7 de março de 2016

{FILME} Fim da Humanidade de John Geddes


Trago hoje os comentários de um filme que foi uma escrota surpresa (de uma forma boa) para mim. Falo do filme "Fim da Humanidade" do John Geddes. Vem conferir!


Nome: Exit Humanity (Fim da Humanidade, em português) 
Data de Lançamento no Brasil: 2011
Produção: Cody Calahan, Jesse T. Cook, John Geddes e Matt Wiele
Roteiro: John Geddes
Direção: John Geddes 
Duração: 108 minutos
Alguns nomes do elenco: Adam Seybold, Ari Millen,, Bill Moseley, Brendon Ryan Barrett, Dee Wallace, Jason David Brown, Jordan Hayes, Kat Crisp, Marc Brooks.

De acordo com a sinopse: "Depois de um surto inexplicável que rasgou sua família à parte, e ameaça toda a humanidade, Edward encontra orientação, amizade e amor entre caos e desespero. Ao longo de sua jornada angustiante começa a gravar suas experiências com os mortos-vivos, quando tudo mais parece estar perdido em um mundo roubado de sua humanidade."


Eu realmente não esperava que o filme fosse desse jeito e foi difícil achá-lo para mais informações além da telinha. Inicialmente quando vi o filme pensei: "Ah, provavelmente é só mais um filme clichê sobre zumbis". Essa meio que é a reação da maioria das pessoas, tendo em vista que, o assunto zumbi estourou com força nos últimos anos no mundo. É legal fazer adaptações e livros que envolvam zumbis. Inevitavelmente muitas porcarias aparecem no bolo, mas não convém falar disso agora, vou focar nesta trama. 

Antes de tudo quero comentar que a primeira coisa que reparo num filme é o ambiente que ele foi gravado. Ou pelo menos a maior parte dele. Este filme tem uma fotografia e gravação muito boas. Os momentos de gravação na floresta (amo floresta, amo sim) são os melhores para mim. E quando envolve mistério e uma pitada de misticismo aí é que fica interessante. Adoro! E isto tem no filme à vontade. 

A luta do personagem principal, depois de perder a família para esta praga, em trilhar um caminho sozinho querendo vingança também - meio que sem rumo e sem confiar em ninguém - me instiga. Lembro daqueles guerreiros machões que não temem a nada e são furiosos no seu íntimo. Só esperando uma boa luta. Sem deixar uma boa briga passar. Acho esse perfil de homem bem inspirador. Bem vida louca (risos). 

Há toda uma explicação por trás da praga e como isso se originou. Achei uma abordagem bem interessante porque levei em conta a época em que se passa o filme. Século XIX. Acho que é o primeiro filme que vejo neste século. Fica bom de explicar algo que parece ser original e até então nunca visto na história da humanidade. 

O filme se enquadra dentro do gênero de terror e drama. O terror não me rendeu muitos pontos, muito menos o drama. Mas também não é ruim. Eu relevo porque para me assustar tem que ser algo muito fora do comum. E para me tocar tem que ser muito trágico.

As atuações não foram lá essas coisas, mas deu para o gasto. E o filme é meio paradão, felizmente eu me obrigo a ver qualquer filme até o fim, até o mais trash. Este foi algo interessante. Mesmo lento e paradão tive boas inspirações para com ele. Por isso valeu a pena. Algumas coisas aprendi e vou levar para a vida. Como torar o pescoço de algum zumbi, brincadeirinha. 

Creio que é tudo de relevante que posso externar sobre este filme. Foi um bom entretenimento, somente. Recomendo para quem não tem NADA mesmo para fazer de melhor. Eu fui vê-lo sem saber nada sobre ele. Confesso que perdi um pouco do meu tempo, ainda assim classifiquei com 3 estrelas. É o máximo que darei. 

Alguém aqui já assistiu este filme? Vamos conversar. Beijo grande. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.