4 de janeiro de 2016

{FILME} A Fuga das Galinhas de Nick Park e Peter Lord


Venho conversar com vocês hoje sobre um filme que marcou a minha infância - e também posso assim dizer - minha vida adulta. A Fuga das Galinhas, claaaaro, rs. Véspera de Natal e a nostalgia está louca aqui. Vamos lá?


Nome: A Fuga das Galinhas (Chicken Run, em inglês)
Data de lançamento: 21 de Junho de 2000
Direção e Roteiro: Nick Park e Peter Lord
Música composta por: John Powell e Harry Gregson - Williams
Duração: 84 minutos
Alguns nomes do elenco: Benjamin Whitrow, Imelda Staunton, Jane Horrocks, John Sharian, Julia Sawalha, Laura Strachan, Lisa Kay, Lynn Ferguson, Mel Gibson, Miranda Richardson, Phil Daniels, Timothy Spall e Tony Haygarth.

De acordo com a sinopse: "Na década de 50, numa fazenda em Yorkshire, a galinha Ginger busca incessantemente um meio de conseguir escapar do fim trágico que seus donos reservaram para ela e seus semelhantes. Após várias tentativas frustradas, surge na granja o galo Rocky, com uma ambiciosa promessa: ensinar como voar às galinhas. Mas o tempo de Ginger e Rocky é curto: os Tweedy, donos da fazenda, compraram uma máquina que faz tortas de galinha, que em breve entrará em operação e irá dizimar toda a população do local."



Creio que a maioria de vocês já devem ter assistido esta animação infantil e refletido sobre diversas questões - principalmente envolvendo os animais. Sobre refletir eu só vim juntar os fatos agora, anos depois. Com questões e conceitos que só vim conhecer recentemente. Questões sobre a crueldade com os animais, sobre os animais lindos e maravilhosos do nada aparecerem em panelas e pratos, sobre as propagandas ocultando o horror e atrocidade que os animais vivem trazendo aquele pensamento pronto de direto da granja para o prato. Só que sabemos que não é bem assim.

O filme é do ano 2000 e lembro-me bem de quando eu o assisti, inúmeras vezes, diga-se de passagem. Como eu escrevi mais acima, esse filme marcou a minha infância, e somente comentar sobre ele me traz várias lembranças boas e muita vontade de rever pela milésima vez (o que certamente farei ainda hoje). Fora o tema de uma possível entrada ao vegetarianismo, há também a questão do feminismo - assunto muito decorrente nos últimos anos. 



O filme é classificado dentro dos gêneros de comédia, aventura, animação e família. Típico filme de sessão da tarde e que é além de tudo educador. Acho super válido trazer um tema tão sério de forma tão adulta e descontraída numa linguagem infantil. Eu como criança entendia tudo e me compadecia para com a situação dos animais. Senti a emoção e vi que prendê-los nos mais diversos lugares era errado. Ficava me perguntando: "Para quê os bichinhos vivem em prisões?" Mais tarde vim me perguntar porque comemos carne se não é por puro luxo e chilique pessoal. 

Leia o enredo aqui e entenda mais do filme (é cheio de spoiler). Muita aventura e ação temos neste filme. Recomendo a todas as crianças e adultos que quiserem vê-lo. Há piadas e tiradas para todos os níveis de idade e um humor saudável que qualquer pessoa pode absorver. O que eu não sabia era que a ideia do filme foi tirada de uma fábula de 1950. Interessante, vou procurar a versão original. 



Sem contar nos rostos das galinhas praticamente iguais e com as mesmas impressões, hahahaha. Que coisa mais lindinha, gente. Elas parecem feitas de massa de modelar e biscuí. Tem coisa mais legal? rs. É uma observação boba mas que me inspiram mais ainda acreditam? 

Quem aqui já assistiu esta obra maravilhosa? Não tenho como falar muito, somente digo que, para mim é deveras inspirador. Um amor de filme que já estou revendo agora de novo. Antes da postagem terminar já coloquei no play. Tem ou não tem gostinho de infância? Vamos falar sobre esta maravilha. Um dia iluminado e inspirador, beijos. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.