28 de fevereiro de 2016

{RESENHA} Grey's Anatomy | 6° temporada


Trago hoje a resenha da sexta temporada de um seriado que amo de paixão: Grey's Anatomy! Gente, vocês não tem noção, é só amor e chororô. Só a graça de Deus para segurar os dedos da Shonda, criadora do seriado. A mulher arrasa os corações sem dó nem piedade. Antes de mais nada, aconselho vocês a lerem as resenhas aqui (1 temporada), aqui (2 temporada). aqui (3 temporada), aqui (4 temporada) e aqui (5 temporada) para ficarem por dentro do assunto da série. 

Tentarei não falar spoiler o máximo que eu conseguir. Vamos lá. 

Essa temporada foi de fazer o coração correr louco pela rua. Tipo saltar da boca e sair pulando mesmo no pingo do meio dia. Que pressão psicológica, hômi. Os últimos episódios desta temporada foi que foram tensos. MUITO TENSOS. Quase duas horas de chá de cadeira e unhas roídas até o sabugo. Vocês não tem noção. 

A temporada já começou com um drama sem limites com a morte de um querido amigo nosso. Um personagem que nos cativou durante cinco temporadas e do nada, joga-se a bomba que ele sofreu um acidente e chegou para morrer no hospital. Não se faz isso com o coração dos fãs. Todo o drama do sepultamento, da cerimônia no cemitério e tudo mais. Nos deixando aflitos deste o primeiro momento até o último. E quando penso em Izzie, aí é que meu coração transborda de dor e lamentação. 


É triste demais. 

O estresse vai tomando conta do hospital e tudo parece desandar para o lado de todo mundo. É uma loucura. Há todo a confusão gerada pelo trio de Owen, Teddy (nova personagem na temporada) e Cristina. É muito babado, confusão e gritaria com este trio. #apenas

Muitos segredos do Alex são revelados nesta temporada. Segredos familiares, principalmente. É bomba atrás de bomba. Mas são nos episódios 23 e 24, últimos episódios da temporada, que a verdadeira agonia acontece. Desespero total acerca de um tiroteio na área interna do hospital. 


São momentos de tensão. E a cirurgia para salvar a vida de Derek no final rende muitos acontecimentos. Sem comentários. Só assistindo para saber. Acontece algo com Meredith também e nos deixa cada vez mais deprimidos. Tudo isto num misto de loucura, pânico e agonia dentro e fora das salas de cirurgia. Foi do caramba. É um dos finais de temporadas mais tensas que tem na história de Grey's. Já vá assistir anestesiado porque é forte.


Eu poderia ficar falando e falando e falando aqui, mas não adiantaria. Você tem que assistir com seus olhos! Caso você não tenha assistido ainda, vá ver agora e comente aqui neste post o que você achou. Eu entendo se você vir comentar de forma histérica. Eu fiquei também. 


Quem aqui já assistiu esta temporada? Vamos conversar! Um abraço dramático, até amanhã. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.