29 de outubro de 2015

{RESENHA} O Substituto - Brenna Yovanoff

Tudo bem meus amigos e leitores do blog? Tudo na paz? Pois bem. Trago hoje a resenha do livro “O Substituto” pela Editora Bertrand Brasil. Li desde 2012, quando foi lançado, e decidi trazer a resenha do mesmo hoje. Espero que gostem. Vamos lá?

Ano de Lançamento: 2012
Número de Páginas: 336
Editora no Brasil: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528615555

Sinopse: "Mackie não é um de nós. Ele vive na pequena cidade de Gentry, mas vem de um mundo de túneis e águas escuras e lamacentas, um mundo de garotas-cadáver governado por uma pequena princesa tatuada.

Ele é um Substituto — deixado no berço de um bebê humano há dezesseis anos. Agora, devido a uma alergia fatal a ferro, sangue e solo consagrado, Mackie está morrendo aos poucos no mundo dos homens.

Mackie daria qualquer coisa para viver entre nós. Tudo o que ele deseja é tocar baixo e descobrir mais sobre uma garota estranhamente fascinante chamada Tate. Mas quando a irmãzinha de Tate desaparece, Mackie é irreversivelmente arrastado para o submundo de Gentry, conhecido como Caos."


É um livro um tanto sombrio, na verdade. Senti um toque folclórico e lendário no modo de escrever da autora. Que tratou muito bem o tema: Mortos-vivos.

Mackie Doyle é um garoto aparentemente esquisito, amarelo e cheio de problemas e esquisitices. Mas não é por acaso, só ele e sua família conhecem o segredo por detrás dessa aparência física e desse comportamento estranho. De onde Mackie veio, nem tudo é um mar de rosas.

Ele é a prova viva de um segredo e uma ligação existente há muitos anos na pequena e pacata cidade de Gentry, que com sua aparência espectral e religiosa guarda muitos segredos e pactos ocultos de criaturas subterrâneas.

Entre o amor e o terror, Mackie – mesmo com toda inexperiência e perigo – usa a honra para impedir um ritual existente há séculos, onde criaturas da escuridão usam (sem nenhum escrúpulo) o poder das trevas em rituais macabros de sangue. Nenhum ser se atreve a violar as reuniões para a realização dessas “cerimônias”. Entretanto, é só uma questão de tempo.

A história se desenvolve no seu período certo, explicando alguns rituais, costumes, que são baseadas nas lendas celtas, misturando assim elementos de fadas (apesar de não ter o nome fadas, eu comparo a fadas “do mal” digamos assim, algumas crituras citadas). Apesar de que, em certas partes a escrita da autora se torna cheia de divagações e bem confusa. Não gostei muito disso. Perdeu ponto.

Apesar de ter mistérios, suspense e terror, achei o final muito fraco para o desenvolvimento da história. Digamos que eu queria realmente ação, e de um jeito mais macabro. O que não ocorreu, o final pode colocar medo e causar arrepios em algumas pessoas, mas em mim não surtiu esse efeito. Achei o final bem vago e sem muita emoção.

Mas para quem gosta de uma “mistura” de fadas, mortos-vivos, meninas cadáveres e rituais de sangue, leia. A autora escreve em diversas partes de maneira sombria e arrepiante, onde você vê certas cenas só lendo.

A arte gráfica está maravilhosa e pouquíssimos (para um livro consideravelmente médio) erros de acentuação e ortografia. Não vi nenhum erro de concordância. E essa capa hein? Sem comentários, adorei de verdade. E melhor ainda, tem tudo a ver com o livro em si. Recomendo para você que quer um livro para passar uma tarde de inverno onde o céu está nublado e o clima está sombrio.

Sem mais delongas, leiam. Um ótimo dia e só quero relembrar que: estamos pertinho do Halloween, como não amar? Alguém aqui já leu este livro? Vamos conversar. <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.