6 de dezembro de 2016

{RESENHA} How To Get Away With Murder - 2° Temporada

Tenho guardado este rascunho a algum tempo e não sei porque só agora resolvi publicar. De verdade. Assim que terminou a segunda temporada de HTGAWM não quis escrever no blog, mesmo sendo uma temporada muito boa. Em dias com a nova temporada (terceira até a presente data) resolvi liberar este post logo. Vamos falar um pouco deste seriado que é tão medonho como friamente calculado? Comecemos. Ps: pode conter spoiler no texto. 

Sinopse da nossa amiguinha Wikipédia: "Após passarem por traumas e momentos angustiantes, Annalise e seus funcionários começam a investigar o caso de Caleb e Catherine Hapstall, na qual são acusados de envolvimento na morte de seus pais adotivos. Wes, entretanto, junta-se com o irmão adotivo de Rebecca para tentar encontrá-la, depois de seu desaparecimento. Connor luta com os problemas em seu relacionamento com Oliver, enquanto Asher é obrigado a trabalhar com a advogada Emily Sinclair, a fim de proteger seus segredos. Ainda se recuperando dos recentes acontecimentos, Annalise e seus funcionários acabam se metendo em um novo problema, na qual pode acabar sendo fatal para um deles, ou não."

Todo mundo sabe que quando terminar alguma temporada de algum seriado criado, editado, que tenha algum toque da Shonda Rimes, o coração estará em pedaços. Sério, destroçado mesmo. Espero sempre um tiro (e vários personagens morrem mesmo) quando se fala em HTGAWM. Sobre o Wes: não tenho como gostar desse personagem. Ele me irrita DEMAIS e a Rebecca sempre sendo um pé no saco mesmo depois de morta. Ô casal uó.

Essa temporada foi porreta de boa. A excelência com que foi tratada a personagem Bonnie e seu drama pessoal fez com que eu refletisse acerca da pedofilia praticada por entes familiares como pais e mães depravados e sem nenhum pingo ou senso de moralidade, dignidade ou empatia. Não quero entrar mais a fundo nesse distúrbio, mas acho que os criadores de conteúdo do seriado queriam chocar e trazer esta realidade para a vida das pessoas, onde muitas vezes esse tipo de tabu passa batido sem muita relevância a não ser para quem sofre tal abuso.

Tem horas que pausei o episódio e senti empatia pela personagem. Foi chocante sentir o desenrolar dos conflitos, a angústia de reviver o passado e a vergonha de encarar o presente. Algo mais sobre isso só veremos na terceira temporada, então no post de lá comento mais sobre o assunto. Annalise pirou de vez nesta temporada, algo perfeitamente compreensível tendo em vista que a mulher sofre constantes surtos de demência, violência e alcoolismo agudo. Como bem sabemos, beber vodca pura e não tomar nem café da manhã, é especialidade da dona Anna.

Vale destacar que há um drama pesado na vida pessoal da personagem envolvendo um filho que a mesma perdeu por conta de um trágico acidente e outras complicações. É muito interessante acompanhar o desenrolar dos fatos e reviver cenas do passado porque só assim temos o mínimo da noção do que perder um filho pode fazer com a cabeça de uma pessoa. Acho que a morte de bebês, dentre tantas coisas horríveis que presenciamos no dia a dia, é uma transgressão da natureza. Ou talvez eu esteja errado e seja só mais uma sequela negativa em que nunca nos acostumamos de verdade. Um viva e palmas nas cenas em particular que a personagem está segurando nada imaginando ser seu neném. Fenomenal.

A galera pirando não é novidade para ninguém, pobres estudantes que não aguentam pressão parece que vão enlouquecer. Acho que Connor, apesar de capinha de revista, sempre foi o elo mais fraco do grupo. O Asher como sempre, na minha humilde opinião, sempre dispensável da trama. Nunca se envolver em nada de verdade, é imaturo, crianção e acho que este é o sentido do personagem no seriado. Evoluir, ter um grande coração e quem sabe ser o único sobrevivente de toda essa loucura.


Prevejo mortes, pois a serie caminha para estes picos de adrenalina. Mas não prevejo mortes de qualquer um, isso já teve e tem sempre, prevejo morte de personagens principais e creio que vai ser chocante e sensacional. Os constantes insights e os sentimentos de culpa sempre vêm à tona e com isso alguém se droga, faz sexo sem proteção e comete confissões no meio de multidões. A galera pira na maionese mesmo e não é para menos, assassinatos, tramas e investigações batendo na porta a todo segundo. A qualquer momento a polícia pode aparecer e te deixar apodrecer na cadeia. É pressão psicológica constante e ninguém tem paz.

Vale dizer também que a mãe da Annalise aparece! Gostei bastante da personagem e claro, vem carregada com outra bagagem extra de drama. Anna Mãe é singular, decidida e parece não girar bem da cabeça, mas a gente aprende a compreendê-la até certo ponto. Como na primeira temporada, há sempre um "boom" no meio da temporada e no final. Se eu pudesse definir essa temporada em uma apalavra diria que foi perturbadora. Realmente não foi fácil para ninguém e só digo uma coisa: vai piorar na terceira.

Sobre as atuações: Gente do céu, como sempre impecáveis! Especialmente para a Viola Davis (Annalise) e Liza Weil (Bonnie). Michaela (a segunda melhor atuação, hahaha), Laurel (a melhor atuação dos três) e Frank sempre mais ou menos na minha opinião. Espero que na terceira temporada melhorem, pois sei que tem muito potencial nesses atores. Sei que são atores fantásticos, talentosos e que receberam personagens extraordinários.

A Emily Sinclair nesta temporada foi uma personagem decisiva no desenrolar de toda a trama, portanto não deve não ser citada aqui. Acho que muito aconteceu do jeito que aconteceu por causa da personagem. Ela foi ponto chave para o desenvolvimento. Nate sempre como segundo opção e boneco de Annalise. Oliver sempre sendo aquela válvula chata de escape para as neuras do Connor em um relacionamento que caminha a passos de tartaruga. Wes sendo mais porre do que eu pensei que fosse humanamente possível e casos sendo discutidos em meio a toda esta loucura, afinal tudo tem que parecer normal, hein?

Nesta temporada os estudos foram para o brejo. Notas lá embaixo, estudar que é bom nada e autoestima lá nos lençóis freáticos de tão subterrânea. Não é para menos, depois de tantos assassinatos, tapas na cara e confrontos cara a cara, quem iria ter mente para sentar tranquilamente como se nada estivesse acontecendo e ir estudar? A questão é que o mundo não sabe do que se passa com o grupo. As notas baixas vai trazer alguns problemas de carreira, quero ver como isso vai ser tratado nas próximas temporadas.

Uma das coisas que mais gosto na série é essa competição de ser o melhor, de ser o mais inteligente, de ter as melhores notas, ser o mais excepcional da turma, etc. Me motiva a ser assim na vida real e me faz querer ser uma pessoa mais inteligente e crítica através dos estudos. A Annalise como profissional também deixou a desejar. Veja bem, ela teve momentos de glória profissionalmente falando, mas comparada à primeira temporada, ela despencou. Espero que na próxima temporada esse leão interior seja resgatado dela e de cada estudante e que o brilho da excelência paire sobre eles novamente.

Clique aqui e veja a lista de todos os episódios desta temporada.  Clique aqui e assista o trailer da segunda temporada. Leia minhas impressões sobre a primeira temporada aqui. Até o post da terceira temporada. 👻💖
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.