22 de julho de 2016

Escrita: tempo e prática



Se tem uma coisa que eu aprendi ao longo dos últimos seis anos foi que, a escrita além de propositalmente motivação e inspiração, precisa de prática. Se ela é diária ou não depende do teu objetivo. Mas não tem outra. Ainda não conheci ninguém que nunca tenha treinado a escrita (seja fazendo textos ou outros tipos de exercícios) que sentou pela primeira vez e produziu um dos melhores textos que alguém pôde contemplar na vida, pelo contrário, encontrei pessoas que tinham com facilidade as palavras na mente por conta de um bom hábito de leitura diária. Somente. E isso ajuda demais, devo admitir.

No post de hoje tomei a liberdade de conversar um pouco com vocês acerca da escrita de forma mais geral e de forma bem pessoal. Tudo em cima? Então comecemos!


Desde muito novo comecei a escrever e isto sempre fez das matérias relacionadas à linguagens minhas matérias preferidas. Leio muito. Todos os dias. Sobre tudo e muito. Isso sem dúvida me dá vocabulário e agilidade na hora de escrever. Passar para o papel nem sempre é tão simples como parece. Pensamos e queremos colocar da mesma maneira - o que acaba não ocorrendo por causa da falta de prática. 

A escrita, na minha humilde experiência, lida dependente com a paciência (tempo) e fazer, riscar, voltar a fazer (prática). Não sei se escrevo bem ou mal, nunca fui de pedir avaliações. Entretanto, sempre fui perfeccionista em diversos departamentos da minha vida e com a escrita não conseguir ser diferente. Só dou o texto como finalizado quando eu o vejo coerente, bem estruturado e com todas as ideias que inicialmente quis exemplificar. 

Meu conselho e humilde prezam pelo pensamento "do quanto antes". O que isso quer dizer? A frase por si só expõe. Quer começar a escrever bem? Comece agora. Hoje. Amanhã no máximo. Pratique todos os dias um pouquinho (ou muito, tudo vai depender da sua disponibilidade de tempo, humor e realidade). Diariamente é um pré-requisito dos melhores. Ou pelo menos deveria ser. 


Você tem exercido sua escrita?
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.