8 de fevereiro de 2016

Processo criativo: como foi a ideia de ter um cantinho na internet?


Muito amor em escrever este post para vocês. <3 Vou explicar porque. 

Desde muito novo eu já pesquisava na internet maneiras de falar e escrever tudo o que eu tinha vontade, mas sem a limitação das mídias sociais como Twitter, Orkut e afins que tinham na época. Quando me deparei com o mundo dos blogs (tão raros no tempo em que os descobri) fiquei apaixonado. 

Tive inúmeros blogs, mas nunca a organização, cuidado e disciplina de postagem que tenho hoje. Eu passava meses sem postar, ou postava empolgado dez posts num dia só, não divulgava, copiava muito (plagiava, hahaha) matérias de outros sites na cara dura sem saber que era errado. Por bem ninguém nunca me pegou. Gracias. 

Depois de um tempo acabei fazendo blogs dos mais diversos assuntos: textos reflexivos, de livros, de curiosidades e até de datas comemorativas. Lembro que amava publicar sobre história e Halloween.  Desde essa época eu já pesquisava bastante tudo o que eu podia para poder publicar alguma coisa. Hábito que trouxe até hoje.

Houve um tempo, em 2012 se eu não me engano, que resolvi por conta dos estudos parar de blogar por um tempo. Finalizei meu blog xodó, o antigo Papel de um Livro (que já não existe mais, só na mente dos mais próximos da blogosfera) e fiquei sem nada. O Papel de um Livro era sobre livros e tudo relacionado ao mundo literário. Com a parada do blog reduzi bastante minhas leituras, mas nunca parei de ler. 

Com o passar dos anos fui vendo muitos filmes, seriados, lido muitos livros e a vontade de escrever sobre tudo o que eu estava lendo e vendo reacendeu a chama por blogar no meu coração. Fiquei adiando a ideia por um tempo para não me prejudicar nos estudos, mas fui vendo que com organização, eu poderia ter um blog e estudar. Foi quando comecei a pensar no que eu deveria fazer. 

Devo reativar meu antigo blog? Meu coração já estava ardendo para além dos livros. Eu queria falar de livros e muito mais. Porém o nome do antigo blog não me dava esta possibilidade, pois era bem específico em só falar de livro e por já ter um rostinho literário fincado numa boa base, eu não poderia mudar tudo de uma hora para outra. Não seria justo com meus leitores do outro cantinho.

Até então comecei a pensar em nomes para blogs. Pensei em fazer um novo blog, com um novo endereço, com uma nova carinha, com toda uma estrutura mais profissional e onde eu pudesse falar não só de livros, filmes ou seriados, mas de todos os outros assuntos que tinham me conquistado ao longo dos anos fora e longe da blogosfera.  

Eu queria escrever e comentar sobre Sustentabilidade e suas imensas vertentes, queria falar sobre política nacional e internacional, textos reflexivos sobre os mais diversos momentos e reflexões da vida, organização, viagens, produtividade e dezenas de outros assuntos, sem precisar me classificar como algo imutável e/ou irreversível. E foi assim que fiz. 

Pensei em um nome que poderia ser literário e além disto. Foi então que surgiu na minha mente o "Viajante das Letras" e atual nome do blog. Vi que tinha sentido porque eu sempre fui um viajante nato. Seja exterior ou interior. Sempre me deixei levar pelo conhecimento, pelo saber, pelo caminho e o fim da trilha sem me chamou a atenção. E como eu iria escrever TODOS os dias para o blog, eu vi a necessidade de ser um viajante das LETRAS, onde eu poderia escrever sobre todas as minhas experiências de vida.

Foi assim que este cantinho nasceu. Mas até ele ir ao ar foram muitas anotações, muitos riscos, muitas mudanças de detalhes. Foi todo um processo. E sempre há algo mudando por aqui. Como a categoria de Alimentação, Veganismo e Cruelty Free que sumiu estes dias, pois tenho planos para elas em outro projeto que estou trabalhando a sete chaves e só nos próximos meses irei revelar. 

É incrível como tudo aqui é o que eu sonhei, é o que eu planejei e até melhor do que coloquei no papel. Meu processo criativo com este projeto tem sido sempre nas alturas. Quando não estou escrevendo, estou separando imagens para o Blog, quando não estou fazendo isso, estou alimentando as mídias sociais, e por aí vai... Não paro nunca. Não cesso nunca. Há tanto para se fazer ainda, tanto a escrever, tanto a planejar, tanto a divulgar. 

Não penso em acabar com este meu cantinho na internet nem tão cedo. Nunca. Planejo ficar com ele até minha velhice e inspirar vocês com meus posts na mesma medida que eu mesmo me inspiro a escrevê-los um a um. Muitos pensam que tem um grupo aqui escrevendo. Isso não existe. Sou só eu, Ewerton Lenildo, que manejo TUDO por aqui. Da parte de códigos e diagramação de layout a produção e divulgação de conteúdo. Tudo com experiência pessoal em tantos anos de blogueiro. 

Meses antes do blog ir ao ar eu já alimentava as mídias sociais e já produzia conteúdo. Muitos destes conteúdos ficaram nos rascunho inacabados por meses e até hoje ainda remodelo muita coisa e publico tudo pronto e organizado. Para um post ir ao ar é muito processo. Reviso sempre, seleciono as melhores imagens, escrevo no melhor vocabulário para cada assunto possível, ajeito toda a parte estética, escrevo com a alma e dependendo do post, passo horas para publicá-lo. 

Só passam erros quando são desapercebidos por mim. Na hora que os vejo, reparo-os. E assim tem fluído bem e tenho superado meus limites. Há post por aqui para todos os dias de todos os meses de todos os anos que virão. Já tenho todo o cronograma deste ano de 2016 e do ano de 2017. Todos os dias do ano, inclusive feriados. Não falta assunto. 

Como costumo dizer vez ou outra, tenho tanto assunto para escrever que não quero enlouquecer, hahaha. Fora os assuntos e temas de posts que só existem na minha mente, pois nem anotados estão. São muitas ideias, muitos posts que nem existem publicados. Por isso amo tanto este post e poder escrever sobre isto de maneira um pouquinho mais detalhada é muito gratificante. 

O blog já tem mais de seis meses e teve post todos os dias. Daqui a pouco já faço um ano de blog e nem posso acreditar nisso! Comecei do nada mesmo. Tudo do nada e até hoje muito original. Não costumo copiar nada de nenhum lugar e quando copio coloco entre aspas, em itálico e ainda cito todas as fontes pertinentes para destacar que aquele pequeno texto ou citação ou dado não me pertence. 

Gosto da originalidade como ela é. Soberana por si só. E foi assim, basicamente, que surgiu a ideia de ter um cantinho na internet. Obrigado quem acompanhou até aqui, abraço de luz. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.