14 de setembro de 2015

{FILME} Olga - Uma verdadeira marca de sangue

Semelhança demais!

Olá meus queridos, tudo bem com vocês? Hoje vim conversar um pouco com vocês sobre um filme nacional que sempre me deixa tocado quando assisto e sempre gostei muito. Assisti mais de quatro vezes e assisto sempre que posso. Um favorito mesmo. Um pedacinho breve da história da maravilhosa Olga Benário Prestes interpretada pela fabulosa atriz Camila Morgado


Pela sinopse: "Berlim, início do século XX. Olga Benário (Camila Morgado) é uma jovem judia alemã. Militante comunista, é perseguida pela polícia e foge para Moscou, onde recebe treinamento militar e é encarregada de acompanhar Luís Carlos Prestes (Caco Ciocler) de volta ao Brasil. Na viagem, enquanto planejam a Intentona Comunista contra o presidente Getúlio Vargas, os dois acabam apaixonando-se. Parceiros na vida e na política, Olga e Prestes terão de lutar pelo amor, pelo comunismo e, principalmente, pela sobrevivência."

Olga era uma judia, alemã e comunista que depois de muitas perseguições vai para Moscou e lá recebe treinamento militar para combater as "injustiças do mundo" seja contra algum governo ou contra qualquer força opressora que cala as vozes de milhões. 

Em uma missão, Olga é encarregada de acompanhar e proteger Luís Carlos Prestes, interpretado por Caco Ciocler, na liderança de uma força chamada Intentona Comunista de 1935, mas os dois acabam se apaixonando nesta viagem de missão ao Brasil. 

Saibam um pouco mais sobre a história de Olga Benário: 


"Olga Benário nasceu em uma família judia em Munique na Alemanha no dia 12 de fevereiro de 1908. Seu pai Leo Benário era um advogado social democrata e sua mãe Eugénie era uma dama da alta sociedade que não apoiava as idéias revolucionárias da filha. Em 1923, aos 15 anos, Olga entrou para o partido comunista. Em 1926 foi presa por traição e libertada poucas semanas depois. Em 1928 liderou uma missão no Tribunal de Justiça para libertar seu companheiro Otto Braun, comunista e revolucionário que havia sido sentenciado à prisão de Berlin-Moabit. Em 1934 Olga foi designada para uma missão cujo objetivo era levar em segurança ao Brasil o líder comunista Luís Carlos Prestes. Ambos deveriam se passar por marido e mulher para ajudar no disfarce. Durante a viagem Olga e Prestes se apaixonaram. Devido a influência comunista de Prestes, e da popularidade proveniente da Coluna Prestes, Getúlio Vargas, durante o governo provisório, desenvolveu uma lei de segurança que permitia prender todos aqueles que se opusessem ao governo. Prestes liderou a Aliança Nacional Libertadora acreditando que, tal como a Coluna Prestes, militares, tenentes e comunistas o apoiariam em uma frente política revolucionária comunista, de caráter antifascista e anti-imperialista. O movimento de Prestes se colocava em oposição ao integralismo e a filosofia fascista do governo Vargas, e pretendia a revolução com o apoio da URSS. Este movimento ficou conhecido como Intentona Comunista. Com o fracasso da revolução, Olga e Prestes foram presos e separados. Grávida de Prestes, Olga travou uma batalha contra o governo para ter sua filha no Brasil e não ser deportada para Alemanha nazista, devido ao fato de ser judia. Como uma vingança pessoal de Vargas e Filinto Müller contra Prestes, Olga foi deportada para a Alemanha. Na madrugada de 27 de novembro de 1936, nasceu Anita Leocádia, a filha de Olga e Prestes. Leocádia, mãe de Prestes, fazia uma grande campanha na Europa pela liberdade de Prestes, Olga e Anita. Devido a esta campanha em favor dos direitos humanos, Olga pode ficar com a filha até não poder mais amamentá-la. Quando Anita completou 14 meses foi retirada de Olga, e a avó obteve a guarda da neta. Porém, Olga inicialmente acreditava que Anita poderia ter sido levada pelos nazistas, e só ficou sabendo tempos depois que Anita estava a salvo. Em 1938 Olga foi levada para o campo de concentração de Lichtenburg, e em 1939 para Ravensbrück, o único campo feminino. Em fevereiro de 1942, Olga foi executada na câmara de gás com mais de 200 prisioneiros no campo de Bernburg. Texto escrito pelo aluno Gustavo Mediros."

Para nós termos uma noção do quanto esta mulher lutou pela vida e pelo o que acreditava. O filme Olga não teve boas críticas. Mas na minha opinião, é um dos melhores filmes da bilheteria nacional, sinceramente. Teve sim um foco no romance e não tanto foco no período histórico, porém, tudo foi muito bem encaixado e a atuação dos personagens foi de bater palmas. 


O filme foi lançado no dia 20 de Agosto de 2004, que tem uma duração média de pouco mais de duas horas e, teve como diretor o esplêndido Jayme Monjardim. O filme traz na dura a força da mulher, o regime doentio de absolutistas fascistas e a lição de como nunca devemos perder as esperanças de um futuro melhor.
Traz a inspiração de que sempre devemos lutar por aquilo em que acreditamos e nunca deixar isto de lado. Sempre, até o fim, ser forte e irrelutante quando se trata de desistir. Vemos que muitos no caminho se perdem, mas quem fica firme e forte, mantêm firme seus ideais.

Não vou contar como termina o filme, mesmo sendo um final baseado em fatos reais e a história ser muito conhecida. Mas posso dizer que ela (Olga) fecha o filme com estas exatas palavras: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo". Lágrimas enchem os olhos quando penso nestas palavras e no sofrimento desta mulher. Guerreira memorável. Como dizem muitos, "Viva Olga Benário Prestes! Sempre presente na caminhada!". Você merece, óh honrável militante. Presto aqui minha homenagem onde quer que você esteja.

Vocês já assistiram este filme? Já sabiam da história desta mulher? Abraços de luta.

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.