7 de março de 2016

{FILME} Uma Estranha em Los Angeles de Albert Pyun


Vim comentar com vocês hoje sobre um filme que me inspirou numa temática não feita mais hoje em dia. É um filme ambientalizado na década de 80 e mostra bem como era o cinema daqueles anos. Falo do filme "Uma estranha em Los Angeles". hahaha Vamos lá?



Nome: Alien From L.A. (Uma Estranha em Los Angeles, em português)
Data de Lançamento no Brasil: 26 de Fevereiro de 1988
Direção: Albert Pyun
Produção: Yoram Globus e Menahem Golan
Roteiro: Regina Davis, Albert Pyun e Debra Ricci
Cinematografia: Tom Fraser
Música composta por: Jim Andron, Simon LeGassick, Anthony Riparetti e James Saad
Duração: 87 minutos
Alguns nomes do elenco: Kathy Ireland, William R. Moses, Richard Haines, Don Michael Paul, Thom Mathews, Janet Du Plessis, Simon Poland, Kristen Trucksess, Lochner De Kock e Russel Savadier.

De acordo com a sinopse: "O filme conta a história de Wanda, uma jovem desengonçada, sem mãe, rejeitada pelo pai e abandonada pelo namorado.

Um dia, ela recebe uma carta e uma passagem aérea para visitar um senhor que teria informações importantes sobre seu pai. No entanto, durante a busca, ela cai em um buraco. O buraco é um caminho para uma civilização perdida, chamada Atlantis."



Não vi críticas muito positivas, mesmo assim gostei. A personagem principal é bem tapada e demente, mas uma boa menina. Ainda não conhece nada do mundo e depende horrores, sentimentalmente falando, do namorado surfista que tem. Até o momento em que ele dá um fora nela e termina o relacionamento. E o pior: ele termina falando um monte de desaforos para ela, deixando-a, cada vez mais para baixo e depressiva. 

A sinopse fala tudo e nada ao mesmo tempo... tendo em vista que o filme tem partes muito morgadas, mas o que salva, são os péssimos efeitos. Isso mesmo. HAHAHA Pelo menos para mim. O filme é classificado dentro do gênero de aventura e fantasia e é bem o tipo de aventura que todo adolescente queria viver. Toda criança sonha em experimentar. 

A personagem principal recebe uma péssima notícia de um parente que ela pensa a ter a abandonado e tem que ir para a África pegar a recompensa que essa pessoa deixou como herança para ela. É aí que começa o dilema. Ela sempre foi uma fracassada, medrosa, acabada e boba para fazer uma viagem tão longe assim. Considerou não ir a maior parte do tempo e acabou decidindo embarcar no avião. 

A partir daí não vou falar mais nada sobre o enredo para não dar spolier. Não tem muito dessa parte da viagem, quase nada na verdade, a maior aventura mesmo é quando ela vai entrando de cabeça no buraco da aventura (literalmente). Há quem tire este filme como clássico de sua geração, outros nem tanto. Muitas coisas necessitavam de algumas explicações básicas e não foi tido isto. Por esse motivo vi muitos buracos no roteiro. 

Eu também penso que se eu for criticar como eu critico outros filmes, que possuem uma produção bem mais elaborada, com todos os recursos que a tecnologia hoje em dia nos traz e tudo mais, claro que não tem nem comparação. Eu imagino o choque que foi para o povo daquela década com o lançamento de um filme com um assunto tão para a frente.

Prova que as pessoas da época já pensavam sobre essas questões que nós até hoje nos indagamos. Questões relacionadas à Atlanta perdida, à alienígenas e outros temas polêmicos. Deve ter sido muito criticado. Nem por isso é ruim. Não vou me estender muito porque cabe a cada um decidir se curte ou não. Se acha instigante ou monótono. Alguém aqui já assistiu? Nem quando era criança?

Caso você já tenha assistido vamos conversar nos comentários. Até o próximo filme (há tantos ainda para resenhar). Abração. <3 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.