17 de fevereiro de 2017

O que aprendo todos os dias observando as pequenas coisas do dia a dia


Sou muito observador. Demais. E detalhista também. Creio que o casamento dessas características proporcionam belos prazeres aos meus olhos, mente e coração. Valorizo as pequenas coisas desde que eu me conheço por gente. Nesse aspecto, sempre fui na contramão da maioria e isto me proporcionou certas reflexões silenciosas que carrego até hoje como bons ensinamentos. 

Valorizo a brisa das manhãs, valorizo os primeiros raios de sol do dia, valorizo os ventos gélidos de fim de tarde, valorizo a calmaria das águas sejam rios, mares ou lagos, valorizo todas as minhas refeições e seus respectivos sabores, agradeço por todas elas todos os dias (sinto que é minha obrigação), valorizo o toque, o relacionamento presente e desencorajo muitas vezes o que só vem da tela, o que só vem do virtual, valorizo o amor e suas diversas formas e posicionamentos, valorizo a paz interior, minha sanidade e o respeito ao próximo - independentemente de suas crenças e saberes.

Valorizo as folhas que caem de suas plantas mães cumprindo o ciclo básico da vida e confirmando a realidade de que tudo é passageiro e nada é eterno senão nossa alma, mente e espírito. Valorizo os bons sorrisos, valorizo a honestidade, valorizo o equilíbrio. A lista é infinita. O olhar diferenciado também. Procurar sempre aprender com meus próprios erros, aprender com os erros dos outros, com o meu comportamento e com o comportamento dos outros, é sempre uma dádiva e uma obrigação sem pressão. 

Creio que tudo podemos aprender, basta querermos e estivermos abertos à mudança, a sair da zona de conforto, a querer evoluir. Nem sempre é fácil, as vezes é bom, nem sempre o é. Entretanto, na maioria das vezes é necessidade. Aprender, somar, melhorar. São verbos que precisam estar sempre presentes em todas as nossas ações para que venhamos a ter mais significado e verdade no que fazemos. Aprendo no dia a dia com sinceridade e sem julgamentos. Nem sempre é possível, me pego tendo ações feias e de caráter julgador, mas creio que isto faz parte de todo o processo de auto-conhecimento e aperfeiçoamento pessoal.

Evoluir sempre aprendendo com os erros, repito, é uma dádiva. O mar, as aves, os latidos e miados dos animais de rua não domesticados, as risadas, até o barulho da rua podem ser benéficos se observados com olhares mais brandos e sem tantos pensamentos vagos. Reconhecidos pelo que são em sua mais pura e bela essência. De tudo podemos tirar um aprendizado. Estamos dispostos? 

Fica a reflexão para o dia de hoje. Que possamos refletir nosso interior para quem consegue ver, sem julgamentos, rancores ou venenos na alma, sempre com dignidade e verdade no que somos e no que queremos nos tornar. Vivendo sempre o presente, sem esquecer de planejar um futuro desejável e memorável. Até logo amigos, um dia de luz. 

Fonte da imagem do post: Tumblr.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.