29 de outubro de 2015

Eu preciso me inscrever em toda nova rede social do momento?


Constantemente vemos novas redes sociais surgindo e se popularizando como se fosse ouro em pó dado de livre e espontânea vontade. Se inscrever nesta rede social e começar a postar pode ser tida como a corrida do ouro. Aí vem a indagação: será MESMO que eu preciso me inscrever em toda nova rede social do momento? E é sobre isto que quero refletir com vocês hoje. Comecemos.

O que vejo de perfis amontanhados da mesma pessoa, muitas vezes vários perfis da mesma pessoa na mesma rede social, não é brincadeira. Conheço gente que tem três perfis no facebook e tem tendências a ter mais dois. Não estou exagerando, parece absurdo, não é? Ou esta pessoa tem vários perfis para várias ocasiões ou nunca lembra uma senha e nunca consegue recuperar uma conta. Todos os perfis mal administrados e criando teias de aranhas.

Me pergunto qual o real sentido de ter tantas redes sociais e muitas iguais dentro da mesma plataforma. Como muitos de vocês sabem, atualmente minhas redes sociais pessoais são o Instagram e o Whatsapp. Somente. Quem quiser entrar em contato comigo basta mandar um direct no instagram ou ter meu número e me ligar, ou me mandar uma mensagem. Não me isolei do mundo, simplesmente me isolei da maioria das redes sociais. Tirei o Facebook pessoal essa semana depois de uma varredura minha e de ter executado umas ações que eu já estava planejando faz um tempinho. 

O que posso dizer? Estou leve! Por ter tirado uma rede social, por ter tirado um Facebook badalado? SIM! Muito leve. Muitos me perguntaram o porquê e a resposta foi clara da minha parte: simplesmente quero desintoxicar e viver mais em off. Sem precisar ficar postando tudo que faço na minha vida pessoal, sem precisar ficar online toda hora curtindo e sabendo de tudo da vida dos outros, sem precisar fazer das minhas redes sociais um trabalho ao invés de um lazer. 

Posto com muita frequência nas redes sociais do blog, que foram as únicas a qual eu me dispus em administrar com mais garra, mas nada fora do comum. Nada de ficar o dia todo perdendo mais tempo do que produzindo. Se não, eu sai de uma "prisão", para adentrar em outra. Atualmente há o Facebook do blog (Página e perfil), Instagram, Twitter, Pinterest, Google plus, EyeEm e Tumblr. Ativas. As outras redes sociais são sobre filmes, listas, seriados e livros. Não entram aqui, são mais para eu ter um controle do que vejo, assisto e leio. 

Conheço pessoas que tem contas em TODAS as redes sociais que eu conheço e várias desconhecidas para mim. Tenho uma amiga mesmo que deixa trocentos perfis às moscas e só utiliza duas redes sociais de verdade. Todos os dias. O que não me deixa parar de pensar em como - parece ter - uma necessidade coletiva de não desapegar. Não sei bem o que se passa, mas ao que parece, a maioria das pessoas sente um sentimento muito negativo quando pensa em se desfazer de alguma rede social, por menor que ela seja. 

Quando eu fui tirar minhas redes sociais pessoais e algumas do blog, me deu uma pontadinha de aflição em apertar o botão "delete", mas nada fora do comum. Planejei muito bem para nadar, nadar e morrer na praia. Ou eu exclua de vez ou não. Faz parte. Quem se preocupa com sua estadia online neste vasto mundo da internet pensa muito bem antes de colocar seu nome e seus dados em uma nova rede social. 

Eu tinha o Snapchat, dominava e tudo mais, mas quase nunca postava e quando eu já estava viciado (pois vicia e muito) eu não queria ter o compromisso de ficar toda hora conectado à internet mostrando o que eu estava fazendo cada minuto do meu dia. Apaguei minha conta com uma dor no coração. Eu usava somente para acompanhar alguns snaps, mas vi que se eu não fosse usar aquela rede social em sua totalidade não teria pra quê tê-la. 

Minha dica é: não se inscreva em toda nova rede social do momento que aparecer. Seus dados quando entram na internet, por alguma razão dita misteriosa, tendem a não sair nunca mais e para tirá-los por mais que você apague tudo, é um sufoco. Muito cuidado! Vai até estrear um filme de terror falando a cerca de internet e redes sociais e já quero muito assistir. Esse tipo de "show" me lembra muito o porquê de eu querer meio que sumir mais da web. Hoje em dia quase todo mundo tem acesso à rede, seja com um Wifi, com um 2, 3, 4G, pacotes de redes sociais, etc. Fora as queridinhas lanhouses que ainda existem para quem não tem celular com acesso a internet ou computador em casa. 

Então meio que, você estará 24 horas exposto, a qualquer hora do dia para qualquer pessoa do mundo ver. Por mais que você use os mecanismos de privacidade e restrição de informações. Nunca dá para proteger 100% dos seus dados. Basta um convite para a maioria das pessoas e qualquer estranho pode estar na sua rede de amigos. Cuidado! No perfil do blog, por exemplo, onde o fluxo de convites é maior, eu não me identifico. No máximo com um nome. Meu perfil é do blog e é anonimo para mim. Eu não sei quem são as novas pessoas (a maioria) que entra no perfil do blog para ver. Então todo cuidado é pouco. 

Viaje mais e curta mais. Deixe para postar alguma coisa relacionado a sua viagem quando você voltar ou depois que fizer o passeio do dia. Já basta o tempo que dedicamos aos nossos computadores e nossos celulares diariamente. Liberte-se! Principalmente das redes sociais, elas são o motivo da nossa permanência por tanto tempo online. Trabalhar com internet é outra coisa, falo de pessoas que ao invés de estarem com suas famílias, fazendo alguma coisa que as inspira, ficam perdendo o dia todo dando likes e vendo a vida alheia. Perdoem a franqueza. 

O que vocês acham dessas pessoas que a cada nova rede social que surge ela faz uma conta e fica mal administrada? Vocês acham válido fazer uma faxina nas redes sociais e organizar a vida online como fazemos com a vida em off? Vamos conversar! Abração.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.