5 de novembro de 2015

{RESENHA} American Horror Story: Freak Show | 4° temporada



Tudo bem com vocês meus amados? Vim conversar hoje com vocês sobre a quarta temporada de American Horror Story: Freak Show, bem fraquinha no meu conceito, diga-se de passagem. Conversemos. <3


Com a quinta temporada bombando (e eu amando) não posso deixar de falar da quarta temporada deste seriado o qual já tem resenha a primeira, segunda e terceira temporada aqui no blog para finalizar todas as resenhas de todas as temporadas da série até agora. Assisti tudo e quando anunciam uma nova temporada é uma festa para mim. 

Esta temporada envolve muita bizarrice. E quando eu digo muita, é muita MESMO. Esta temporada tem um total de 13 episódios e se desenvolve num circo de aberrações em Júpiter, Flórida em 1950. Conflitos, intrigas, desejos obscuros, segredos e mágoas nunca reveladas permeiam os panos de cada tenda de um dos únicos circos existentes no mundo que ainda lutam para sobreviver.


Há palhaços do mal: <3 (AMO PALHAÇOS ASSASSINOS) e muito suspense macabro nas entradas das tendas. O circo está localizado fora do limite da cidade o que deixa ainda mais apreensão em cada cena. Mato + suspenses + gritos + assassinatos = o negócio ficou muito sério. 

De acordo com a sinopse: "A história começa na pacata cidade de Júpiter, na Flórida, no ano de 1952. Uma trupe circense acaba de chegar à cidade, liderada por Elsa Mars (Jessica Lange), uma mulher que esconde o seu passado de todos. Os membros incluem Ethel Darling (Kathy Bates), a mulher barbada e seu filho Jimmy (Evan Peters), mãos-de-lagosta; o levantador de peso Dell Toledo (Michael Chiklis) e sua atual esposa Desiree (Angela Bassett); e Dot e Bette Tatler (Sarah Paulson), as irmãs siamesas acusadas do assassinato de sua mãe. Aos arredores da cidade estão Twisty (John Carroll Lynch), um palhaço responsável por uma série de mortes; Stanley (Denis O'Hare) e Maggie Esmeralda (Emma Roberts), uma dupla de vigaristas interessados em vender corpos de aberrações; Dandy Mott (Finn Wittrock), um jovem adulto mimado que representa uma ameaça maior do que parece ser; e sua mãe Gloria Mott (Frances Conroy); que fará de tudo para esconder a real natureza assassina do filho."

A sinopse (e enredo) fala bem essa divisão e explicação de personagens. Jessica Lange sempre com ótima interpretação, mesmo com papel tão fraco na minha opinião. Quando eu soube do tema para esta temporada fiquei atônito e bem empolgado pois pensei que os produtores iriam desenvolver algo grandioso e de forma singular. Mas não foi isso que aconteceu. 


Se tem um tema que amo são circos. DEMAIS. As cenas que eram em carrosséis e brinquedos de parques foram minhas preferidas, mesmo tão poucas. No show sempre há aquela magia, independentemente de qualquer desenvolvimento. O papel do personagem mimado me intrigou bastante e lembrei de crianças mal criadas. O que ele é, literalmente, só que com tendências assassinas e psicologicamente explosivas.  

Achei o roteiro fraco e monótomo. A temporada se desenvolveu numa lentidão sem precedentes. Cada episódio algo grandioso poderia ter se desenvolvido mas ficou para lá de arrastada. O papel de muitos poderia ser cortado sem nem ter medo de prejudicar o desenvolvimento da série. Dramas familiares, fetiches sexuais escondidos e toda série de deficiências nos são expostas em cada personagem. 


De tantas críticas, esta temporada foi a que mais foi negativada. Foi a que mais vi poucas pessoas gostando. O final das aberrações também achei sem propósito e sem lógica, poderiam ter tido um final glorioso, mas não foi o que aconteceu. Mais um ponto perdido. Queria algo mais surreal e nada teve, só sujeira. (é spoiler, ou não? hahaha).

Minha recomendação é: se você for assistir, assista sem tantas expectativas. As outras temporadas, na minha humilde opinião, são bem melhores num nível bem mais alto. Tive muitas expectativas e me decepcionei. Não é o que está acontecendo com a quinta temporada que está em andamento agora. American Horror Story: Hotel a cada episódio vem me surpreendendo cada vez mais, espero que não destruam o que de bom já construíram. 

Algumas cenas são épicas como sempre, mas não me fizeram subir o conceito geral da temporada. Tem ainda a qualidade, que é sempre maravilhosa e, os posters que são espetaculares. A temporada estreou aqui no Brasil pela FX Brasil no dia 20 de Janeiro de 2015.


Assistam e me digam o que acharam. Quem aqui já assistiu? Vamos conversar. Abraços! <3
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Oi Ewerton!
    Meu Deus, mais palhaços do cão. Ganhei trauma disso depois de ver Sobrenatural, hoje já não acho eles tão legais D: e tenho meio que uma fobia. Tem um amigo que gosta desse seriado, mas por ser terror não me chama atenção, porque como já deu pra perceber sou uma pessoa extremamente medrosa.

    Abraços
    David
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAHAHA

      Tente vencer esse medo de palhaços assistindo, hehehehe. Se conseguir esta façanha, me diga, rs. Abração!

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.