8 de dezembro de 2016

Sobre um infanto juvenil que merece destaque e que traz à tona peculiares emoções

Não costumo ler romances para o público infanto juvenil porque me entediam e, para mim, é o gênero que mais irrita com personagens em sua maioria inexperientes e bem rasos. Confesso que comecei a ler a amostra grátis da Amazon com poucas expectativas, porém com o coração caloricamente maleável. No começo nos é apresentado alguns poucos personagens (e tenho que agradecer ao autor por isso, afinal uma enxurrada de personagens de início, na minha humilde opinião, geralmente não faz um sopão legal) que são bem amáveis e possuem personalidade própria - especialmente o João, me identifiquei com a maioria das opiniões, posicionamentos e maneira de lidar com as coisas do jovem rapaz. 

Apesar de não ser o primeiro livro que leio com esta premissa, vejo que há algo de diferente na estória e posso dizer o que é: o modo como ela é escrita. Sabem qual a sensação que tive lendo somente a amostra grátis do livro? Que eu estava lendo um blog do qual a leitura flui bastante. Para mim como leitor, que estou sempre em contato com novas escritas, ler algo que flua de imediato é uma benção. Imagino a dádiva de ler todo o livro numa linguagem tão fluída e constante? 

Aos poucos vamos adentrando no universo dos personagens e como não poderia ser diferente, abraçamos seus dramas diretamente da fonte. Eu nestas poucas introduções, já me inconformei com as atitudes do Gustavo já me identifiquei com os posicionamentos do João, já passei a amar o Merlin (cachorro, apesar das poucas participações e latidos #chorando), já me irritei (sem motivos, confesso) com a Helena fantasminha, etc. Acho que essa é a graça de um livro. Pode parecer clichê, mas um livro só é válido quando mexe de alguma maneira com o leitor. Alguns livros mexem mais profundamente, outros de forma mais leve. Mas a partir do momento que fez provocou algum impacto, vale a pena ser devorado.

Eu queria poder falar mais sobre a obra, mas vou me conter, pois não li a obra completa. O livro é relativamente curto, beirando a quase duzentas páginas e é tem uma escrita tão prazerosa que em algumas horas você consegue lê-lo. Só mais uma ressalva: senti um toque de romance lgbt, supõe-se que é impossível, pois os ambos personagens masculinos são héteros e só falam de meninas o tempo inteiro, MAS toda brincadeira há de haver um fundo de verdade. hahahaha Adoraria ler um drama em cima disso. Em como dois amigos acidentalmente se envolvem além da amizade (mas sem destruí-la e como eles seguiram em frente sem deixar que isso ficasse estranho para eles sendo de fato adultos em lidar com a situação, enfim). Posso estar errado, mas não vou encontrar nada do gênero na leitura. rs 

Sou muitíssimo grato à minha amiga Dessa por ter me recomendado esta preciosa obra e por ter me teletransportado ao mundo do autor, que não conheço pessoalmente, mas fico imensamente feliz em saber que ele é recifense. Sempre que posso, tento trazer publicações nacionais para cá com o intuito de valorizar mais e mais nossa literatura (clássica e atual), pois sei que tem muito autor extraordinário com ideias fenomenais para serem lidos por aí. Espero que o mercado editorial continue em expansão para os autores nacionais (como vem evoluindo desde meados de 2011/2012 com intensidade) e que seja o primeiro de centenas do Lauro Luna. 

Obrigado por proporcionar tão alegre entretenimento e digo mais: já quero ler a obra completa. Confiram aqui o link para o ebook na Amazon e façam sua compra, ou simplesmente leiam a amostra grátis para sentir o que falei acima. Super recomendo. É válido para quem sempre procura ótimas histórias para saborear ao longo do dia. Vejam aqui o perfil do twitter do livro e o blog do autor aqui

Beijos de paz.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.