17 de julho de 2015

Literatura e cinema nem sempre andam juntos

Olá queridos leitores. Parei para pensar esses dias em algo interessante e que todo bom leitor conhece. A leitura e o cinema nem sempre andam de mãos dadas. Como é de praxe, é natural que nós leitores queiramos a adaptação cinematográfica ao menos semelhante ao livro que lemos. É ai que está. Nem sempre, ou quase nunca, vemos essa adaptação ao pé da letra acontecer. Fazendo-nos assim odiar o filme (se vermos depois de lermos o livro) ou o livro (se assistirmos o filme antes de lermos o livro).

No fim das contas posso contar nos dedos as adaptações que levaram a sério o livro como roteiro de filmagem. Aqui é uma opinião pessoal minha: queria eu, que TODOS os filmes que eu visse, fossem adaptados FIELMENTE ao livro no desenvolvimento de sua trama, personagens, etc. Tenho atitudes infantis e confesso que fico birrento quando esse tipo de adaptação não ocorre. Se brincar algumas sátiras são mais adaptadas do que os filmes em si às obras. É cruel. É difícil ser feliz assim.

Mas enfim, eu poderia citar bilhões e bilhões de filmes que não foram adaptados de maneira à risca e somente inspirados. Atirando assim a obra ao fogo sem dó. Pior mesmo, ou melhor, decepção mesmo é ver uma obra no cinema, achar espetacular e quando ver o roteiro base (no caso o livro) se deparar com uma historia totalmente macabra e diferente e acabar odiando o livro (Dá uma pena odiar um livro, vocês sabem). Por isso torna-se importante a leitura, se possível, antes da visagem das adaptações. Não vou citar diretores, autores e nem obras em geral para retratar meu ponto de vista. Creio que vocês já entenderam onde quis chegar.

Mesmo sabendo que filmes e livros são mídias completamente diferentes e inovadoras e independentes entre si, não consigo não querer - como disse logo acima - que o livro seja fielmente baseado e desenvolvido no filme. É complicado. Talvez teríamos mais filmes de três horas de duração, porém muito mais bem feitos. Sonho.

Como vocês lidam com as adaptações em que o livro ganha de longe em quesitos de história e trama de desenvolvimento? E como vocês reagem àqueles filmes que "destroem" a narrativa do livro? O que acham dessas adaptações que não condizem com a obra base? Com o livro inspirado? O que fazer quando a literatura e o cinema não andam de mãos dadas para um final feliz? Quantas vezes vocês já tiveram decepções por conta da adaptação ser infiel à obra? Vamos falar sobre isso.

É realmente um assunto que incomoda desde sempre devotos leitores e provoca tic tic nervoso (principalmente em mim, que ajo de maneira inapropriada e sem estribeiras). Lindo dia para nós!
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.