26 de agosto de 2015

Dia do controle da Poluição Industrial


Queridos leitores, tudo em paz com vocês? Venho conversar com vocês no post de hoje um assunto que é de vital importância no cenário global e que deveria ter importância destacada nas famílias de todo o planeta. Dia 14 de agosto aconteceu o Dia do controle da Poluição Industrial e mais tarde, no caso hoje, o Dia do controle da Poluição Ambiental. Como os dois temas estão intimamente ligados, vamos conversar um pouco sobre eles. 

Como bem sabemos (ou pelo menos quem estudou os seus queridinhos livros de história) desde a Revolução Industrial e as diversas transformações pelo qual o mundo passou por volta do século XIX, inúmeras industrias começaram a surgir e muito da produção em massa estreou num ritmo acelerado. Com o crescimento populacional nos últimos séculos, produziu-se cada vez mais e para mais finalidades "necessárias". 

Entretanto, o que não se viu foi um controle de danos ao meio ambiente. Isso não houve. O meio hídrico, solo, atmosfera, meio sonoro, térmico, entre outros existentes foram e continuam constantemente sendo bombardeados. Sabe aquele tipo de absurdo que algumas industrias fazem que você fica até sem saber como retaliar? Pois é. Existem muito disso. 

O lixo tóxico produzido por diversas marcas e industrias é fora do comum. Não querem investir em educação ambiental, muito menos em sustentabilidade viável porque não querem aumentar seus gastos, procuram a todo custo aumentar seu capital e ter mão de obra barata, pois pensa-se que assim se produz mais, gastando menos. Apenas se esquecem que se não derem proteção e atenção ao meio ambiente, em breve não terá planeta e se não há planeta não há lucro. 

A contaminação industrial é uma das maiores causadoras da poluição atmosférica, por exemplo. O ar que respiramos nas grandes cidades e capitais de nosso país é de cortar qualquer pulmão. Muitos pesticidas são lançados no solo por algumas industrias e isto deixa aquele solo impróprio para a criação de vida ou plantações. É um verdadeiro ritual da morte.

Há um tempo algumas coisas vêm mudando, como a política de algumas empresas pressionadas por órgãos voltados à causa do meio ambiente, para lidarem com estas questões. Quando exigidos, passam um tempo para se adequar às novas normas e dão sua contribuição produzindo e preservando o meio ambiente. 

Ter responsabilidade ambiental vai além de não jogar lixo na rua, não usar sacolas plásticas no lixo doméstico ou economizar a água do banho. Claro que isto é de suma importância e todos têm o DEVER de praticar esta economia maravilhosa, porém, ter responsabilidade ambiental é também conscientizar os outros da importância de lutar por consumir produtos de empresas que valorizam o meio ambiente, que lutam pela regeneração do planeta mais bonito e azul da galáxia. 

Contribuir com ONGs que vivem de doações, ser um ativista da causa do meio ambiente, preservar cada pedacinho de solo conhecido, plantar árvores para restabelecer o equilíbrio ecológico são ações louváveis. 

Prestar atenção no consumismo que temos, no comércio que alimentamos é deveras importante! Pela lógica, quando se reduz o consumo, reduz-se a demanda e consequentemente se reduz a fabricação. Na maioria dos casos as industrias não visam perda de estoque e sim aproveitamento máximo de cada mercado. Consuma menos, adquira mais o hábito de ser minimalista e consumir o necessário. Ter o essencial.

Eu poderia ficar conversando por horas e horas com vocês aqui, mas sabemos muito bem nossas responsabilidades para com o meio ambiente e a convivência harmoniosa com nossa amada natureza. Este dia serve para nos lembrar de como estas questões de poluição ambiental nas industrias não são coisas do passado. Devemos ficar de olho, principalmente de acordo com a legislação, no que podemos fazer para barrar os danos diários ao meio ambiente. Estudemos mais e mais, pois o assunto é além de amplo. 

Que esta data nos mantenha sempre alertas e abertos ao diálogo sobre estas questões da industria e seu impacto no meio ambiente. Sustentabilidade e poluição industrial é assunto de todos! Uma dia abençoado de verde para vocês amados.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.