30 de dezembro de 2015

Persistência é a chave que abre qualquer porta


Tenho pensado esta semana como é importante ter persistência em quase tudo na vida. Não posso generalizar, primeiro porque 1) não funciona e 2) detesto generalizações. Tenho persistido em continuar com alguns sonhos e tem funcionado bem, como dizem, tem fluído. Estou escrevendo este post, por exemplo, com uma satisfação inexplicável. Cada letra digitada parece fluir naturalmente da minha mente pelos meus dedos de forma independente. 

A persistência tanto no âmbito profissional como no âmbito e vida pessoal traz maravilhas extraordinárias. Cansei de me importar com coisas sem sentido e pensamentos vazios. Apenas me esvaziei de toda emoção chula e destrutiva e abracei o óbvio: minha felicidade. Não tenho tempo a perder com fraquezas ou desamor. Sempre soube que nasci para vencer, que vim à vida para brincar no jogo da verdade. 

Fazer diferença com a própria vida e persistir no que se quer é muito mais do que escrever textos e frases bonitos. Ou mais ainda do que manter uma posse falsa. Imagino como pode cansar e enganar. Nunca tive tempo ou vontade de fingir nada porque meu eu não me permite. Simplesmente vivo. E repito: a persistência é a chave. 

Minha busca pessoal tem sido vencer. Equilibrar. Vencer. Organizar. Vencer mais uma vez. Persistência define meus últimos meses. Persistência em me limpar, em voltar às minhas raízes, a saber o que eu sou e o que eu fui e fazer este balanço com honra. Descobri novos gostos, persisti em alguns antigos. Outros finalmente eliminei e trouxe a liberdade, outra vez. 

Não há nada que aconteça que eu não tenha me inspirado a fazer, a delegar, a organizar, a deixar para lá. Desapego é algo refrescante. Muitos não leem meus textos, muito menos sabem que aqui escrevo diariamente. Talvez nenhum conhecido meu lerá este meu texto, também não me importo muito, pois não dependo de nenhuma opinião. Isto não é soberbia, pelo contrário, só reforça o que eu já sei: é tudo para minha inspiração e caminhada pessoal nesta vida. Faz sentido para mim agora. É o que vale. Leiam ou não. 

Sinto que estou finalmente finalizando um novo ciclo e estou iniciando um 2016 cheio de reviravoltas. Estou pronto para aprender. Tudo de bom ou ruim que vier, e não escrevo isso com ansiedade alguma, quero provar e superar. Como sempre. Que a sabedoria que vem do céu seja maior e determinante em minha vida. 

Persistência é a chave que abre qualquer porta. Inclusive todas as minhas. Não vou continuar escrevendo hoje, a inspiração se foi. Foi bom enquanto durou. Faça um lindo dia, abraços. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.