Robin de um criminoso imaginário. É um dia repleto de aventuras para Pooh, que havia saído apenas para procurar mais mel. Inspirado em cinco histórias dos livros de A.A. Milne no estilo clássico da Disney de arte desenhada à mão."



Quem aqui já assistiu este clássico? VEEEEEEEM CONVERSAR. <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

4 comentários:

  1. Quando criança, eu adorava esse desenho. Era simples, bonito e divertido. Impossível não gostar.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro. Serão seis livros para três vencedores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até hoje eu assisto de tão maravilhoso que é! Sem comentários. Meus futuros filhos certamente assistirão comigo, amo demais! hahaha Abraços!

      Excluir
  2. Oi Ewerton!
    Adrei seu post! que delicia! tambem adorava assistir ao Puff, ach que era meu desenho favorito, Homen Aranaha compete de perto. Deu até vontade de voltar a ser criança e ficar fascinado assistindo o dia todo <3
    Um abraço!
    http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa Gui! Bom saber que o post atendeu suas expectativas como leitor e amigo! Infância de muita brincadeira e desenho, não tinha como ser melhor. <3

      Obrigado pela presença, abração.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.