28 de junho de 2015

Sebos. Por que se aventurar neles?


Esses dias estive e estou com uma vontade maluca de visitar novos sebos. Parece bobagem, mas faz anos desde que fui ao meu ultimo. Preciso adentrar naquela atmosfera limpa e empoeirada, desorganizada e organizada, atraente. Um dos meus fatores favoritos para visitar sebos são seus belos livros conservados por preços bem baratinhos. Coleções raras. Animes e mangás completos. Enciclopédias não tão salgadas assim. Creio que esse é o principal (veja bem, não o único) que mais atrai pessoas a sebos.

Existem sebos de diversos tamanhos, localizados nos mais diversos becos, estreitos e lugares. Aqui em Recife mesmo (isso me dá a ideia de qualquer dia fazer um post com fotos e vídeos mostrando os sebos do centro do Recife, “tour” pelos sebos recifenses, já fico animado!) existem diversos sebos, mas não gosto muito, pois grande parte tem preços bem salgados. Mas isso com uma conversinha e pechincha de vendedor, se consegue preços bem legais. Fico devendo esse tipo de post para vocês.

Sebos virtuais também são boas pedidas. É sempre bom aventurar-se neles. Claro, que como em toda compra virtual há aquele medo do produto não vir, vir quebrado, etc. aquela burocracia toda. Mas como tudo na vida, é um risco a se correr para fugir dos preços agoniantes. Comprei em diversos pelo Estante Virtual e só tive problemas com compra uma vez. Existem sebos para lá de confiáveis e que valem a pena a compra. Eu era novo em compras e não olhei direito o vendedor, por isso deu erros. Algo que hoje em dia não ocorre. Por isso vale a pena. Com frente, existem livros que ficam um absurdo de baratos. Vale a pena.

Sebos virtuais, sebos presenciais. Sebo é bom em tudo. Sempre incentivo a comprar neles. Muitos livros bem conservados, novos, bem cuidados. E o melhor de tudo: bem mais baratos que os preços do mercado e de livrarias aonde, venhamos e convenhamos, só possuem fachadas de boniteza. Raramente encontramos livros desejados sem precisarmos cogitar a ideia de vender algum familiar para poder obter o dinheiro. Enquanto compramos apenas um livro em livraria, podemos comprar dois, três ou mais em sebos. Considere essa ideia. Nos sebos virtuais mesmo, tem vezes que compro livros com o frete quase o mesmo preço do livro, porém se eu fosse na livraria pagaria ainda mais.

Vocês costumam comprar em sebos? Sejam eles virtuais ou presenciais? Qual foi a ultima vez que vocês visitaram algum sebo perto ou longe de casa? Gostam dos preços dos livros e da conservação dos mesmos? Vamos falar sobre isso. <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.