7 de dezembro de 2016

Falando de simplicidade e começando a colher agora seus inúmeros benefícios

Hoje quero conversar sobre simplicidade. Quando fiquei estes meses afastado dos meus blogs, percebi o quanto eu ansiava por uma pausa e como esta pausa me revolucionou. Como eu PRECISAVA desta pausa. Mas o que eu buscava, afinal? Aí é que estava o cerne da questão. Depois de muita reflexão, análise da problemática pessoal, pensamentos sufocantes e outros iluminadores, pude ver que sempre busquei a simplicidade em sua forma mais modesta e desafiadora. Eu não queria mostra-la, somente senti-la. E sim, há uma diferença enorme entre sentir e mostrar que sente (isso é bem óbvio para um grupo seleto de pessoas que detêm esta habilidade).

Eu já não me reconhecia e isso me incomodou a partir do momento que percebi isso à minha volta. Eu sempre fui muito decidido e consciente das minhas escolhas, em contrapartida e forma natural, sempre abracei sem reclamar as consequências também. Mas por um desleixo pessoal (não culparei destino pelo meu comodismo e falta de bons hábitos) me afundei numa rotina extraordinariamente perturbadora e comprometi toda minha estrutura mental, meu corpo e minhas regras filosóficas de vida. Não digo que cheguei ao fundo do poço porque apesar de ter sido uma guerra interna e de redescobrimento de autonomia e identidade, porque não chegou a ser fatal.

Digo redescobrimento de identidade não por questões estéticas, sempre soube o que queria ser e como seria, tanto é que já sou, mas a crise de identidade era internamente como dito anteriormente. Minhas vontades não eram mais feitas com base nos meus critérios básicos de sinceridade e força de vontade. Minhas ações não estavam 100% correspondendo com o que eu estava pregando. Minhas metas não contribuíam para meus sonhos novos, nem antigos. Eu estava sem rumo, me sentindo sem direção, com falta de resultados palpáveis me senti incapaz em diversos momentos. Sei que até certo ponto isso é normal e perfeitamente compreensível. Eu também sempre me autoanalisei e procurei aprender comigo mesmo a cada alegria e a cada derrota.

Mas a crucial questão aqui é justamente como me desenrolei ao longo de todo esse processo. Estou em fase de adaptação a novos hábitos e de transição. Melhorando as mudanças e me acostumando com as mesmas. O que eu acho mais interessante é a forma que estou enfrentando toda essa mudança. Estou fazendo isso aos poucos, no meu tempo, na minha empolgação, nos meus termos. Passei a analisar mais ainda o que faço, estou fazendo e quero fazer, como chegar até lá, o que providenciar agora e toda essa conjuntura me obriga a conhecer um eu meu até então desconhecido para mim.

Em busca da simplicidade diária (e inevitavelmente a médio e longo prazo) tenho trilhado caminhos desconhecidos que têm me feito um bem indescritível. Conhecendo novas filosofias e sentindo outros mundos, tenho percebido uma energia própria em cada universo. Estou adquirindo novos hábitos, me planejando melhor e com mais consciência sem fantasiar demais, mas sempre com intensidade (que é assim que sou movido desde sempre) e começando pela mente a minha revolução. Realmente há verdade no que dizem a respeito da sua mente ser o seu guia e controle. Mente sã, corpo são.

Este post serve para vocês de inspiração e para mim de concretização de sonhos em realidade. Nunca pensei ser possível realizar uma organização tão completa como estou desenvolvendo. O bichinho do minimalismo e da produtividade me beliscou e a organização tem sido ponto chave na minha maneira de viver. Falo sem exageros porque é a partir da organização que estou tendo a capacidade de descobrir do que realmente amo e ir em busca disso para saborear, viver, acontecer. Há muito ainda a ser feito, especialmente até este ano acabar e estou correndo contra o tempo para deixar tudo em ordem. 2017 vai ser extraordinário porque eu o estou planejando assim.

Muitos já estão dando 2016 como acabado, como se não tivesse mais nada para fazer e só 2017 é que importa. Leve engano. Ainda há muitas revoluções para fazer e viver.

Obrigado por acompanhar até aqui.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.