28 de junho de 2015

Postura de leitura. O que isso significa?



Nos últimos três dias estive – e estou – sinceramente incomodado. Não com ninguém e sim comigo mesmo. Mais especificamente com as minhas costas. Ela não para de doer, minha coluna ficou insuportável e meus músculos retraídos. Ainda não procurei ajuda medica porque creio ser apenas mal posicionamento e por não ter ido à academia nesse feriado

Talvez pela postura no computador, movimentos bruscos ou simplesmente meu “qualquer jeito de ler”. Fico "esticado" e pendurado (literalmente) entre a cama e a cadeira. Fico metade do corpo na cadeira e metade na cama, hahaha. Leio tão bizarramente esparramado que tenho até sigilo de comentar com vocês. Mas como sei que vocês pouco se interessam pela maneira que eu leio, vou direto ao ponto. Acho que isso me deu uma tremenda dor nas costas. Sou daqueles que em vinte minutos já trocou de posição de leitura umas quinhentas vezes.

Pensei nisso e ainda estou dolorido enquanto escrevo esse post para vocês. Vergonhoso, talvez? Descuido? Mais provável. Só sei que esse pode ser um mal que acompanhe muitos blogueiros, amigos e leitores. Ultimamente nesse feriados que estão rolando aqui no Nordeste tenho lido muito e consequentemente muito tempo deitado em péssima posição, rs. 


Você neste momento está com alguma dor causada pelo simples fato da sua posição de leitura? Se sim, então compartilhamos essa dor. Estou tendo uma postura mais ereta e de fato estou melhorando e menos incomodado. Ainda assim resmungão, parecendo um idoso. Não me orgulho, mas também não me arrependo. Ainda estou na memoria com detalhes do delicioso livro que me fez ficar pendurado na cama. É paixão. Agora eu sei o que é amor. (risos) 

Mas tomando um ar mais simplório, vamos falar sobre isso. O post depois das minhas divagações tornou-se curtinho. Tenho algumas perguntas para vocês. Leiam e respondam com atenção, por favor. Tem também a questão de postura não só de leitura, mas também nos estudos, mas isso é algo para outro post senão eu falaria por horas, hahaha.

Vocês já sofreram com a coluna, com dor nas costas, pelo mal posicionamento que aquela leitura lhe deu? Você partilha desse mesmo mal que eu? Por mais que eu me exercite parece que não tem remédio, hahaha. Você tem horas que pensa que levou uma surra por amor à leitura do seu livro digno? Vamos falar sobre isso. Conte-me alguma experiência com alguém conhecido seu. Adoraria poder ler. Foi um assunto que me veio a mente e quis compartilhar com vocês na maior simplicidade e tentativa de sarcasmo mínimo possível. Grande beijo/abraço.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.