8 de fevereiro de 2016

{RESENHA} Mapas do Acaso – Humberto Gessinger


Olá leitores vorazes, tudo bem com vocês? Espero que sim! Trouxe para vocês a resenha de um livro que li há algum tempo, mas foi uma ótima leitura. Vamos lá.


Nome: Mapas do Acaso – 45 variações sobre um mesmo tema
Autor: Humberto Gessinger
Editora no Brasil: Belas Letras
Número de páginas: 144
ISBN: 978-85-60174-78-2
Lançamento: 2011
Adicione o livro no Skoob: [aqui]

De acordo com a sinopse: "Neste livro, Humberto Gessinger passa o passado a limpo, resgata momentos especiais da sua intimidade desde menino e conta novas velhas histórias dos Engenheiros do Hawaii, nunca antes publicadas. De Passo Fundo a Moscou, passando por "Esparta Alegre", lembranças de um futuro que ele imaginava dão forma a essas linhas conduzidas pelos mapas do acaso. Para saber qualé a dele e da sua poesia, que é pura grandeza a partir de coisas simples, é só embarcar... e seguir viagem..."


Senti-me num furacão de reflexões. O Humberto Gessinger sempre com um toque “filosófico” e exclusivo de ver o mundo, nos expõe a história de sua carreira, sua vida infantil, estudantil, profissional e até espiritual de uma maneira muitas vezes corredeira, mas muito forte.

Ele possui uma personalidade diferente, gostos diferentes e vontades nada “comuns” com relação às outras pessoas. Num misto de formação profissional e infinita formação espiritual, ele relata SEU modo único de ver o mundo, de analisar os comportamentos, de formar e fixar suas bases, tanto mentais quanto materiais.

Eu sinceramente parei em certos momentos do livro, para refletir o que ali está escrito. Tem passagens e frases que são aparentemente contraditórias, mas que no fundo possui uma verdade incontestável.

E o Humberto consegue “juntar” essas contradições e formar frases e trechos, digno de aplausos. Notei no decorrer da leitura um ar “espírita”. E descobri que o Humberto realmente é católico. Fiquei um pouco “confuso“, mas nada disso importa. O autor escreve super bem.

Mapas do Acaso é um livro fino, com pouco mais de cem páginas, e que é caprichado da primeira a ultima folha. A Editora Belas Letras fez um trabalho formidável e super organizado. Com várias ilustrações, pinturas e fotos coloridas, a Editora fez com que o livro ficasse mais “completo”, fazendo dele uma breve “biografia” da vida do Humberto. Até o material do livro, das páginas, etc. é diferenciado. Parabéns a equipe editorial que revisou muito bem, e organizou fielmente o livro.

Adorei o livro que sem dúvida, pode ser usado como um aprendizado do bem. Digo do bem em geral. Cada “nota para uma vida”, escrito em todo novo “capítulo”, é uma lição de vida e consciência para todos nós.

Recomendo a leitura, nada que em uma tarde você não consiga terminar de ler. Confesso que não esperava muito quando iniciei a leitura há algum tempo, mas me surpreendi bastante com as colocações diversas. Convido vocês a lerem e dizerem suas opiniões. Talvez não se assemelhem as minhas, faz parte. 




Sobre o autor: Humberto Gessinger é vocalista, guitarrista e baixista, brasileiro, líder da banda Engenheiros do Hawaii, que atualmente, juntamente com o guitarrista Duca Leindecker, está trabalhando desde 2008 em seu novo projeto, Pouca Vogal.




Gessinger, descendente de alemães (da parte materna) e italianos (da parte paterna), já escreveu para colunas em jornais, apesar de não ser profissional da área. Cursou a Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em 1986 gravou com a banda seu primeiro disco, sendo o único integrante original a permanecer na Engenheiros do Hawaii até a "pausa" da banda (em suas palavras), ocorrida em 2008.

É casado com a arquiteta Adriane Sesti, antiga colega de escola e faculdade, e com ela tem uma filha chamada Clara (nascida em 1992).

Alguém aqui já leu este livro? 
Grande abraço, até mais.

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.