14 de março de 2016

{RESENHA} Aleph – Paulo Coelho


Olá pessoas lindas, como estão? Tiro a liberdade de trazer hoje a resenha de uma obra da Editora Sextante e que me surpreendeu. Falo do livro: Aleph, do talentoso Paulo Coelho. Prontos e atenciosos? Vamos lá!


Nome: Aleph
Autor: Paulo Coelho
Páginas: 256
Edição: 2
Editora no Brasil: Sextante
Ano de lançamento: 2010
Gênero: Auto-Ajuda

De acordo com a sinopse: "Transforme sua vida. Reescreva seu destino. 

Num tom franco e extremamente pessoal, Paulo Coelho relata sua incrível jornada de auto descoberta. Como o pastor Santiago de seu grande sucesso O alquimista, o escritor vive uma grave crise de fé. À procura de um caminho de renovação e crescimento espiritual, ele resolve começar tudo de novo: viajar, experimentar, se reconectar às pessoas e ao mundo. 

Ao embarcar para a África, depois para a Europa e, por fim, cruzar a Ásia pela ferrovia transiberiana, Paulo busca revitalizar sua energia e sua paixão. Mas nem pode imaginar que surpresa essa peregrinação lhe reserva. 

Ele conhece Hilal, uma jovem e talentosa violinista, e descobre que ela foi sua grande paixão numa vida passada, mas que ele a traiu de maneira tão covarde que, mesmo 500 anos depois, isso o impede de ser feliz. Juntos, os dois se lançam numa viagem pelo tempo e o espaço, abrindo-se para o amor, o perdão e a coragem de enfrentar os desafios da vida."

Leia a resenha logo abaixo.

Amigos, essa foi minha primeira leitura de um livro do Paulo Coelho, e posso garantir que foi fenomenal. Sério. No começo fiquei muito apreensivo, sem entender direito a história, os personagens, foi realmente um choque. Não porque é ruim, nada disso. Só pelo simples fato de ser uma escrita diferente, é até normal.

O livro é muito inspirador, eu demorei um pouco para terminá-lo, porque eu não li o livro como uma leitura qualquer. Eu realmente parei e degustei o livro. Limpei tudo que estava na minha cabeça, e literalmente saboreei cada página, frase e citação. O Paulo consegue nos levar, pelo menos em Aleph, a um universo totalmente reflexivo e onde, você precisa reencontrar-se, ser dono de seu mundo, e se auto conhecer.

Não posso nem contar qual a viagem que ele faz para se reencontrar, se redescobrir.

É uma viagem longa, porém que no final vale muito à pena. Depois de um tempo que eu realmente entendi o que era o Aleph. E nem tenho como explicar sem fazer spoiler. Até porque o Aleph não é uma coisa. Eu teria que contar todo o livro para poder explicar ao pé da letra o que é o Aleph. Mil perdões, mas vou pedir para vocês lerem, não devo contar.

Livro recomendadíssimo. Apesar de alguns não gostarem da escrita do Paulo Coelho, o que custa tentar outra vez e, dar chance a essa obra? Outro ponto que quero ressaltar é: que ótima revisão e edição. Não encontrei UM, nem unzinho erro de ortografia, digitação ou falta de revisão no livro inteiro. Equipe revisora e tradutora da Sextante, vocês estão de parabéns. Continuem assim.

Por isso leiam. É um livro para viver, degustar e sentir. É uma experiência diferente. Vale a pena, mas um ótimo livro da nossa querida Editora Sextante. Gostei bastante e classifiquei como 5 estrelas por ser meu primeiro contato com o autor e ter me fisgado com a escrita.

Amo auto ajuda e quando vi que este livro se encaixa nesta categoria fiquei louco para ler. CLARO. Há quem deteste este gênero e até hoje não entendi o porquê. Afinal, nos dá aquele Ânimo, aquele "up", mesmo quando não estamos depressivos. Ajuda até sem termos problemas, mas enfim. Um dia devo entender estes militantes contra o gênero auto-ajuda, hahaha.

Alguém aqui já leu este livro? Se sim, o que achaste? 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.