24 de fevereiro de 2016

O minimalismo e a moda masculina


É certo que o Minimalismo está se popularizando nos últimos anos em todo o mundo, e que o Brasil está entrando nessa onda também. Pelo menos algumas pessoas. Tendo em vista que sou uma dessas pessoas que é fã deste movimento, comecei a aplicar o Minimalismo em algumas categorias da minha vida, em especial no meu guarda-roupa. Visto que o mesmo se aplica a todas as áreas de nossa vida. 

Fazer o essencial para se ter o essencial, não ao extremismo, e se usar tudo o que se tem, foram um dos fatores que me fizeram aplicar o Minimalismo com a minha roupa e consequentemente com a minha moda. Este post é para simplificar como eu fiz. Não vou mostrar fotos do meu vestuário, nem reduzi meu número de peças a um número específico. Só dei aquela repaginada aproveitando as roupas que eu já tenho.

Deixem-me contar o processo. Primeiro tenho que deixar claro que: mudei meu guarda-roupa por uma cômoda há mais ou menos um ano atrás. Foi minha melhor escolha. E foi aí que fiz a primeira faxina das minhas roupas. Me desfiz de um saco de roupas que eu só usei uma vez e nunca mais tocaria. É interessante porque tive um sentimento de liberdade a cada peça liberada. 

Comecei a destralhar as quatro gavetas que a cômoda tem. Uma por uma. Na primeira que tinha inúmeras tralhas e sempre, claro, de maneira desorganizada, comecei tirando tudo e espalhando na cama. Meu quarto virou uma espécie de bazar. Coloquei blusas e camisetas que são de uso diário e sempre limpas, nada de usar sempre e sempre guardar. 

Dobrei de maneira organizada e preenchi a gaveta com as blusas do dia a dia. E sim, uso todas. Sem exceção, especialmente porque fico muito em casa, e acabo utilizando tudo que tenho com mais dedicação. Na segunda gaveta tenho as roupas íntimas, de cuecas, meias, cintos e outras coisas masculinas. Tudo bem organizado. Também não tenho muitas peças, somente as que uso e sempre mantenho limpas foi troco por um número maior de vezes diariamente. 

Na terceira gaveta guardei minhas blusas e roupas sociais. Aquelas roupas mais arrumadas e alinhadas para festas, casamentos e afins. Não tenho muitas roupas nessa categoria/Gaveta porque 1) não saio muito para festas sociais e 2) essas roupas são muito reaproveitáveis, principalmente para homens, que o básico é uma blusa social de manga branca. Cabe em qualquer look. Claro, cada caso é um caso. Para mim tem funcionado guardar o mínimo possível. Tem sido ótimo não ter tanta roupa sem eu usar nem 30% do meu vestuário pessoal.

Na quarta e última gaveta guardei os shorts, bermudas e calças. Esta última gaveta é mais funda que as demais gavetas e consequentemente tem mais espaço. No dia a dia, faça chuva, faça sol, uso sempre mais calça. Sempre. E calças de cor escuras. Não gosto de calças claras (especialmente as jeans) e só tenho uma que estou usando até se desgastar. 

Tenho levado a organização de forma bem simples e prática. Quando quero algo já sei onde está e vou diretamente pegar tal peça sem desorganizar as outras da gaveta. Penso futuramente em comprar um guarda-roupa, pois creio que meu padrão de vida vai mudar bastante, terei outras necessidades das que tenho hoje. Mas quero um guarda-roupa simples, sem tantos compartimentos que levarão poeira e ficarão vazios. 

O que tiver de mais moderno, prático e econômico no sentido de estética e espaço, vou pegar. E aí farei uma repaginada geral do meu look. Quis só comentar neste post como venho fazendo sobre a organização das minhas roupas utilizando o Minimalismo. É bem simples e minimalista como vocês puderam perceber. E tem fluído assim. Caso aja alguma mudança, contarei por aqui. <3

Como vocês tem organizado seus guarda-roupas? Vocês aplicam o Minimalismo no dia a dia? Conversemos. Grande beijo.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.