10 de dezembro de 2015

É lícito se desfazer completamente do papel físico?


Não gosto de extremismos e creio que apesar de todo avanço tecnológico que nas últimas décadas temos vivenciado acho muito difícil alguém hoje em dia viver uma vida 100% digital. Até porque muitos sistemas (inclusive bancários) usam papel para tudo o que vão fazer. Quem disser que vive uma vida 100% digital, desconfio. Talvez, hoje, não seja possível. Vejo que estamos ainda em processo de transição. Somos aquela geração que vivenciou o antes e o depois da internet. O depois que ainda é o durante. 

Isso não tira minha concepção de que num futuro próximo, talvez no próximo século ou antes, o ser humano esteja completamente digital. Processos digitais, transações digitais, acordos no mundo virtual. Não duvido nada. A nova geração que é pequenina e está nascendo, já nasce mexendo no celular ou no tablet ou no computador. É um absurdo? Pode ser que sim. Mas também de certa forma é um avanço esperado. 

A internet nos facilita a vida demais, mas também com exagero nos prejudica irreparavelmente. Na minha humilde opinião, respondendo à pergunta tema, não acho lícito o ser humano se desfazer do papel físico. Creio que nós o reduziremos ao extremo, mas daí a eliminá-lo de nossas vidas, é difícil ver uma sociedade com esta realidade. 

O que vocês acham do assunto? Até aqui, não mais adiante. Um lindo dia e fica a reflexão!
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.