14 de junho de 2015

A morte sem muito valor | The Lizzie Borden Chronicles - 1° temporada


Que eu amo seriados com belos psicopatas isso não é novidade para ninguém. E esse seriado que irei falar sobre mais adiante no post me conquistou logo de início. Pois, mesmo sem envolver nada de sobrenatural (o que eu pensei que teria) cumpriu bem o seu papel de mostrar uma mente perturbada e obstinada a matar por prazer. Estou falando do seriado maravilhoso: The Lizzie Borden Chronicles. Vamos falar um pouco sobre ele?

Gente, antes de tudo tenho que dizer que: amo essa música das machadadas da Lizzie. No episódio pilot é um dos primeiros sons que nos é apresentado. Fica na mente, adorei! E em certo episódio mais na frente a mesma Lizzie canta numa situação complicada e fiquei querendo comer a tela do computador para abraça-la. Diva demais, hahahaha. 

A série possui apenas oito episódios e só tem uma temporada até agora. Até o momento não ouvi NADA sobre cancelamento, apesar da falta de notícias. The Lizzie Borden Chronicles se trata de uma minissérie norte americana sobre a vida de Lizzien Borden e seu envolvimento de absolvição no sangrento evento que mutilou seu pai e sua madrasta com um machado em 1892. Essa morte ficou notória no país e lendas e músicas foram criadas e repassadas para as novas gerações. A minissérie de oito capítulos é a sequência expandida do filme Lizzie Borden Took an Ax iniciado em 2014. 

Emma, a irmã de Lizzie acompanha a mesma de cidade em cidade em busca de um recomeço. Novos nomes, profissões e novas casas que sempre são manchados a partir do momento em que a reputação da Lizzie a persegue e pessoas começam a morrer em sua volta. Sem dúvidas a família mais "amaldiçoada" que se pode encontrar. Lizzie não tem escrúpulos quando se trata de tirar alguém do seu caminho e tem prazer na morte alheia. Sem dúvidas a morte não tem valor nenhum para esta família. Quem incomoda, acaba fora do caminho. De uma maneira ou de outra. 

Esse é um traje de rotina para essas irmãs, hahahaha. Adoram um luto!
O detetive Charles Siringo (e bem bandoleiro e perigoso, diga-se de passagem) tem um papel fundamental nos primeiros episódios. O jeito como a trama se desenvolve e como ele e Lizzie se enfrentam gerando algumas situações difíceis (e muitas mortes) é genial. Sem dúvidas um dos melhores episódios é o sexto e o sétimo. Não posso falar além disso, porque 1) é muito curta a minissérie, na minha opinião, eu preciso de mais episódios e mais filmes e mais temporadas e mais outra minissérie, hahaha e 2) vocês não são muito fãs de spoilers, né? Então deixa quieto. 

A Christina Ricci faz um papel extraordinário na pele desta personagem. Atuação muito boa mesmo. Ela não sai do salto nem quando o sangue espirra no vestido maravilhoso da época. Muitas vezes nem pisca quando enfia a faca no pescoço de alguém. Tão fria e tão "nem aí" quanto uma pedra de gelo. Confesso que lá para o final, Emma, também me surpreende muito. Cole Hauser também faz um papel maravilhoso como Siringo. As reviravoltas que os episódios dão, são muito boas. E algumas mortes são "deliciosas" de ver, hahaha. 

Eu baixei todos os episódios no "meu" site de download de séries preferido, o Series TVix, por aqui. Confesso que a facilidade em baixar os episódios de qualquer seriado que eu queira, sempre me ganha. Baixem, assistam e venham falar comigo o que acharam. Se esse é seu gênero de seriado, digo a você que você não irá se arrepender. Quem adora estudar "mentes" desse grau da Lizzie Borden, vai adorar analisá-la.

Esta minissérie é um drama recheado com suspense. Cada episódio dura em média pouco mais de quarenta minutos e tem tudo dentro do que manda o bom figurino. Elenco, cenário, ano em que se passa a história, climatização e ambientação, efeitos "especiais" e atuações tudo muito bem encaixado com um roteiro de dar inveja a qualquer produtor. Só acho que essa minissérie ainda vai dar o que falar. E como está bem atual e recente ainda, lançada ainda esse ano, creio que vai atingir um número de telespectadores bem maior do que já alcançou. 


E confesso de novo: não precisou de nenhum toque sobrenatural - como pensei que iria ter de início - para a história se desenrolar de maneira espectral. Recomendo muitíssimo esse "mini" seriado e espero que não acabe por aqui os episódios. O final achei um deboche com o que aconteceu com a Lizzie. Querem saber como terminou? Podem começar a assistir o primeiro episódio hoje. 

Alguém aqui já assistiu essa maravilha? Se sim, vamos conversar sobre! Os spoilers estão liberados nos comentários, hahahaha. Se você ainda não assistiu, não sei o que está esperando. Mude essa situação já! Grande beijo para vocês!
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

4 comentários:

  1. Olá!
    Adorei o post, adoro muito conhecer novas séries, mas isso é muito perigoso pra mim pois eu me vicio nelas muito rápido.
    Gostei muito da premissa da série.
    Já estou seguindo o blog, gostaria que pudesse retribuir
    Beijos, Tabatha
    http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa série/minissérie é uma delícia! Claro que irei retribuir, obrigado pela linda visita, grande beijo!

      Excluir
  2. Oi Ewerton descreveste muito bem este seriado e que bom que gostas. Já não faz meu genero , sou romântica e valorizo muito a vida, e me choco com personagens que não a valorizam. Mas ainda bem que tem gostos variados e filmes e seriadops para contentar gregos e troianos...
    Boa semana. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste de como descrevi, Lia querida! Eu gosto de tudo um pouco, o bom é que em temáticas assim (sejam livros, filmes ou seriados) eu analiso muito essas mentes perturbadas e não muito as mortes em si, também não tenho prazer em esse tipo de enfoque. Minha reverência à vida não permite. O bom de tudo isso é essa diversidade de gostos.

      Obrigado pela presença maravilhosa aqui, muita luz e uma semana abençoada!

      Ewerton Lenildo - Viajante das Letras - viajantedasletras.blogspot.com <3

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.