15 de agosto de 2015

Estudar é no mínimo necessário


Toda vez que vejo uma criança ou adulto dizendo: "ah, como odeio estudar" ou então: "estudar é coisa de gente idiota, tem que trabalhar" ou então: "escola é pior que uma prisão" entre milhares de frases mundo a fora, fico verdadeiramente triste. Vamos conversar sobre isso hoje? Sobre o fato de que estudar é no mínimo necessário?

Sabemos que estudar não é a prioridade de milhões. Infelizmente. Desde que me entendo por gente, meus pais me incentivavam a estudar, mesmo que não ficassem em cima quase nunca. Entretanto, eles já sabiam do meu perfil - que sempre foi estudioso - e da minha inteligência onde nunca tive dificuldades em matéria nenhuma. De verdade. Sempre quando eu me dedicava aos estudos das matérias, tirava notas ótimas sem esforço. 

Creio que por esta razão de sempre mostrar o boletim a eles e verem notas boas e excelentes, nunca se preocuparam em "encher o saco" (como muitos adolescentes dizem) no quesito de me forçar a estudar. Nunca fui impedido de brincar, nem nunca tive hora de estudar. Apesar de sempre ter estudado e sempre ter brincado. Acho que esse é o balanço que muitas famílias sofrem para adquirir. O exagero de algum lado.

A supremacia dos estudos sempre foi sagrada para mim. Quando eu dominava um conteúdo, eu SEMPRE ficava me parabenizando. Desde pequeno. Eu adoro a maneira que o conhecimento me enche quando o domino - até hoje. E esta sensação de "saber das coisas", principalmente depois de um estudo aprofundado, sempre me deu mais sede pela fonte inesgotável do conhecimento. 

Devido a isto, nunca tive o problema de dizer que odiava a escola, detestava professores ou que o estudo era desnecessário. Meu pai nunca me obrigou a entrar na filosofia de que o filho tem que trabalhar ao invés de estudar. Mesmo sendo muito trabalhador e dedicado, ele sempre achou importante o estudo como um todo, mesmo não tendo ingressado no ensino superior. Já minha mãe sempre me cobrou de maneira razoável que eu estudasse e sempre esteve muitíssimo presente. Até hoje se precisar. 

Eu entendo que o ato de estudar se trata de um hábito diário. Pelo menos quero ver assim. Temos que estudar sim todos um dia. Seja um pouquinho ou seja muito. Creio nesta teoria. Também partilho a linha de pensamento de que o trabalho é importantíssimo e move o mundo e que o conhecimento é a chave para um trabalho divinamente realizado. Mas sabe aquele equilíbrio que comentei no início do texto? Pois é, ele é extremamente necessário.

Quando vejo crianças sem querer estudar e os pais dando mínimo valor a isto, deixando o tempo passar, fico "pelos azeites". Mais tarde estes pais geralmente cobram do filho uma postura que nem eles possuem relacionada aos estudos e isto implica em inúmeras dificuldades que não me cabe aqui estender senão ficaria a madrugada inteira escrevendo.

Querem que um filho sem familiaridade com os estudos em si passem num concurso federal, passem numa universidade pública ou conquistem a vaga dos sonhos sem nenhum esforço do dia para a noite. Pode ser uma visão extremista, mas sinceramente? É difícil exigir tanto quando não se tem hábitos ou exemplos dentro de casa.

Há ainda muitos extremos que são difíceis de engolir. Como oportunidades de estudar com um ensino de qualidade. Não vou me aprofundar aqui porque isso envolve assuntos que vão além do post escrito para vocês, mas posso dizer uma realidade: são poucos os que muito pobres ou sem perspectivas de vida, conseguem uma dedicação pessoal e individual de se manter atualizado e estudando. A maioria desmotiva e desacredita de um futuro melhor. Não rompem a tendência, não conhecem um futuro além da pobreza.

Infelizmente a maioria que consegue algo digno através dos estudos são aqueles que possuem mais oportunidades na vida. Cada moeda tem um lado. Tem de tudo, então saiba que não estou generalizando. Cada situação, família e caso é um caso. A criminalidade está a porta e muitos optam por ela ao invés dos poucos livros. É nossa realidade.

Eu poderia ficar conversando com vocês aqui horrores e infinitas situações que vemos diariamente em nossa cidade de "grande" progresso, mas vou me ater apenas a afirmativa: "Estudar é no mínimo necessário." Porque de fato o é. É necessidade, é salvação material, é livramento intelectual, é chave de algemas do poder. 

Ultimamente não tenho prendido meus estudos a apenas o vestibular e ao meio acadêmico. Tenho expandido, por desejo e escolha organizada pessoal, para o aprendizado de idiomas, cursos para meu currículo, política e diversas áreas do conhecimento. Diversas mesmo. Tenho ido além de maneira autodidata no campo da Astronomia, da História mundial, da sustentabilidade, dos relacionamentos e meio social. Dentro destas especificações há diversos tópicos e ramos, sabemos bem.

Então seguirei dizendo para sempre: estudar é no mínimo necessário. Me perdoem se eu viajei demais em alguns pontos do texto, se sim, foi devido à gama de assuntos que envolvem o "simples" ato de estudar. Se eu fosse entrar nestas questões burocráticas para valer, perderia o enfoque da mensagem que quero passar com este texto. 

Estudem. Seja poucas horas por dia. Abra na sua agenda, quem sabe aos finais de semana, um pequeno horário dedicado ao aprendizado sem pressão, sem ser para provas ou avaliações, sem ser porque você precisa de tal conteúdo no trabalho e simplesmente por querer aprender algo novo. Pela curiosidade que é uma válvula impulsionadora e ajudante do saber. Dedique-se a um conhecimento sem neuras que você se empolgue ao aprender. Que sua alma sinta um gozo inexplicável.

Finalizo estas reflexões dizendo a vocês que jamais - nunquinha mesmo - irei deixar de estudar. Posso ter a graduação que tiver, o emprego que quiser, ou ter batido qualquer meta estipulada. Jamais irei deixar de estudar, pois nunca aprenderei tudo e nunca deixarei de sempre aprender coisas novas. Para saber de todo o conhecimento do mundo, uma vida é realmente curta. Mas o pouco tempo que tivermos aqui, que possamos independentemente de qualquer coisa, querer sempre aprender e ter a humildade para admitir esta vontade. Um dia abençoado e de muitos estudos diários.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Amo seu pensamento, eu sou curiosa por saber, adoro aprender coisas novas. Queria que meu irmão também fosse assim.
    Beijos, Tabatha
    http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tabatha, flor!

      Creio que com hábito, seu irmão também será assim, estudioso! \o
      Obrigado <3

      Grande beijo.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.