7 de janeiro de 2016

{RESENHA} Amazônia – Um Caminho para o Sonho - M. C. Jachnkee


Olá leitores queridos e assíduos! Tudo bom com vocês? Vos trago a resenha de um livro lindo e cheio de beleza, da maravilhosa autora M. C. Jachnkee, autora de: Amazônia - Um Caminho para o Sonho. Comecemos. 


Autora: M. C. Jachnkee
Número de Páginas: 280
Gráfica e Editora: Nova Letra
Ano de Lançamento: 2011
Adicione o livro no Skoob: [aqui]
Se torne fã da autora no Skoob: [aqui]
Onde comprar: Loja da autora [aqui]

De acordo com a sinopse: "Em "Amazônia- um caminho para o sonho", os personagens são de Ascurra e em busca de uma mudança na vida, partem para a maior Floresta Tropical Úmida do Mundo. Da majestosa Manaus dos Barões da borracha, passando pela festeira Parintins, subindo o rio Tapajós ao encontro de Fordlândia- a cidade americana construída em meio à selva até a Belém dos índios Tupinambás que observaram a chegada dos conquistadores na Baía. Eles precisarão se adaptar e encarar realidades diferentes. Irão conhecer muito dos pontos turísticos e também da história da região norte do Brasil. É um livro que traz muita informação histórica e de uma maneira sutil vai-se apresentando os personagens e a trama."


Que livro lindo gente. Quando terminei a leitura de Amazônia – Um Caminho para o Sonho, quis imediatamente correr e visitar o Norte do nosso país. E principalmente a Amazônia (que eu já morria de vontade de visitar) que é super exposta através da cultura, fenômenos, etc. nesse livro. Uma verdadeira enciclopédia “particular” sobre a Amazônia e com uma escrita caracteristicamente única e ágil. O grupo viajante, que visita a região norte de nosso país, a cada página nos ensina novos costumes, novas culturas, novas histórias, novas experiências de vida, novos talentos que só o povo nortenho possui.

Dentre vilas, vilarejos, museus, igrejas e bancas de comidas típicas, exclusivas e tropicais, nos encontramos juntamente com os personagens dentro da grande Amazônia. Que não é só “mato verde” como muitos acham e já ouvi falar. Para alguns a Amazônia é sinônimo de bichos e insetos horríveis. O que não é bem assim. O grupo de amigas, juntamente com seu guia “particular” (haha, que provoca desejos em uma das personagens principais), visitam os pontos turísticos, as relíquias de um tempo não muito distante de hoje e procuram desvendam mistérios que a muito tempo se perderam no tempo.

Entre algumas lendas que são relatadas no livro, está a do Curupira e das mulheres guerreiras amazonas (aaa que eu amo). Vale muito a pena ler. ;) Entre toda a aventura e animação que se passa, se desenvolve um romance entre dois bem construídos personagens. E um clima diferente se mistura com o fascínio e os dias quentes – rotineiros – da Amazônia. Dando um desenrolar bem mais cativante e construtivo a história. Uma leve junção de ficção com a dura realidade.

A autora (Marli) escreve tão bem, mas tão bem, que “estudamos” Geografia, Língua portuguesa, História, Direitos Humanos e até Sociologia de uma maneira rápida, leve e gostosa. Podemos classificar o livro como um autoajuda também. Adoro as citações que foram colocadas, sempre positivas e colocando o leitor para frente. O livro é uma lição de vida, nos ensina que mesmo com as perdas e problemas diários, devemos sempre seguir em frente, levando o carinho, a compreensão e o amor em cada esquina que pisarmos. É praticamente uma “receita” de como ser um ser humano mais digno, um ser humano admirável.

O livro trata de assuntos considerados tabus, como o preconceito com o índio, o negro, etc., trata com a preservação ambiental, com desenvolvimento sustentável (pois os personagens se oferecem para preservar e tentam achar soluções de como resolver os problemas das matas, das populações locais, etc.) enfim, o livro desencadeia uma série de cuidados e assuntos que muitos viram a face, e fingem não ver. Todos vivemos no mesmo planeta, por isso temos a obrigação de preserva-lo e cuidar do mesmo com carinho, para as gerações futuras. E essa “missão” de conscientização é trazida para nós através da leitura.

De uma forma prazerosa, temos a visão que os personagens tiveram, sonhamos os sonhos deles, e realizamos com eles, suas conquistas. As folhas são brancas, e as letras relativamente médias. Logo nas primeiras 10 páginas você pega o ritmo da leitura, e não quer mais parar de “viver” a viagem. Ao longo do livro só encontrei dois ou três erros de digitação, e nada grave. Se brincar passa despercebido. O trabalho da Gráfica e Editora foi muito bom, extremamente organizado e de uma maneira que se torna confortável e prático para o leitor. A capa é linda, e tem a ver com a história. Realmente dessa viagem para a Amazônia, eu não irei esquecer nem tão cedo. ;)

Leiam, porque como é importante aprender as culturas de países estrangeiros, é mais importante ainda aprendermos a cultura de nosso próprio país. Que é tão rico nesse e em tantos aspectos. Leitura rica em vocabulário. Recomendadíssimo. 

Bom gente é um livro tão lindo e cheio de detalhes que não dá vontade de parar de escrever. Espero que tenham gostado da resenha, que foi feita de coração. E obrigado a você Marli, antes de tudo, por ter feito uma obra tão completa e com tanta pesquisa. Muito sucesso, você merece. Alguém aqui já leu este livro nacional? Até breve, abraços literários.

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

6 comentários:

  1. Oie Everton =)

    Sempre leio resenhas super positivas desse livro, mas infelizmente ainda não tive oportunidade de ler. E cada resenha me deixa ainda mais curiosa rs...
    Ótima resenha!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ari!

      Que bom que gostaste! É um livro excelente e melhor ainda: nacional. hehe Caso leia, me diz o que achou. Beijo grande!

      Excluir
  2. Parabéns pela resenha Ewerton! Já li Amazônia e curti bastante. Abraço!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um ótimo livro, né Nessa? Obrigado por ter vindo aqui, volta logo, beijos!

      Excluir
  3. Li esse livro já faz algum tempo, então amei poder relê-lo através da sua resenha..
    É uma viagem e tanto.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né isso Delmara? Que livro incrível, sinceramente.
      Obrigado por ter vindo aqui, volta mais vezes, beijo grande!

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.