17 de julho de 2015

Bibliotecas: um espaço de todos e que precisa de bastantes cuidados

Quem nunca quis uma biblioteca particular para estudar, ler, fazer determinadas atividades sem que haja interrupções e barulhos incomodadores? Ou ao menos um lugar para que se possa ter um pouco de paz num lugar tão barulhento que são as cidades? Todos queremos lugares para que possamos “fugir” por algumas horas da realidade estressante e caótica da sociedade.

Hoje em dia bibliotecas se tornam verdadeiros santuários da paz para quem precisa de absoluto silêncio. Um ambiente sonoramente silencioso, sem música ou com música estritamente baixinha. Justo.

Mas venhamos e convenhamos que se fosse do alcance de todos, todo mundo teria uma biblioteca particular e bem organizada para seu deleite. Uma biblioteca já é linda por si só, por apenas conservar ali em seu ambiente estantes e mais estantes de livros. Uma pena que todas as bibliotecas não são tão lindas no sentido de estética. Mas as vezes é tudo percepção no olhar.

Infelizmente, no Brasil posso dizer bibliotecas assim como as escolas, nunca são vistas como algo além pelos nossos superiores. Todos queriam (inclusive eu) ter uma biblioteca esplêndida, com milhares de tuneis e escadas, uma verdadeira biblioteca de ficção, mas infelizmente possuímos ainda uma estrutura lamentável no que se diz respeito à educação. Apesar de alguns avanços, meritocracia é um tema delicado nesse meio. Não vou entrar nesses termos.

Não quero falar nada a mais, nem entrar em parâmetros governamentais, só acho que deveríamos ter bibliotecas fenomenais, pois temos acervos fenomenais e alunos brilhantes. E até por que a literatura brasileira e estrangeira cresceu muito no nosso país nos últimos anos. Nossa rede de bibliotecas não está ainda no padrão aceitável pela população.

Muitas vezes precisamos ir a lugares lotados de lanchonetes e cafeterias para conseguirmos um pouco de serenidade numa mesa reservada no canto de um estabelecimento. Não convivo com quase nenhuma biblioteca publica ou não, perto da minha casa. O que é uma vergonha sendo que moro numa das maiores capitais do nordeste do nosso país. Estrutura das que tem, deploráveis.

Queria ter um espaço biblioteca no qual eu tivesse quase nenhum déficit, seja ele em composição de acervo ou principalmente estrutural. Que fosse um ambiente bem agradável. E melhor de tudo: acessível a todos com uma organização impecável.

Queria que o profissional biblioteconômico recebesse mais atenção e prestigio de nossa sociedade. Fazer o curso superior em biblioteconomia é uma tarefa árdua e para quem tem amor aos livros, amor à organização, amor às letras. Nem sempre esses profissionais possuem estrutura digna para trabalho, pois as bibliotecas que ainda são escassas, nunca sofrem de melhorias e estão cada vez mais descuidadas.
Recentemente (essa semana) visitei uma biblioteca no interior de Pernambuco chamado Venturosa onde me admirei com a organização local da mulher que cuidava do ambiente. Tinha livros realmente muito bons e coleções históricas raras. Fiquei encantado. Aqui em Recife, mais precisamente em Jaboatão, ainda não encontrei uma biblioteca da qual eu tenha orgulho de visitar sempre. Ai a situação complica. É onde moro. Espero que em breve surja algo maravilhoso que a população leitora tanto almeja.

O que vocês me dizem? Gostariam de ter mais bibliotecas perto de suas casas? Bibliotecas com acervos maiores e mais detalhados, com uma estrutura organizacional e estética exemplar? Ótima para passar o dia se for preciso? Vamos falar sobre isso, adoraria saber a opinião de vocês e sobre as bibliotecas que vocês já puderam visitar. Grande abraço.

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.