5 de janeiro de 2017

{RESENHA} Luminoso – Alyson Nöel

Olá – outra vez - leitores vorazes! Tudo joia com vocês? Espero que sim! Como foi seu ano novo? Só agora estou conseguindo voltar à normalidade e bem lentamente, hahaha. Trago hoje a resenha do livro: Luminoso, continuação da série Riley Bloom escrita pela autora americana Alyson Nöel. Vamos conferir minhas impressões do livro?


Número de Páginas: 192
Editora no Brasil: Intrínseca
Ano de Lançamento: 2011
ISBN: 9788580571226

Sinopse: "Após ter completado sua tarefa com o Garoto Radiante, Riley desfruta férias ao lado de Buttercup e Bodhi. Quando um cão infernal atravessa seu caminho, a menina decide ir atrás dele – apesar da relutância de seu professor. Durante a busca, ela encontra uma jovem fantasma chamada Rebecca. Apesar do jeito doce de Rebecca, Riley logo descobre que nem tudo é o que parece. Filha de um fazendeiro, e furiosa por ter sido assassinada durante uma revolta de escravos em 1773, ela mantém a alma dos que morreram presa em suas piores memórias. Será que Riley conseguirá ajudá-la sem se perder nas próprias lembranças dolorosas?"


O que posso dizer desse segundo livro da série Riley Bloom da Alyson Nöel? Nada de especial. Quem conferiu a minha resenha sobre o primeiro livro, sabe que não gostei nadinha do modo como a autora levou a escrita – de forma superficial e rápida demais para meu gosto – e muito menos dos acontecimentos acelerados que se deram e envolveram os personagens. Tenho que dizer de novo, que como o primeiro livro, em poucas horas você lê o segundo também.

Nesse segundo volume a Riley (a personagem principal), seu tutor Bodhi e seu cachorro Buttercup, vivem – por desobediência da Riley – uma aventura danada combatendo um espírito aparentemente bom chamado: Rebecca. Uma linda menina de cabelos castanhos e aparência meiga que esconde uma história de vida trágica e sombria.

Como todos já devem saber a Riley é uma Apanhadora de Almas, designada pelo Conselho a fazer a travessia de espíritos perdidos no plano terreno. Logo nos primeiros momentos do livro, esse fato é relembrado. Não não, isso não é nenhum spoiler.

Entretanto, achei o livro bem raso feito exclusivamente para aquela pessoa que não tem nada mais legal para ler. Infelizmente me desagradei muito com a leitura. A Riley por só ter 12 anos de idade, talvez pela idade e ser muito infantil em certas ocasiões, me irritou bastante. O livro só melhora um pouco no final, onde a autora deixa uma corda para o terceiro volume da série: Terra dos Sonhos.

Irei ler Terra dos Sonhos até pelo fato de não ter que abandonar a série. E apesar de tudo quero saber como vai ficar a situação dos personagens na situação em que a autora os deixou. Leitura super rápida, escrita não muito trabalhada (sim, eu acho isso da autora, que ela não sabe escrever:/), mas um livro para passatempo.

A diagramação da Intrínseca é ótima, não tive nenhum desconforto durante a leitura, poucos erros de ortografia, nenhum de concordância. O único ponto positivo dessa série para mim são as capas que a editora publicou.

Realmente acho P-E-R-F-E-I-T-A-S as capas dessa série. E melhor ainda: Têm haver com a história e com a protagonista. São capas lindas para ficar nas estantes. Pena que a leitura é uma leitura que não vai acrescentar muita coisa na sua vida. Perdão pelos comentários mínimos, entretanto não senti aquele "up" nem para escrever.

Então são essas as minhas impressões sobre o livro. Futuramente irei ler o terceiro volume da série, e quem sabe eu não mude minha opinião da série e a autora tenha mudado o rumo dos acontecimentos e da escrita? Terra dos Sonhos pode me agradar, apesar de eu não achar possível, mas enfim.

Leiam. Como vocês sabem, EU posso não gostar, mas há quem goste/gostou. Até logo meus amores.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.