25 de novembro de 2015

Um papo sobre perfeccionismo, detalhismo e produtivismo




Eu desde sempre que me entendo por gente, sinto-me como uma pessoa que quer e sente a necessidade de perfeicionar tudo que toca, tudo que se propõe a fazer e tenta fazer isto da maneira "certinha" e "bonitinha" de se fazer. Nem sempre dá, o que acaba me frustrando bem de leve, mesmo assim incomoda um pouco. 

Nestes últimos dias tenho visto e lido discussões calorosas nas redes sociais concernentes ao assunto perfeccionismo e este post (que eu já estava pensando em escrever faz um tempinho) caiu como uma luva neste tempo. Comecei o texto de hoje comentando a cerca do meu passado com o perfeccionismo para vocês terem uma noção de como estou familiarizado com este conceito. 

Levantou-se a questão: Feito é melhor que perfeito? E fica a dúvida no ar. Muitos foram contra esta afirmação alegando que se fosse para entregar ou fazer algo de qualquer maneira, era melhor não fazer. Outros disseram que se não fizessem logo iriam perder o prazo e não teria nem feito, nem perfeito, então era melhor fazer assim mesmo. O que concordo em partes com ambos os pensamentos. 

Creio eu, que criou-se uma linha de pensamento atualmente em nosso meio, que devemos ser perfeitos em tudo, fazer com perfeição tudo e, entregar com divina perfeição dentro do prazo qualquer coisa que nos dispusemos a fazer. Acho linda esta ideia e até vejo como isto poderia ser benéfico para a sociedade no geral, entretanto, a realidade é outra. Também vivemos uma cultura de "deixe para amanhã o que você deveria fazer agora". Infelizmente. 

Prazos são constantemente extrapolados e prorrogados porque alguém não fez o seu trabalho como deveria, demandas e compromissos descumpridos, etc. tudo com o costume do brasileiro em ir empurrando com a barriga. A maioria. Isto complica e muito porque sempre há uma dependência e quando as expectativas não são atingidas, tudo pode desandar. É preciso mais compromisso e sim, mais perfeccionismo, pelo menos, na minha opinião, o máximo que der e puder. 

Sou muito fã de quem é perfeccionista e quem consegue levar este tópico em quase tudo na vida. Principalmente levar o perfeccionismo com maestria na vida profissional. Com o perfeccionismo vem também o detalhismo, ocasionando assim consequentemente, mais atenção por parte de quem está a fazer determinada atividade. Sempre fui muito detalhista e vi nos detalhes uma salvação e beleza oculta para muitas pessoas. 

A vida é feita de detalhes. Quando você dá uma melhor atenção a eles, você caminha com supremacia, com garra, com equilíbrio e certeza de que fez tudo maravilhoso. Eu procuro ver a maioria das coisas como um todo, depois vou destrinchando os detalhes e vou me inspirando e vendo a beleza das coisas. Vale a pena a viagem, que muitas vezes não é tão rápida. 

Quando você se empenha muito e investe no detalhismo e perfeccionismo, creio que você fica mais produtivo e é daí que vem o melhor produtivismo. Sua visão de mundo muda quando você se empenha e se dedica 100% à sua atividade, missão, meta e objetivo. É complicado coordenar o cérebro a focar em uma simples atividade que demanda muita atenção, até porque o mesmo adora uma divagação e procurar algum relaxamento e prazer. 

É lindo ver quando alguém doma seu querer e pisoteia sua vontade por uma glória maior. Dedicar-se, empenhar-se, submeter-se e ser paciente são pontos cruciais para o produtivismo exalar com perfeição e boniteza. Nem sempre a beleza imediata vem, mas com o tempo, ah, o tempo, tudo se revela como o é. Vejo muita importância em dar o melhor de si, dar tudo que tem, se esgotar para ver o futuro explodir de esperança e certeza. 

Quis conversar um pouco com vocês hoje sobre isso porque são questões que estavam permeando e vagando pela minha mente há um bom tempo sem rumo algum. Neste post, estou organizando meus pensamentos, espero que não tenha sido confuso para vocês. Alguém aqui é perfeccionista? Vamos conversar sobre o assunto. Isso pode render páginas e mais páginas só nos comentários, te espero. Grande abraço produtivo. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.