19 de novembro de 2015

{Resenha} The Originals - 2 temporada


Queridos do meu coração, venho com a resenha da segunda temporada de The Originals para vocês hoje! hehehe Quem quiser conferir o post da resenha e minhas impressões da primeira temporada clique aqui. Tudo bem explicadinho e com muito amor. <3 O seriado está atualmente na sua terceira temporada e eu estou acompanhando de forma atualizada. Enquanto a terceira temporada não finaliza venho com a segunda temporada. Vamos lá? 

Esta segunda temporada é, na minha humilde opinião, mil vezes melhor que a primeira. E olhe que a primeira é maravilhosa. Momentos de tensão, trevas mais obscuras e uma trama familiar mais enraizada surge nesta temporada. 

As bruxas estão em alta. Não sei se eu já comentei com vocês, mas as bruxas, são meus seres sobrenaturais preferidos. E nesta temporada elas estão bem visíveis e extremamente poderosas. Raça antiga e poderosa. Há ainda, mais intensificado, a relação com os lobisomens e tudo isto para tentar proteger a bebê híbrida, Hope. 

Revelações dos passados dos personagens, tramas infundados, conspirações vazias, psicose conflituosa tem de monte nesta temporada. Muitas mágoas não curadas depois de séculos. Há todo um draminha ainda na relação de Davina e Marcel, o que não deixa de ser patético, rs. Fiquei na ansiedade de ver ela comandando tudo logo. Por mim o Marcel não existiria na série, acho o papel dele sem muita lógica. As vezes me irrita o que ele faz. Entretanto reconheço as qualidades do personagem.

Eu tive a impressão que Dahlia, a tia dos vampiros originais, a bruxa mais poderosa do planeta ao que parece, era invencível. Na verdade foi toda uma apreensão em torno dela e do seu poder, mesmo ela sendo extremamente poderosa não achei que ela estava com essa bola toda não. Somente estava ferida por dentro. Pensei que ela ia matar todos e a série ia acabar com a supremacia infinita dela. Desnecessário essa bajulação em cima da personagem.


Confesso que os melhores episódios que eu achei foram justamente com a Dahlia sendo a poderosa indestrutível destruidora de lares. hahahaha Tomara que ela volte em alguma temporada futura, nessas séries tudo é possível. Ninguém morre de verdade. Essa é a lógica de tantas ressuscitações. rs

A cada episódio a gente entra numa marcha da morte, literalmente. Eu só esperava, a cada episódio, o pior. A destruição. A desordem e o caos geral. Agoniante o que os produtores fizeram com os telespectadores nesta temporada. Inebriante e legal ao mesmo tempo. Você fica de mimimi para ver, mas não resiste e tem que ver de todo jeito. hahaha

Eu queria conversa individualmente de cada personagem, principalmente o que aconteceu com Cami nesta temporada, que evolução! Mas não posso entrar em detalhes mais profundos. Só digo uma coisa: os episódios com ela e sobre a família dela são ótimos. Sem comentários. Negros até dizer basta, rs. 

Não posso revelar mais nada. Spoiler vai exalar e pasmem, nada do que eu disse é spoiler. Se eu contasse os detalhes cruéis vocês iriam correr para assistir esta temporada. Recomendo e muito que assistam e não deixem de comentar aqui se algum de vocês já viu. Vamos conversar! \o


Quem quiser fazer uma maratona do seriado, a internet está cheia de sites de downloads com a temporada completa, e se você não gosta de baixar, assista online. Tudo disponível e em ótimos servidores economizando tempo e dinheiro. Caso você goste do seriado e desta temporada, compre o original. <3 

Grande abraço. Vão ver JÁ! 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.