26 de junho de 2015

{Filme} A Perseguição, de Joe Carnahan

Nome: The Grey (A Perseguição);
Data de lançamento: 20 de Abril de 2012 (Aqui no Brasil);
Direção e roteiro: Joe Carnahan
Gênero: Ação, drama; 
Duração: 117 minutos;
Alguns nomes do elenco: Dermot Mulroney, Joe Anderson, Anne Openshaw, Liam Neeson, Nonso Anozie, Frank Grillo, Dallas Roberts, entre outros.


Sinopse: No Alasca, uma equipe de perfuração de petróleo luta para sobreviver depois de um acidente de avião. Caçando os seres humanos há um bando de lobos que os vê como intrusos.



Olá leitores queridos, como estão? Trago a resenha de um filme que sem tantas expectativas fui assistir e posso dizer que não me arrependi. Não li sinopse, resenhas ou li qualquer informação sobre o filme antes de assisti-lo. Fui pela capa para ver se captava a mensagem do filme e se causava algum impacto em mim. O filme é The Grey (A Perseguição), dirigido por Joe Carnahan. Vamos às minhas observâncias. 

A trama tem início com memórias pessoais do personagem Ottway (Liam Neeson) e sua imensa saudade de um alguém muito próximo, mas que agora só vive em seus sonhos mais lindos. Ele pensa em fazer uma bobagem, mas não o faz. Algo que nos é revelado perto do final do filme em determinada conversa. Ele e um grupo de homens, alguns amigos entre si, outros sem muitas amizades, estão numa viagem, onde o avião em que eles estavam, cai no meio do gelo e num ponto no meio do nada, no Alasca. À noite são surpreendidos por feras peludas se alimentando de alguns corpos do acidente. Os que sobreviveram à queda correm para afastar o animal do corpo sem vida e os consegue espantar. Por hora. A partir disto começa uma luta frenética pela sobrevivência. Busca por alimentos, tentativas de se aquecerem um frio abaixo de zero e muita resistência a penhascos, florestas sombrias e o pior inimigo de todos: o medo. 

Muito nos é dado de informações de como são os lobos. Eles são animais comuns, mas que são mais perigosos que muitos seres sobrenaturais por aí. Os lobos são muito bem organizados e sua matilha bem estruturada. São animais que nos surpreendem com sua audácia, ferocidade e paciência agoniante. Há uma amostra dos reais estados em que o homem pode ficar e se portar quando acontece algo desta magnitude e quando se sobrevive. Uns indagam a Deus, outros nem acreditam nEle. Outros relembram de suas famílias e ente queridos na vaga esperança de que vão sobreviver e reencontrá-los. É aquela típica cena cruel de tragédia. Ao contrário do que muitos disseram (quando li alguns comentários pós-filme), para mim o filme expôs o suspense que prometeu. Teve suspense, terror para quem se abala fácil e aquela sensação vazia (não de um jeito ruim ou sem sentido e sim, vazia de esperança de alguns personagens) ao longo de todo o filme. 


A paisagem daquele lugar... que paisagem esplendorosa! Um cenário 95% branco, tempestade fria, tempo "escuro" e tendencioso à depressão (e com razão). Floresta mórbida e sem aparente salvação para os que se perdem nela. Um local cheio de perigos, silêncio mortal e feras caçadoras no escuro à espreita, só esperando um vacilo, uma indisposição por parte da caça. A qualidade da imagem é maravilhosa, fiquei pensando em como é aquele lugar ao vivo e à cores. Fico até animado só de pensar. 

Há sempre aquele "líder" que se forma e acaba comandando todos para tentarem sobreviver por mais tempo. E sempre há aqueles que são os esquentados do pedaço e não querem obedecer a nenhum outro parceiro. Não achei que ficou nenhuma ponta solta pois o final e algumas cenas, fica a nosso critério imaginar o que pode ter acontecido. É um pouco irritante se deparar com uma cena "sem continuação", porém a mágica disto, é que não achei nada incompleto ou sem final, como muitos filmes por aí mostram. 


É um filme um pouco longo para alguns, mas que vale a pena assistir. Quem gosta do ambiente frio, desse tipo de situação de sobrevivência, vai adorar. Não posso relatar muito do que realmente acontece nas cenas específicas do filme, senão vou acabar revelando algum spoiler, hahahaha, não tem tanto o que dizer, o filme não é cheio de reviravoltas, nem surpresas gritantes. Mas é recomendado.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Já vi esse filme mas não gostei muito não, e pra mim o final ficou muito em aberto, mas enfim, isso é a opinião pessoal de cada um.

    Aguardandoocamaleao.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, não fui muito fã do final também não, mas achei interessante a abordagem e como se desenrolou a trama, por isso recomendo para quem gosta do gênero, rs. Obrigado pelo comentário minha flor, grande abraço! Volta sempre.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.