24 de abril de 2016

{RESENHA} Sala de Embarque – Marcos Mantovani


Opa leitores vorazes, tudo joia? *-* Trago hoje a resenha do livro Sala de Embarque da Editora Belas Letras. Vamos conferir? \o/


Ano de lançamento: 2011
Editora no Brasil: Belas Letras
Número de Páginas: 144
ISBN: 978-85-60174-88-1

Sinopse: "Atenção, senhores passageiros: nesta Sala de Embarque, qualquer das partidas (crônicas) leva a uma viagem deveras inebriante. A decolagem está autorizada a quem interessar adquirir uma preciosa experiência literária, em que as travessias propostas por Mantovani deságuam em uma bagagem de excesso gratificante. Um volume maior de própria vida, adquirido nas rotas de cultura, arte e comportamento tão bem conjugadas e traduzidas pelo autor. Com referências de mundo absolutamente oportunas, e feeling em máximo estado de alerta, perspicácia e poesia para singelos eventos cotidianos, o desfecho de cada texto incrusta na alma do leitor o sentimento de que viver é mesmo uma viagem. Um percurso que nos cabe realizar (diferente do que rege a tradicional cartilha) com os cintos rigorosamente soltos. Vocês não poderiam embarcar numa melhor!" Dudu Oltramari, cronista. 

Sala de Embarque é um livro fininho, tamanho mediano, que vem recheado de textos, poemas e crônicas. Ao todo são 62 textos (se eu não me engano) repletos de pensamentos e opiniões diversificadas.

Eu li algo sobre o autor há um tempo ter dito que reuniu e remodelou várias de suas crônicas e textos do seu Blog, querendo assim a publicação em papel. Pois segundo um amigo estrangeiro dele, livros é mais chique que Blogs. (Achei desnecessário tendo em vista que cada um tem seu valor, acho que esse amigo não conheceu muitos blogs bons, né verdade? Que pena.) rs

Assim que as crônicas são devoradas (pois são bem curtinhas e numa linguagem fácil de compreensão), tudo se torna mais claro. E gostos e nostalgias do autor, de sua fase “jovem”, infantil são expostos. Um passado (temo dizer não muito distante) que enche os olhos do mesmo de nostalgia.

Curti bastante a leitura, pois amo crônicas e textos curtos neste estilo. Acho fascinante como cabe tanta história dentro de tão poucas letras e linhas. A cada nova crônica ou poema viajamos com o autor, visitamos seus restaurantes preferidos fora do país, provamos com ele sabores exóticos e inevitavelmente vemos todas as suas amizades e as saudades que cada uma delas deixou marcada no mesmo. Compartilhamos das alegrias e lembranças do autor de forma bem pessoal e bem escrita. Bem, pelo menos do que ele (o autor) expõe para o leitor.

Recomendo muito para quem gosta de crônicas, textos expressivos, embargados de boa melancolia e viagens marcantes. Se você gosta de viajar (assim como eu, amo demais!) você vai conhecer vários pontos interessantes e vai servir ate como dica para uma futura viagem. A viagens descritas no livro são viagens que você sente até o cheiro do cappuccino da mesa de lojas desconexas de aeroporto. 

O que a imaginação não faz, hein? Embriagamento e paladar literário apurados. 

Não vou falar de nenhuma crônica em especial, pois a maioria me prendeu de verdade. A resenha foi curtinha, meio corrida, mas expôs o que eu realmente senti e do que gostei bastante da leitura. Fiz uma resenha no estilo do livro: rápida, ágil e simples. Como a escrita do autor se mostra.  

Algumas fotos para ser feliz: 





Crédito pessoal das imagens. Não retire sem autorização.

Até amanhã leitores lindos. Boas leituras.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.