26 de maio de 2017

O ato de ignorar e desapegar para preservar sua e minha sanidade mental


Nunca pensei que chegaria a um ponto da minha vida que estivesse me estressando "à toa" com comportamentos de pessoas próximas a mim e ações que me envolvessem tão diretamente como ultimamente têm envolvido. Estou em um momento de ascensão acadêmico gritante e que está consumindo meu tempo, juízo e energia disponível. 

Amo esse universo acadêmico, amo estar lidando com alguns projetos relacionados a isso, amo estar envolvido em todos os eventos, palestras, workshops, provas e avaliações diversas relacionados a isso, mas isso desgasta bastante. Sou daqueles que param tudo o que está a fazer e preserva a sanidade. Para, respira e volta a fazer acontecer. 

Tenho ignorado e desapegado, com toda classe que determinadas ações merecem, muito nesses últimos dias. É algo que está muito forte dentro de mim, muito urgente e emergente. Tenho percebido uma necessidade enorme de desapegar de muitas coisas que estão indo em contramão à minha realidade, ao meu desejo, aos meus planos presentes e futuros. Não estão mais tão alinhados aos meus princípios, entendem? Minha missão de vida ficou meio trupe em meio a tudo isto e estou voltando ao caminho do equilíbrio novamente. 

Estou em semana de provas, e a próxima semana também não foge muito disto. Entretanto, para obter sucesso, tive que parar e refletir um pouco para onde eu estava indo com tanta pressa. Meus gatilhos de escape estavam todos em infinita pausa e eu perdi a noção do tempo e do que realmente é significante para mim. A conexão entre eu e meu próprio interior foi danificada e com isso muitas de minhas ações perderam o sentido. 

O brilho que me movia agora está em outras prioridades e não tenho medo de mudar. Sinto uma constante necessidade de me reinventar a todo instante e isso é muito forte onde quer que chego. Minha organização está bagunçada, minha mente (apesar de nos últimos dias mais leve) está pesada e sobrecarregada e meus anseios não estão sendo correspondidos. 

Estou me alinhando novamente, me acostumando, me organizando. Os resultados que preciso são imediatos, pois são compromissos inadiáveis. Outros, por outro lado, não são tão urgentes, mas necessários. Existe todo tipo de pessoas no mundo, com atitudes e pensamentos muito contraditórios ao seu e ao meu e que trazem consigo uma carga negativa fora do comum. 

Não quero e nem irei mais me ater a essas pessoas pobres de espírito. Meu intuito é direcionar minha energia para mim mesmo, me recuperar de todos os abalos emocionais, fazer aquela faxina que deixei de fazer a semanas no meu interior e com isso ignorar todas essas coisas e pessoas que não me acrescentam em nada, que não alimentam o melhor de mim, que não contribuem em nada para si mesmas ou para o mundo. Não seja esse tipo de pessoa. 

Remetendo à imagem do post, também estou com um peso mental enorme nas minhas mídias sociais. Tanto nas mídias sociais do blog, quanto pessoais. Tenho feito algumas faxinas silenciosas e graduais, porque não tenho disponibilidade de tempo de estar horas a fio mexendo no celular, entretanto, valorizo o que já fiz e sei que muito mais precisa ser feito. É um trabalho contínuo. Tenho filtrado muito, percebido muito e investido muito em coisas e pessoas que quero ver, seguir, acompanhar. 

O restante, o "bolo" que fui adquirindo ao longo da vivência online, tenho retirado. Deixado de seguir a muitos, não concordando com outros, tendo uma visão mais crítica e humanista de tudo o que chega até mim, o que está me proporcionando muita clareza na hora de agir. Não é sair tirando. É sair filtrando de acordo com o que eu gosto de ver, com o que eu acredito e simpatizo e com o que eu preciso ver. Porque nem tudo é baseado naquilo que a gente gosta. 

A cada dia percebo o quanto nosso bom senso e maturidade pesam nas nossas escolhas. Com isso tenho tirado muitas lições valiosas e necessárias para o meu crescimento pessoal e crescimento das pessoas que de alguma forma ou meio entram em contato comigo para alguma finalidade. As minhas mídias sociais precisam de limpeza, clareza e foco e os poucos vou construindo isso. Faz parte de toda essa mudança que meu corpo e alma anseiam para viver em equilíbrio. 

Estou me enchendo de conhecimento, estou me movendo a um ponto que o supérfluo não me cabe. Não ter excesso faz toda diferença, porque não faz minha energia ficar dispersada e onde não deveria estar. Isso na prática me faz ganhar tempo com o que preciso me importar se eu quiser chegar aonde estabeleci minhas metas.  

Sempre tive convicção de que o poder que está investido em mim é muito maior do que todas essas adversidades externas. Estou falando aqui de acumulo de impactos. Isso - e o fato de eu não estar me blindando como deveria - tem me arrastado para o fundo do poço de forma forte e lenta. Hoje estou dando um basta em tudo isso. Estou me reconectando comigo mesmo de uma forma menos superficial e trabalhando em mim a tranquilidade que outrora esqueci. 

Espero preservar minha sanidade mental de maneira a me tornar a minha melhor versão pessoal imaginável e praticável. Estão em meu encontro pessoas que não tem nada de bom a oferecer (ou não querem mesmo) e que nunca querem mudar sua situação. Fora o fato de querer afundar os outros em sua infelicidade e desrealização pessoal. Eu sei que você conhece muitas pessoas assim.

Estou em busca daqueles que reconhecem e que criam a sua felicidade sem ter muita coisa ou precisam dar nada em troca. Foco no objetivo, criação de metas conscientes e direcionadas ao objetivo e troca de gentilezas para poder me energizar de coisas boas e vivências com teor de experiência para a vida inteira.

Gosto muito dessa imagem que escolhi para colocar no post porque traz consigo um retrato fiel da nossa realidade atual, da realidade contemporânea da humanidade em geral. E está aberta a sua interpretação, porque vai muito além do assunto deste post e muito além do que escrevi aqui.

Espero que nenhum de vocês estejam se sentindo como eu: no meio da tempestade, com um milhão de coisas para fazer e precisando reencontrar a si e no que acredita. Mas sei que provavelmente a maioria de vocês também está em um situação semelhante. Espero que você reencontre seu caminho e faça aquilo que tem sentido para você. 

Ps: voltar a escrever no blog, a blogar e maneira mais popular, é um das coisas que mais me fazem bem e nos últimos meses tenho parado sem motivos. Uma parte da mudança da qual estou escrevendo aqui, é estar voltando a escrever em um dos meus cantinhos favoritos da internet. 

Muita paz e organização equilibrada. Grato por ter lido até aqui.

*Imagem da internet, caso saiba a fonte ou o dono da montagem, me comunique, desde já muitíssimo obrigado!
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.