12 de julho de 2015

O vício virtual nos dias atuais. Leitura reduzida.


Olá meus queridos leitores e amigos, venho com uma questão que eu estava pensando muito esses dias. Trata-se do mundo tecnológico de hoje e como isso afeta a leitura nossa de cada dia.
 
Tudo bem que não podemos passar o dia todo lendo (por mais que quiséssemos) pois existem muitos afazeres, sejam eles arrumar o lugar em que se vive, estudar fora, trabalhar integralmente, sem contar os afazeres básicos e necessários de cada um e os cuidados com seu próprio corpo. 
Pouco tempo sobra para a leitura. Porém, essa geração meio que ficou “corrompida” pelos meios tecnológicos. Não me entendam mal, ADORO tecnologia e sem ela penso que ficaria um tanto complicado viver. Mas o contra é quando acessá-la torna-se algo compulsivo, em poucas palavras, atrapalha-nos a leitura e as demais atividades diárias. É preciso ter equilíbrio.
 
Não vou dizer – ou tentar passar uma imagem perfeita – de que se deve largar a internet viciante e focar somente nas leituras, etc. longe disso. O mundo virtual, quando usado para algo importante, é uma poderosa ferramenta. 
Só que ultimamente, não só eu mas como muitos que conheço, têm deixado de lado os livros, as atividades “mais importantes” de lado para acessar bobagens que nada acrescentam. Várias vezes ao dia. O interessante parece ser, ou melhor, estar conectado no mínimo vinte horas por dia. Cada um faz o que quer com seu tempo, isso é fato. Mas não seria mais interessante mesmo online querer algo mais cultural, ou até mesmo ir ler um livro quando nada mais se faz além de mexer nas redes sociais, por exemplo?
 
É preciso policiamento próprio cada vez mais preciso. Pois quando menos percebemos o tempo que deveria ter sido gasto com leitura, foi desperdiçado com coisas banais. Coisas virtuais banais. Conversas muitas vezes improdutivas. É preciso focar, mesmo gostando tanto de “perder tempo”. 
O virtual têm prejudicado muitas leituras, tornando o hábito de ler uma coisa chata e marcada pela errônea frase: “Não leio porque não tenho tempo. Só digo verdades.” Quão absurda essa frase soa? E é uma frase comum, infelizmente. Não tem tempo para ler ou não tem a leitura como prioridade? Precisamos nos avaliar. Não podemos generalizar em nada na vida. Foco é primordial.
 
Como já abordei em diversos posts aqui do blog, não falta tempo para ler, falta simplesmente organização e priorização. E isso implica organização das leituras sim. Até andando pode-se ler como disse no post de ontem. Antes de dormir um paragrafo não mata ninguém. Uma frase por dia não cega ninguém. Então porque essa desculpa se torna frequente? É um habito tão feio falar o que não se passa. Não seria mais lindo dizer: “De fato não li porque tive preguiça.” Acho bem mais lindo – e digno. A verdade realmente cabe em todo lugar.
 
Estava lendo algumas matérias mês passado sobre gestão de tempo e redes sociais. É incrível as horas diárias que torramos em redes sociais e joguinhos de celular. Tempo que poderia facilmente ser investido em algo um pouco mais produtivo. Entra a questão do equilíbrio e da sabedoria com o nosso precioso e intransferível tempo. Aproveitemos nossas horas, pois o tempo é igual para todos! A distribuição do mesmo é que faz a diferença.
Mas para não sair do tema central do post, era isso o que eu queria conversar com vocês. Os vícios banais de hoje em dia estão – infelizmente, porque nós deixamos – meio que de certa forma, prejudicando, nossas leituras deliciosas diárias. Mudemos isso!
Então pergunto: O vicio virtual atual tem prejudicado suas leituras? Como você divide o tempo para leitura e internet andarem de mãos dadas? Já deixou de ler por preguiça para ficar navegando na rede ou no facebook, twitter e demais redes? Vamos falar sobre, adoraria sabe a linda opinião de vocês! 
Um ótimo dia.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.