9 de dezembro de 2015

{RESENHA} Um homem de sorte - Nicholas Sparks


Oi leitores vorazes, tudo bem com vocês? Trago a resenha (mais uma) de um dos livros do Nicholas Sparks. O livro Um Homem de Sorte. Bora conferir a resenha? \o/


Número de Páginas: 352
Editora no Brasil: Novo Conceito
Lançamento: 2012
ISBN: 978-85-63219-13-8

Sinopse: "Mas não estava em outra época e lugar, e nada daquilo era normal. Trazia a fotografa dela consigo há mais de cinco anos. Atravessou o país por ela.” “Era estranho pensar nas reviravoltas que a vida de um homem pode dar. Até um ano atrás, Thibault teria pulado de alegria diante da oportunidade de passar um fim de semana ao lado de Amy e suas amigas. 

Provavelmente, era exatamente isso de que precisava, mas quando elas o deixaram na entrada da cidade de Hampton, com o calor da tarde de agosto em seu ápice, ele acenou para elas, sentindo-se estranhamente aliviado. Colocar uma carapuça de normalidade havia-o deixado exausto. Depois de sair do Colorado, há cinco meses, ele não havia passado mais do que algumas horas sozinho com alguém por livre e espontânea vontade. (...) 

Imaginava ter caminhado mais de 30 quilômetros por dia, embora não tivesse feito um registro formal do tempo e das distâncias percorridas. Esse não era o objetivo da viagem. Imaginava que algumas pessoas acreditavam que ele viajava para esquecer as lembranças do mundo que havia deixado para trás, o que dava à viagem uma conotação poética. prazer de caminhar. Estavam todos errados. Ele gostava de caminhar e tinha um destino para chegar."


Já começo falando que esse livro nem parece que foi escrito pelo Sparks. Não que seja ruim, não mesmo, somente tive esta impressão. Simplesmente porque a narrativa é diferente daquilo que estamos acostumados a ler dele. É um romance bem morno, água com açúcar e até clichê, como muitos podem afirmar. Um romance bem construído, uma história bem desenvolvida e devidamente fechada. É para entreter e emocionar mesmo.

Apesar de ter mais de 300 páginas, a leitura correu tão fácil, tão fácil que em dois dias eu finalizei. Creio que muita gente não irá favoritar este livro porque realmente não faz a praia de todo mundo. Não posso culpá-las por isso. Reconheci uma bela história e muita poesia como é de costume. Apesar de até a presente data eu achar o melhor de todos os livros dele, Querido John. E foi o primeiro livro do autor que li, comecei com uma ótima escolha.

Tudo começa quando Logan Thibault – no meio de uma guerra no Iraque – encontra a fotografia de uma mulher. A partir disso, ele guarda a fotografia consigo. Dentre tantos atentados, ataques terroristas, bombeamentos, ele nunca é atingido. Para Thibault é pura sorte, mas para seu amigo de combate Victor, a foto o protegia e servia como um amuleto protetor. Como Thibault era um homem um pouco cético, não levava muito em conta o que o amigo dizia.

Porém, muitas coisas ainda estavam para acontecer. Cinco anos depois, a guerra já passada, Thibault resolve atravessar o país para ir de encontro à mulher da foto num misto de ansiedade e de apreensão sem saber que a encontrará de fato.

Elizabeth por sua vez, do outro lado do país, vivia uma vida solitária e sem ninguém, desde o seu ultimo relacionamento com Clayton, um homem infantil, que provinha da família mais poderosa e influente daquela região.

Beth (Elizabeth) tinha um filho, chamado Ben. Fruto do seu péssimo casamento com Clayton. Ele de maneira silenciosa “dava uma lição” e acabava com os parceiros que tentassem se aproximar de Beth. Claro, sem ela saber. Aquele tipo de homem que diz que a mulher se não for dele não será de mais ninguém, sabem? Por isso, a mesma vivia sempre solitária. Beth mora com seu filho, e Nana (maravilhosa e sarcástica) que era avó de Beth.

Clayton sempre a vigiava e procurava sempre bancar um de bom moço na frente de Beth (detesto este tipo de personagem e homem, trazendo para a vida real). Entretanto quando Thibault – por acaso do destino ou não – encontra Beth anos mais tarde, percebe que ela era mais bonita ao vivo, do que na fotografia.

Thibault então começa a trabalhar para Nana, cuidando dos animais da mesma, já que Nana, estava com a saúde um pouco debilitada. Beth, por sua vez, sempre procurava não ter tanto contato físico, com o estranho, mas sempre fora gentil com ele. Claro, com o passar dos capítulos, o relacionamento dos dois melhora consideravelmente, e Thibault, por instinto, fica amigo de Ben (filho de Beth).

O final é algo muito rápido. Não gostei muito disso. Somos envolvidos calmamente e lentamente numa história que não possui um ritmo alucinante, quando no final do romance quebra-se toda a calma, e nos joga numa situação bem rápida e meio que descontrolada, confusa, louca. Não sei se foi o toque proposital que o autor deu, mas EU não fiquei tão feliz com essa pegada de final. Mas não posso negar que terminei o livro com um nó na garganta (sensação típica quando termino de ler os livros do Sparks).

Eu recomendo para quem quer ler um livro leve e bem água com açúcar e com um final alucinante. Ótimo para ler nas pausas dos compromissos no dia a dia, talvez por ser um pouco mágico, possa ser um livro de cabeceira e sempre ser relido vez ou outra. E acabo de lembrar que ainda não vi o filme, que vergonha. Já quero. hahahaha

Alguém aqui já leu este livro? O que achaste? Vamos conversar. <3 Grande abraço e ótimas leituras. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.