22 de julho de 2016

Catalendas: um dos marcos da minha infância ♡


Ontem eu comentei neste post sobre o seriado infantil Castelo Rá-Tim-Bum e fiquei para lá de nostálgico. Resolvi comentar hoje sobre outro seriado/desenho que eu assistia todos os dias antes de eu ir para a escola (4° série, creio eu) no horário do almoço. 

"Catalendas Foi um programa de televisão infantil que utiliza o criativo universo do teatro de bonecos e trabalha o mágico mundo das narrativas populares brasileiras. As histórias contadas pelo povo são recriadas por escritores, com apoio de um consultor. Valoriza cada detalhe da nossa cultura e estimula a curiosidade e a imaginação de nossas crianças."

Creio que de longe, este é e foi o melhor desenho, para aprender sobre as lendas do nosso folclore de maneira simples e instigante. Aventureiro. Lendas como a do Boto cor de rosa, a onça pintada, a mula sem cabeça, lobisomem e muitas outras, sempre foram temas de novos episódios. Eu aprendi e até hoje nunca mais esqueço. 

Minha infância não foi marcada pela leitura de livros infantis, mas foi marcada por desenhos e animes que me construíram o que sou hoje. Catalendas sempre me abriu os olhos para o conhecimento e sempre me convidou a almoçar acompanhando. Não perdia um episódio! 

Eu amava o tom sombrio (e morria de medo de assistir e o fazia mesmo assim) que alguns episódios iniciavam com lendas de arrepiar a nuca. Só assistia porque era de dia e tinha minha mãe na sala, hahahahaha. Sim, eu fui uma criança inocente e esperta. Um pouco mijão, rs. 

Os episódios eram beeeem curtinhos (cerca de 15 a 20 minutos no máximo) e lembro que passavam dois a três em menos de uma hora todos os dias na TV Cultura. A Amazônia é sempre bem retratada como mostra este trecho a seguir: 

"Os produtores utilizam recursos naturais da Amazônia para criar uma estética original, o que faz de cada episódio uma curiosa surpresa. Apresentado por dois personagens típicos da floresta: Dona Preguiça, a contadora de histórias, representa a sabedoria, e o Preguinho, um macaquinho que faz o papel do nosso telespectador alvo, crianças de 4 a 12 anos."

Para vocês terem uma noção, até minha mãe gostava de assistir, de tão educativo que era o programa. Era bem interessante mesmo! Sabe aquele desenho sem aparente maldade e bem gostoso de acompanhar até pela voz dos personagens? Pronto, este é Catalendas. Fenomenal. Trago os ensinamentos até hoje na minha vida adulta. 

Aprendi muito sobre sustentabilidade, preservação ambiental, respeito aos pais, obediência e respeito aos mais velhos, e amar o verde/natureza com o desenho. Sinto falta destes programas, pois quando crianças, absorvemos tudo. Seja de bom ou de ruim. E os desenhos desta geração em sua maioria são de péssima índole. 

Como dito no post de ontem, vou parar de falar, para poder mostrar algumas imagens para vocês. Lembrei e relembrem comigo e se inspirem em conjunto, vejamos: 













Abraços, até amanhã.

Ps: quem souber das origens das imagens, por gentileza, me comuniquem para que eu dê os devidos créditos. Não consegui encontrar nenhuma autoria original.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.