28 de outubro de 2015

{RESENHA} American Horror Story: Coven | 3° temporada


Tudo bem com vocês meus queridos? Vim falar hoje sobre a terceira temporada do seriado American Horror Story, intitulada como Coven e fala sobre - de uma forma mais central - bruxas. Vamos lá? 

O que dizer de uma temporada que prometeu e cumpriu? Antes de comentar qualquer outra coisa, quero dizer que, muitos odiaram esta temporada. Assim como muitos a tem como favorita. Então, vai de cada um e este post é minha recomendação pessoal de quem gostou da temporada. 


Coven, ou O clã como traduzido no Brasil, é uma temporada intrigante. Tem como foco principal bruxas, só que vai muito além disto. Esta temporada estreou no dia 09 de Outubro de 2013 e encerrou-se em 29 de Janeiro de 2014 mas parece que foi ontem que eu estava assistindo. Passou muito rápido! 

Ao longo dos anos as bruxas tentam sobreviver como podem da extinção em massa que vem ocorrendo com sua espécie. Caçadores de bruxas e outros perigos (não posso falaaaar, desculpem mas ficará vago, hahaha) são algumas das coisas que elas enfrentam a cada episódio. E nem sempre saem vitoriosas. 


A trama foca muito em Nova Orleans (lugar) e traz consigo muito das táticas e lendas do vodoo, deuses pagãos e escravidão nos Estados Unidos do século passado. Muito recente até. Esta temporada tem 13 episódios (o que é uma delícia de se ver). Não gosto de copiar nada de lugar nenhum, vocês sabem, mas eu não conseguiria explicar e resumir tão bem quanto esse trecho da nossa amada Wikipédia e que é para lá de verdadeiro (assino em baixo), entendam a temporada: 


"Mais de 300 anos se passaram desde os tempos turbulentos dos julgamentos das bruxas de Salém, e aqueles que conseguiram escapar agora enfrentam a extinção. Têm sido feitos misteriosos ataques contra a sua espécie e as garotas estão sendo enviadas para a Acadêmia para Excepcionais Jovens Garotas da Madame Robichaux, uma instituição localizada em Nova Orleans que acolhe jovens bruxas na tentativa de ajudá-las a controlar seus poderes e desenvolver suas aptidões. A trama se inicia com Zoe Benson (Taissa Farmiga), uma jovem até então comum que descobre de maneira chocante ser uma bruxa quando seu namorado morre em pleno ato sexual. Ela é levada por Myrtle Snow (Frances Conroy) à academia em Nova Orleans. Nesta nova casa, Zoe conhece outras três bruxas: Madison Montgomery (Emma Roberts), uma atriz que foi mandada para controlar seus poderes autodestrutivos, Queenie (Gabourey Sidibe), uma ex-atendente de fast food e Nan (Jamie Brewer), uma jovem que busca ser comum mas é tratada como diferente pelas outras pessoas. Esta academia é dirigida por Cordelia Foxx (Sarah Paulson).

Ao mesmo tempo, a trama resgata duas personagens históricas do passado escravocrata de Nova Orleans: Marie Laveau (Angela Basset), uma conhecida praticante de vodu dos Estados Unidos apelidada de Rainha do Vodu e Delphine LaLaurie (Kathy Bates), uma socialite de Nova Orleans famosa por torturar, mutilar e matar dezenas de escravos em seu porão. Como punição por ter transformado seu namorado em um minotauro, Marie mata a família de LaLaurie e a concede vida eterna para que sofra para sempre dentro de um caixão enterrado em seu quintal. Porém, anos depois, Fiona Goode (Jessica Lange), mãe de Cordelia, retorna para Nova Orleans para proteger sua Supremacia. Ela liberta LaLaurie para descobrir o segredo da vida eterna, rompendo a trégua entre bruxas e praticantes de vodu. Enquanto os dois lados duelam para provar sua superioridade, os membros do Delphi Trust - uma organização secreta de caçadores - planejam acabar com todas as bruxas da América."


Viram só? Isso resume mais do que bem este jogo de personagens e denominações. É muita coisa que se eu fosse escrever, não iria me expressar tão bem. </3 hahahaha Então é válido a amostra aqui no post. Não estranhem. E é justamente o enredo. Amo algumas falas da personagem Fiona, são de lacrar (risos).


Achei o final desta temporada perturbador, hahahaha. Jessica Lange sempre abrilhantando o elenco e fazendo ótimos papéis. Seu papel nesta temporada como Fiona foi maravilhoso na minha opinião. As cenas com o Papa Legba e a Marie Laveau são tensas demais! HAHAHAHAHA Um das melhores cenas para mim é quando ele vem cobrar o acordo. rs Assistam e vejam do que se trata, hahahaha. 

No mais não tenho muito o que dizer, se não fosse por conta dos spoilers (que não podem ser liberados) eu faria um post enorme comentando cada episódio individualmente, como eu sempre quero quando vou falar de seriados por aqui, rs. Enfim. Fica a minha recomendação para que vocês assistam e planejem sua relação de amor e ódio, ou amor ou ódio com o seriado. Vocês que decidem. Grande abraço.

Quem aqui já assistiu? Falemos sobre esta temporada! <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.